Corrida da Serra da Graciosa 2011

Lá vou eu...

Corri essa prova em 2005, em tempos pré-garmins, pré-assessorias e pré Circuito das Estações. Apesar de hoje haver muito mais gente correndo por aí, poucos ainda se animam a encarar essa prova, tida como um das mais duras do país. Admito: mais sofrida que essa acho que só mesmo a Maratona de Foz que corri em 2010. Serão 20 quilômetros de corrida, sendo 14 deles totalmente em subida, sem refresco, partindo quase do nível do mar até praticamente mil metros de altitude.

Acho bastante simbólico correr do litoral ao planalto cruzando uma região altamente preservada e percorrendo uma estrada construída em 1873 e por isso devo encará-la este ano mais uma vez.

Será um bom teste de início de preparação para os 100 quilômetros nos Andes no mês de abril vindouro.

A prova irá rolar no domingo, dia 02 de outrubro e as 700 inscrições já se esgotaram há tempos.  Que tal treinar e se preparar para largar em 2012 na Graciosa?

Deixo abaixo o perfil altimétrico da prova.

Abraços, beijo na bunda e até segunda, quando postarei aqui as impressões da prova.




De 0 a 100 em 29 semanas

Vinte e nove semanas é um pouco mais de meio ano. Estou partindo do zero - relativo, não absoluto. Meu passado aponta quatro maratonas em asfalto (Rio, CWB duas vezes e Foz), três K42 Bombinhas , um Desafio Praias e Trilhas e uma Ultramaratón de Los Andes com 50Km  de trilhas na Cordilheira. Mas... passado é passado e chegou a hora de pensar em 2012.

Por que tão cedo, se ainda falta 3 meses para o final de 2011? Porque, para mim, em 2011 já consegui tudo que eu almejava. Uma boa prova em Bombinhas, ótimas trilhas na Serra do Mar, vida pessoal super bem resolvida, a profissional igualmente... Então, hora de concentrar forças na próxima (e ainda distante) meta: 100 Km em trilhas na Cordilheira dos Andes na Patagonia Run.

Planos traçados, hora de executar. Vinte e nove semanas de dedicação me levarão dos zero - quase não tenho corrido - aos 100 quilômetros. Nestas vinte e nove semanas eu tenho certeza que apreciarei diversos momentos bons e também os ruins. Uma longa jornada, quase 200 sessões de treino para uma meta: conhecer as profundezas da Cordilheira na região de San Martin de Los Andes da maneira que mais gosto, correndo e caminhando pelas pirambeiras geladas.

Na medida do possível, estarei postando minha rotina de treinos aqui, a fim de auxiliar e orientar aqueles que pretendam, quem sabe, seguir meus passos na longa distância em trilhas.

Com esse lance de atulizações automáticas da nossa vida via redes sociais e mesmo aqui no blog, espero poder compartilhar os acontecimentos para que, mais que a mera curiosidade sobre um treinamento para ultramaratonas, você que me lê possa absorver para si essa dedicação e esse amor pela Vida nas Montanhas.

Um beijo e um abraço a todos!

Abaixo, um vídeo sugestivo: Vinte e Nove - Legião Urbana ao vivo!


Font-Romeu Feelings - Patagonia Run 2012

Mesmo distante muitos quilômetros de Font Romeu, por vezes me sinto como se lá estivesse. É lá que vive e treina Kilian Jornet, mestre-mor das corridas de montanha de longa duração. Mestre não apenas pela exuberante performance que ele apresenta. Mestre sim pela humildade, leveza, talento, caráter, simpatia e maturidade para um atleta profissional de apenas 24 anos.

George Volpão vive em Campina Grande do Sul, cidadezinha localizada a aproximadamente 26 quilômetros de Curitiba, capital do Estado do Paraná. É abençoada em seu território com as mais belas montanhas do sul do Brasil, muitos quilômetros de trilhas e também tranquilas estradas rurais com subidas de lamber o joelho. É meu paraíso e é onde me renovo nas saídas que faço. Seja durante o dia, percorrendo caminhos já tão conhecidos, seja como foi hoje à noite. Meia horinha de treino em subidas de também lamber os joelhos e onde entendi que um verdadeiro corredor de montanha deve se preocupar em ganhar altitude, principalmente, ter ATITUDE. Simplicidade é a chave, como demonstram outros mestres como Scott Jurek, Anton Krupicka e Geoff Roes

Sendo assim, a partir de hoje, na preparação para minha primeira prova de 100K em montanha, estou contando meus treinos por desnível positivo acumulado e por horas semanais de treino. Coloca 30 minutos e 200 metros na minha conta numa estrada totalmente escura, por favor seu moço. Esqueçamos os quilômetros e os paces. Deixo isso para quem gosta disso e para os exibidos. Eu gosto é de pão com queijo e goiabada, do cheiro da bosta das vacas que pastam onde corro e das montanhas.

Por que para alinhar na largada de uma prova dessas é preciso treinar o físico. Mas para cruzar a linha de chegada, é preciso ter o espírito muito mais forte que o corpo. No dia 14 de abril de 2012 eu terei a revelação.

Bons Ventos!

 Geoff Roes, Anton Krupicka e Kilian Jornet em um dia memorável na edição 2010 da Western States 100

Cume do Pico do Monte do Morro Tucum

No domingo passado estive no cume do pico do monte do Morro Tucum, uma montanha que muito aprecio e que está localizada a pouca distância da minha casa. Uma corrida de 17 quilômetros em terreno misto de terra e asfalto me levou ao Portal da Estrada da Graciosa, local de encontro com o pessoal do grupo Montanhoso. Trata-se de uma galera com o mesmo interesse comum: curtir a vida ao ar livre nos finais de semana e um boteco na sexta, o que me levou a apelidá-los, também, de Botecoso =)

Vamos aos fatos: de lá partimos as nove da manhã, em um grupo grande para os meus padrões de montanha, mas bastante homogêneo e muito ordeiro nas questões de repeito ao meio ambiente. Gostei disso! Por volta das dez demos início à caminhada rumo ao cume do pico do... Dia perfeito, sol na medida certa, temperatura agradável e pessoas incríveis.

Voltar desta forma ao Tucum e Camapuan depois de quase 4 anos longe foi maravilhoso. Que dia. E como tudo é treino, dei umas forçadinhas em alguns momentos, contemplei em outros, bem como é meu ideal de Vida nas Montanhas.

Abaixo algumas fotos cedidas gentilmente por amigos como o Dalla e a Simone que lá estavam. E agora, pronto para mais.

Boas trilhas!