Férias muito loucas - K42 Bombinhas Adventure Marathon - relato

E então é isso: primeira e única maratona do ano, a K42 Bombinhas. Com ela, fecho 11 maratonas na minha curta vida de corredor, sendo que me diverti muito nesta, como sempre.

O dia prometia permanecer encoberto, como foi a tônica nos dias anteriores. Desta vez, como estava de férias, cheguei na quarta-feira anterior à prova. Nada mal, deu para descansar bem, considerando que havia pedalado desde Curitiba até Bombinhas em cinco dias, com uma prova de corrida de montanha no meio =D

Largamos às oito da manhã. A Ana Barbara estava inscrita no K12 Trail Run e largou junto. Eu parti para os 42 com objetivo íntimo pretensioso demais. Baixar meu tempo do ano anterior, que era de 5h07min. Sabia que estava sendo abusado, pois treinei menos da metade do volume do que no ano anterior. Mas... nada havia a perder. Se quebrasse, tudo bem.

Tudo correu de acordo até o km 25. Passei na metade da prova com 2h24min, ou seja bem abaixo do ano anterior, que foi 2h36min. Acabou sendo um pouco forte, deveria ser uns 2h30. Mas eu tava me sentindo super bem. Daí em diante a coisa começou a cair, na inversa proporção da beleza da prova. Acho o segundo trecho mais bonito, com trilhas mais cênicas e subidas duras. Abstraí com relação ao fator tempo de conclusão. Tava mesmo era curtindo. Encontrar a Ana Barbara na Praia de Quatro Ilhas deu um up no ânimo e no tesão de correr essa prova. Algumas pequenas alterações no trajeto deixaram a prova ainda mais gostosa. O tempo permaneceu cinzento e evitou que o sol castigasse os menos preparados.


Cruzei a chegada com 5h22min neste ano, meu segundo melhor tempo. Com um pequeno acréscimo de trechos técnicos, achei o resultado realmente surpreendente,a final não treinei quase nada de corrida nos meses anteriores e ainda tinha metido 300 km de pedal com 15 quilos de bagagem na semana anterior.


Enfim, certamente, foi minha melhor K42, aquela em que corri mais leve, sem pressão e sem fissura. Fui de bike, me diverti um monte, tive companhia de bons amigos como o Daniel Meyer, lá residente e do Tarciso que veio de BH com a família e curtiu demais a prova.

Aliás, encontrar os amigos espalhados pelo país é uma das maiores alegrias em provas como essas. Gente como a Elis, o Bonatto, a Daiane, o Pinguim, além dos já citados, bem como muitos outros que me faltam à memória.

Obrigado à todos, principalmente à organização da prova que, mais uma vez, proporcionou um evento sensacional, sem igual em nosso país!

Essa parada teve o apoio de Orientista Sports, Deuter e Lorpen.





Grande abraço!

Férias muito loucas - Viagem de Bike Curitiba a Bombinhas/SC

Olá, cabrones!

Essa é a real. Férias muito loucas. No post anterior publiquei sobre a primeira corrida das férias, a Perdidos Trail Run. No domingo pós prova, rolou um relax e a satisfação de ter ainda 3 semanas pela frente, sem as obrigações profissionais. Claro que amo o que faço profissionalmente, mas uma parada anual para realimentar as energias é necessário.

Amanheceu a segunda feira e parti com a Ana Barbara logo cedo para o litoral catarinense, de bike, claro. Dia claro, com pouco vento e algum sol. Mas bastou descer a perigosa BR-376 rumo a Joinville que o tempo virou, com nuvens e um vento úmido e gelado. O pedal deste dia foi longo, de pouco mais de 100 km. Evitamos um trecho de rodovia nos metendo pelas regiões rurais do Rio Bonito e Pirabeiraba, cortando também a cidade de Joinville pela sua parte central. Lá, nos decidimos tocar para Barra Velha, em detrimento de Barra do Sul. Seriam os mesmos 40 km, porém com acostamento seguro, na BR-101. No apagar das luzes, encontramos um hotel de beira de estrada o Viamar, na localidade de Itapocú. Por um honesto valor de 70 reais o casal, tivemos quarto e banheiro limpos e agradáveis para nos recompor do cansaço.

Estávamos apenas a 7 km de Barra Velha e isso não interferiu na programação do dia seguinte, terça feira: tocar até a Praia de Estaleirinho, no município de Balneário Camboriú. Nesta jornada, foram 85 km bem tranquilos, sem fazer força, percorrendo quase na totalidade, apenas ruas e estradas a beira-mar. Entramos em Barra Velha e seguimos por Itajuba, Piçarras, Penha, Armação e Navegantes. Nesta cidade, cruzamos o Rio Itajaí-Açu de balsa para Itajaí. Nesta cidade, visitamos a Praia de Cabeçudas e tocamos para a praia central de Balneário Camboriú. Ali, nos aprovisionamos de víveres e encaramos as tenebrosas subidas da Rodovia Interpraias, passando por Laranjeiras, Pinho, Estaleiro e Estaleirinho, onde, finalmente chegamos ao camping homônimo. Por 20 reais por pessoa, garantimos uma super estrutura para colocar a barraca. Banho quente, banheiros limpos e luz elétrica, bem como, é claro, o som das ondas do mar para nos embalar.

Não foi apenas o som das ondas que nos embalou o sono. Choveu um pouco durante a noite e na manhã da quarta também. Saímos com chuva e tudo, nos atrapalhando um pouco com o pneu e câmara traseiros da bike da Ana Barbara que ora insistia em sair fora de seu lugar, ora, vazava ar pela válvula. Encaramos um curto trecho de rodovia na chuva até chegarmos em Canto da Praia, já no município de Itapema. Dali em diante o mar voltou a ser nosso companheiro. Meia-Praia e Perequê foram os próximos balneários visitados. Faltava pouco. Dali uns poucos minutos, após a forte subida que leva à Bombinhas, a aventura se encerrava na quarta-feira, após 288 km desde nossa casa até a praia central de Bombinhas.

Nesta empreita tudo deu bastante certo. Não houve desgaste excessivo, apesar da alta quilometragem da segunda e da terça. As bikes se portaram muito bem, excessão feita ao citado pneu traseiro da bike da Ana Barbara. Um provável defeito de fabricação, pois mesmo com todo o cuidado para acertá-lo no aro, ele voltava a querer escapulir do mesmo.

Nesta parada, utilizei alforges Deuter Rack Pack de 48 litros, que se mostraram suficientes para este tipo de jornada. O peso estimado da bagagem total girou em torno dos 15 kilos. Nele estavam os sacos de dormir Dream Lite 500 e Atmosphere 750 da mesma marca, bem como as roupas necessárias para a viagem e para minha participação na K42 Bombinhas que se realizaria no final de semana seguinte, assunto do próximo post. Levei também na bagagem a barraca Azteq MiniPak, que comportou muito bem o casalzinho, apesar do meu receio  de seu uso e condições de chuva forte. Como ela já tem uns bons 5 anos, acho que está na hora de refazer a impermeabilização dela.

Junto ao corpinho, utilizei uma Mochila Deuter Pace 20. Muito leve e anatômica, nela levei itens de uso imediato, como o reservatório de água, documentos, kit de primeiros socorros, filtro solar e corta-vento. Sinceramente, acho uma grande bobagem essa ideia existente no meio cicloturístico que não se deve pedalar levando peso na mochila. Não me senti incomodado em momento algum com 2 litros de água nas costas e o equipamento citado. Sem essa, maricones!

Abraços!








Perdidos Trail Run 2012 - Como Foi


Foi do cacete!

Certamente a melhor prova de corrida de montanha da região sul e a mais dura de todas nesta distância mais curta. Os 24 Km noturnos de Extrema são duros, mas estes 13 quilômetros percorridos nas montanhas paranaenses são realmente os mais casca-grossa que já encarei em provas.

O bacana é que tem de tudo, é um percurso completo: Estradas de terra, grande desnível altimétrico - mais de 800 metros positivos, trilhas técnicas, cruzo de rios, lama, pedras soltas, campos de altitude, enfim, prato completo para uma verdadeira corrida de montanha.

Para esta prova, realizada dia 12 de agosto, fui no dia anterior de bike, com a Ana Barbara. Encaramos 75 km de asfalto desde nossa casa até a Fazenda Morro dos Perdidos, local onde foi realizada a largada/chegada. Ali acampamos, na margem do Rio Itararé, com tranquilidade para encarar as trilhas no dia seguinte.

Amanheceu fazendo bastante frio, termômetro apontando sete graus. No entanto, bastou o sol dar as caras e uma temperatura perfeita se apresentou, culminando com sol forte durante todo o dia. Isso proporcionou belíssimas paisagens, como se pode ver nas fotos publicadas na página oficial da organização no facebook.

Corri com gosto, bem leve e solto, testando um novo produto a ser avaliado dentro de algumas semanas e cujo resultado será apresentado na Revista Sport Life. Após a pancadaria da subida, primeiramente por estrada de terra e em seguida em trilhas super técnicas, nos vimos no cume do Morro dos Perdidos. Com seus quase 1.500 metros de altitude, nos brinda com trilhas excelentes para correr. Descemos pelo outro lado, nos enfiamos em um vale com mata nebular e contornamos a montanha pela face oeste, por uma trilha deliciosa de correr, até sermos largados novamente na estrada de terra que nos levaria finalmente à chegada. Esta se deu, em meu caso, após pouco mais de 1h50min.

A organização foi perfeita, provando que não é necessário cobrar uma fortuna para fazer um evento bem feito e responsável. Que não precisa de camiseta e medalha de primeira categoria. Nós, corredores de montanha, gostamos mesmo é de estar nelas. Competir em alguns eventos é apenas uma boa desculpa para encontrar amigos e nos divertir fazendo o que mais gostamos. Uma prova organizada por corredores de montanha para corredores de montanha. Não é lugar para maricones! O lema da galera é que quanto pior, melhor.

Para quem se animar, em novembro a organização da prova promete mais doses fortes de montanha, com muito desnível e muita técnica para mais 13 quilômetros na serra do mar paranaense. Resultados aqui.

Beijos e abraços.










Férias 2012

Holiday, celebrate!

Bem, o plano destes próximos dias é esse: descer de bike até Bombinhas. Passagem pelo litoral catarinense a partir de Barra do Sul, ou Barra Velha, depende das pernas... No meio do caminho a Perdidos Trail Run já neste domingo uma corrida de montanha casca grossa de 13 km e 800m de desnível positivo acumulado.

A previsão de chegada a Bombinhas é para quarta-feira. Lá, com mais tempo, eu atualizo esta bagaça.

Beijos e abraços!

Tudo Errado para a K42 Bombinhas 2012

Sim, é isso. 

Fazendo tudo "errado" para competir na K42 Bombinhas de 2012. Treinos quase inexistentes, umas poucas trilhas, longões esquecidos desde fevereiro. Para afinar o corpinho, nos dias anteriores à prova pedalarei centenas de quilômetros. Eis a programação:

Dia 11, sábado: 65 Km de bike até as proximidades do Morro dos Perdidos.
Dia 12, domingo: Perdidos Trail Run, corrida de montanha de 13 km com 800m de desnível.
Dia 13, segunda: 105 km de bike até Barra do Sul.
Dia 14, terça: 95 km de bike entre Barra do Sul e Balneário Camboriú.
Dia 15, quarta: 25 km de bike até Bombinhas.
Dia 16 e 17, quinta e sexta: descanso.
Dia 18, sábado: K42 Bombinhas.

Ah, férias: seja bem-vinda! Hidratação e nutrição estão garantidos, conforme foto abaixo.

Abraços e até breve!