Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2012

E para nós dois, sair de casa já é se aventurar!

Sair de casa e estar fora é, certamente um dos meus maiores prazeres. Seja montanha, seja praia, ou mesmo dentro da cidade. Nesses momentos éque a mente se aquieta. O verão não é a melhor fase, certamente, para se estar na montanha, pelo menos não aqui no Brasil. Chove muito, os insetos abundam e o clima se torna ainda mais instável. Mesmo assim, a ideia de passar a virada de ano no alto de uma montanha não me desagrada nem um pouco. Seria a vibe "quanto-pió-mió"? Pode ser. Na verdade acho que é algo como : "quanto-mais-loko-mió"! Vamos amadurendo a "louca" ideia. Abraços.

Sobre o Rumo das Coisas

Tudo muda, o tempo todo... E 2012 foi disparado o ano que mudou tudo, de todas as maneiras. Mudanças buscadas e desejadas, visando equilibrar meu modo de vida. Ou então visando me "adequar" ao corrente, ainda não sei bem ao certo. Não que eu me sentisse estranho no mundo. Não que estivesse infeliz. Mas também não acho que essas mudanças significaram evolução. Do ponto-de-vista que sempre defendi, acho que acabei andando para trás. De repente um passo atrás ajuda a fornecer espaço para um impulso mais à frente. É com esse pensamento que encaro a situação. Em 2012 eu cortei o cabelo, voltei a correr provas de 10K e maratona em asfalto, abri conta bancária (sim, me vendi), chegaram cartões de crédito, casei de verdade (de papel passado), aluguei apartamento em bairro nobre, entrei em um financiamento de casa própria, comi carne como a grande maioria das pessoas fazem, consolidei minha posição profissional, fui em eventos sociais de familiares, enfim, realizei uma infinidade de c

Calendário 2013

Hola, que tal?! Para 2013 a idéia é estar ainda mais nas montanhas. Tenho ainda muito tesão em correr alguma coisa realmente longa em montanhas. Certamente minha quinta participação consecutiva na K42 Bombinhas é algo que desejo muito e espero que tudo corra bem no decorrer do novo ano para que eu esteja uma vez mais alinhado na largada. Quem sabe até mesmo alguma outra maratona em trilhas apareça na minha ideia. Afinal, um calendário prévio para 2013 já mostra que teremos certamente mais de 10 competições de montanha com distância igual ou superior aos clássicos 42 quilômetros. Mas o montanhista que há em mim está sedento por experiências mais duradouras do que algumas horas nas trilhas. Quero isso também, mas quero mesmo é o vento que racha o beiço e a sopa quente que conforta o estômago. Sendo assim, as corridas em trilha continuarão a existir, pois são uma grande paixão. Porém pretendo, finalmente, voltar a passar boa parte dos meus finais de semana nas cumeadas paranaenses, como e

Maratona de Curitiba 2012

No domingo dia 18 de novembro rolou a Maratona de Curitiba. Havia corrido pela última vez em 2010, inclusive anunciando que não mais faria provas como essas. Naquela oportunidade, havia sofrido um bocado para concluir. Não tanto fisicamente, mas sim no espírito. O famoso saco cheio com o asfalto, já que naquele ano eu havia corrido também a Maratona de Foz do Iguaçu . Para 2012 eu não havia me programado para correr maratonas em asfalto. Aliás, em meu calendário aqui no site até constava como provável a minha presença na maratona da minha terra. Mas o tempo passou e decidi não corrê-la. Acontece que, poucos dias antes, meu amigo Xampa , do Rio de Janeiro, teve contratempos e não pôde comparecer aqui na terrinha, cedendo-me a inscrição e o kit. Aí pensei, por que não ir buscar a linha de chegada também? Aproveitando também o fato que minha esposa estava inscrita e motivada para a prova, decidi largar, com a mentalidade simples de concluir a prova, se desse. Deu, e com sobr

Manifesto pela Vida nas Montanhas

Boa noite, bom dia, boa tarde. Lanço esse manifesto, inspirado por um debate levantado no facebook, a respeito de possíveis impactos ambientais causados por corredores de montanha em ambientes naturais. Quem participa de uma prova na montanha, não corre contra ela ou contra o oponente. Corremos por nós, por nossa liberdade. Fazemos o que amamos. É o nosso direito de ir e vir. A montanha não tem dono. Ela está lá, simplesmente, como disse meu homônimo Mallory . Desculpem-nos se lhes ofendemos com nosso esporte. Da mesma forma, somos acusados injustamente de causar impacto. O que queremos é paz e convivência;  não segregação, nem olhos tortos. Saibam todos que na Espanha, por exemplo, a mesma federação que cuida dos assuntos de escalada e montanhismo cuida também das corridas de montanha? Vivem em paz, sem ninguém acusar ninguém, e sem ninguém achar que a montanha é apenas um templo e deve estar lá somente para contemplar ou somente para campistas, ou somente para escaladores, ou somente