Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de 2021

Umas últimas palavras e imagens sobre o Ciririca deste final de 2021

 No ar um vídeo contando um pouquinho do que foi o Ciririca Express deste domingo com a queridíssima e sem mimimi amiga Patrícia Moresco. Porque, falando a real, nesta montanha não há espaço e nem razão para mimimi. É pura Serra do Mar paranaense, quase como no tempo dos pioneiros. É montanha, é selvageria, é lama, é rio, é fita que sumiu das árvores, é bifurcação errada, é subida dura, descida mais dura ainda, é hora atrás de hora de progressão firme, deixando o mato rasgar a pele sem dó. Mas é também para quem sabe apreciar, respeitar e, literalmente, se ajoelhar diante de tanta beleza e da oportunidade que temos hoje. Estamos cercados de conforto, tecnologias e vantagens que os verdadeiros heróis do montanhismo paranaense lá do século passado não contavam e nem precisavam. Minha mais absoluta gratidão a esses caras que descobriram estas cumeadas, abriram estas trilhas no instinto, na bússola, no facão e com muita força de vontade. Recomendo a leitura deste incrível livro que ilustra

Montanhismo Leve e Rápido - Pico Ciririca Express!

Hola, hola, que tal? Eu e minha super amiga Patrícia Moresco nos jogamos rumo Pico Ciririca, conhecido exageradamente aqui na região como o "K2 paranaense" no Boxing Day, 26 de dezembro de 2021.  Eu já havia estado lá anteriormente por dez vezes, sendo duas delas fazendo aquilo que chamam por aqui de Montanhismo de Ataque (acho um nome muito pesado, ataque me lembra violência) ou Bate-e-Volta. Prefiro o conceito cunhado décadas atrás no exterior: Light & Fast, em tradução literal, Leve & Rápido. Não é de hoje que eu me identifico bastante com esta forma de abordar uma atividade a pé em montanhas. Não me sinto mais tão atraído em carregar mochilas pesadas, cheias de equipamentos e suprimentos para muitos dias ou muitas horas. Prefiro me deslocar rapidamente, curtindo da mesma forma cada instante na montanha e me desafiando a encarar novos objetivos esportivos. É uma maneira diferenciada de praticar atividade em montanha que se posiciona entre o trail running e o trekki

Quem sabe?

 Oi, tudo bem? Bem, talvez fosse melhor escrever e perguntar: quem é que sabe? Com aquilo que acredito ser mais da metade da vida já vivida, os 45 anos de idade se aproximando mais certeza vou tendo que nada, nada sei MESMO. Ok, pode parecer algo meio filosófico, o paradoxo socrático, mas que me conforta e me acalma ao explicar exatamente isso: que nada sei. Agora imagina isso somado a outro aspecto tão familiar aos gregos, a astrologia. Um aquariano com ascendente em gêmeos, tanto elemento ar presente... Quando acho que sei, além de me ligar que nada sei, acho mesmo que aquilo que eu sabia, eu sabia errado. É rir para não chorar. Deixando o texto menos denso e enevoado, com isso quero apenas dizer que a dificuldade de manter-me firme em uma ideia é algo que me acompanha desde o nascimento. Tenho vivo alguns dias de dilema no aspecto profissional da vida e que além de não me permitirem andar em uma determinada direção, me exacerba essa característica da dúvida e da insegurança. Gerando

É fim de ano

 Olá queridos e queridas. Sim, fim de ano. Ou final de ano, não sei bem como se escreve, talvez as duas formas sejam válidas. Eu realmente perdi esse hábito que tanto me faz bem quando decido praticá-lo. Uma pena, pois acho um verdadeiro desperdício deixar este espaço em silêncio por tanto tempo. Última postagem foi feita no final de julho quando eu decidido estava em voltar a escrever mais por aqui, afinal assunto nunca faltou não é? Eu não sei bem qual trilha acabei pegando e que me levou ao fim das postagens. Espero ter encontrado o caminho de volta, agora que consegui finalmente deixar um pouco de lado as postagens nas redes sociais (principalmente o Instagram). Nestes pouco mais mais de quatro meses sem aparecer por aqui o que posso dizer de bom é que voltei a correr com consistência a partir do mês de novembro e sigo em frente buscando abandonar os quilos extras adquiridos nos últimos anos e ganhar mais uma vez uma boa condição física para retornar às trilhas das montanhas parana

Trail Running Culture

 Queridos e Queridas, como estão? Trail Running Culture. Cultura Trail Runner. Não temos no Brasil. Não temos apoio, incentivo e divulgação, falando de mídia de grande massa. Somos um bando de loucos até mesmo pra quem frequenta ambientes naturais. Para muita gente do montanhismo e do trekking somos uns imbecis que passam correndo fazendo força, deixando de apreciar a paisagem. Sim, já escutei isso. Pro pessoal do Mountain Biking também somos uns loucos que percorrem distâncias nem tão longas como uns 16 quilômetros e levamos 3 horas pra completar "apenas" nisso. Ah, mas eu sei que você não está nem aí pra essa galera julgadora. Eu também não estou. Apenas constato que eles existem e são muitos. Cada um na sua é mais legal.  Eu também gosto de caminhar devagar em montanhas. E aprecio a paisagem também. Seja correndo, seja caminhando, seja pedalando. Ninguém deveria "competir" com ninguém nisso e muito menos fazer esses julgamentos. Todos se divertem e, principalment

Sobre Voltar a Escrever

 Queridos e Queridas! Tudo bem com vocês? Pow, como está sendo legal voltar a escrever por aqui. Como disse ontem a Patrícia em nosso chopp noturno: é uma espécie de terapia. Sim, colocar para fora o que sentimos é sim terapia. Eu, que nunca frequentei algo do gênero, me sinto bem assim. Os dedos correndo pelos teclados no intervalo do trabalho sempre trabalhando como ferramenta para transpor ao digital o que o biológico cérebro produz. Ter também o retorno dos leitores por e-mail e por outros canais também é bastante confortador. Não que eu esteja aqui em busca das glórias e apupos de plateia. Mas simplesmente por querer compartilhar inquietações que, muitas vezes, acabam sendo também as mesmas que dos leitores. E como bônus, veio também o fato de que estes textos e reflexões servem para dar uma linha geral sobre assuntos que gosto também de falar em minhas conversações matinais com meus inscritos no canal do YouTube. Sendo assim, aquilo que posto no blog no período da tarde, acaba in

Sobre Estar Só - O Circo de Um Palhaço Só

 Queridos e Queridas, como estão? As conversações de hoje tem a ver com solitude.  Muita gente prefere o uso dessa palavra em vez da solidão. Sabem a diferença? Caso não, ajudo aqui: Segundo o Dicionário Online de Português, Solitudes é o plural de solitude. O mesmo que: exílios, retiros, solidões. Significado de solitude [Poética] Estado da pessoa que está só, sozinha. Condição de quem se isola propositalmente ou está em um momento de reflexão e de interiorização. Etimologia (origem da palavra solitude). A palavra solitude deriva do latim "solitudo,inis", com o mesmo sentido de solidão. Já sobre a Solidão, a mesma fonte discorre:   Significado de Solidão substantivo feminino Estado de quem está só, retirado do mundo ou de quem se sente desta forma mesmo estando rodeado por outras pessoas; isolamento: os encantos e as tristezas da solidão. Lugar despovoado e não frequentado pelas pessoas; ermo, retiro: retirar-se na solidão. Natureza ou característica desses lugares ermos:

Sobre Corridas e Montanhas

 Olá queridos e queridas. De fato, não tem sido fácil esse processo de entendimento sobre o que anda acontecendo. Sinto-me como se realmente a motivação para fazer as coisas estivesse dentro de mim mas em algum momento a conexão dessa motivação como o "botar em prática" se perde. O resultado é o "kit corrida de inverno" que foi separado no domingo a noite para correr na segunda-feira ainda intacto esperando ser usado. E já estamos no final da terça-feira... Não saber qual o elo que falta para que corridas e montanhas retornem à minha rotina de vida tem me incomodado cada vez mais. Minha aposta da vez é a alimentação. Tem sido bastante pobre em nutrientes como poucas vezes na vida. E não porque me falte disposição em preparar boas refeições e nem por faltar dinheiro. Aliás, comer bem e saudável é BEM mais barato que comer industrializados, estejam certos disso. Esse loop que parece infinito já deu. E espero trazer pelo menos melhores notícias na próxima semana. E voc

Auge do Inverno

Queridos e queridas! Espero que estejam sobrevivendo bem a este inverno. O dia mais frio que corri neste ano ainda rolava usar shorts: 7 graus. Eu não sei porque tenho a impressão de que este inverno está mais rigoroso que o anterior. Acho que há uma grande chance de ser um equívoco meu, visto que, se assim fosse, essa notícia certamente já teria ganhado a imprensa.  Talvez porque o evento histórico da neve nas montanhas em 2021 tenha ocorrido já no terço final da estação, mais precisamente em 21 de agosto, como vocês puderam assistir aqui no vídeo abaixo: O fato é que com a chegada dessa segunda massa de ar polar do ano (a primeira veio trazendo geada "cedo", ainda em junho) agora em meados de julho parece já estar me cansando muito mais do que antigamente. Seria efeito da passagem inexorável dos anos?  Eu sempre fui um amante incondicional das baixas temperaturas. Tenho até fotinho no abandonado Instagram de uma manhã no cume do pico do monte do Morro Itapiroca em 2007 com

Começa a Temporada de Montanha!

 Hola, que tal? Agora sim, finalmente voltando às corridas em trilha. Em um sábado de se emocionar, eu e meu parceiríssimo de longa data Nelson Mendes, o Pexe, fomos até o Morro dos Perdidos e aproveitamos a reabertura do local que esteve fechado por pouco mais de um ano para fazer um treino de respeito.  18 km, 1300m D+ e ótimas sensações. Meu posterior de coxa não deu nem sinal de dor, minha lombar com protusões discais não incomodou (ou seja, zero dormência na coxa e panturrilha) e o joelho direito comportou-se perfeitamente. Com isso, posso desenhar e planejar melhor um retorno seguro à modalidade que é a minha favorita. Para este mês de maio ainda preciso fazer uma nova ressonância magnética para saber se houve uma correta cicatrização da musculatura da coxa e estar, de fato, liberado.  Assim feito, seguirei na minha planilha imaginária até o final de junho para, aí então, estruturar decentemente um programa de treinos para longas distâncias em trilhas e montanhas com foco no verã

Um Abril sem posts mas não sem emoções

  Hola, que tal?? Não é sempre que as palavras fluem, vocês sabem. Mesmo com mais de 10 anos escrevendo por aqui, vejo que muitas vezes as palavras me faltam. Você já parou pra pensar em como a gente muda em dez anos? Como você era 10 anos atrás? Falando por mim, além de estar ainda na casa dos trinta anos, em 2011, eu estava ainda na flor da idade nas minhas atividades esportivas, dando paulada atrás de paulada nas corridas em montanha e, principalmente, escrevendo aqui com mais afinco. E é interessante observar também que nesses dez anos vimos a consolidação da presença das redes sociais como tomadoras de tempo.  É claro que há muito conteúdo bom gerado por lá. Mas, acho até que já comentei por aqui, o problema das redes sociais é o ruído excessivo. Muita informação e de forma desorganizada. O conteúdo importante que vejo por lá muitas vezes passa batido, acabo esquecendo de utilizar a função "salvar" que existe no Instagram. Além disso tem o problema de que Instagram e Fac

Atualizando - Reconstrução em Curso

  Hola, que tal? A palavra do mês foi exatamente esta: reconstrução. Nunca foi tão real, verdadeira e na carne. Após um desfile entre consultórios, clínicas, hospitais e no ambiente estéril do Zoom, as considerações: - Três pequenas protusões discais que demandam atenção mas não são impeditivas para a prática de esporte. Foram reveladas através de exame de ressonância magnética solicitado pelo Dr. Thiago Fuchs (especialista em joelho e quadril) e depois também analisadas pelo Dr. Antônio Krieger (especialista em coluna, também corredor). Como se trata de uma situação irreversível e que pode levar futuramente a uma hérnia de disco, mais do que nunca fortalecimento de core é necessário para que eu tenha maior longevidade nas corridas e pedais. Já comecei! - Ruptura muscular do músculo posterior da coxa esquerda no dia 12 de dezembro do ano passado. O grande problema, na realidade, foi ter voltado às corridas em trilha e aos treinos de intensidade no Velódromo antes da hora certa e de li

Pintura da Bike GT, Saída da Equipiazza e mais

  Hola, que tal? Seguimos em frente, com novidades. Vamos pintar a bike, refazendo a originalidade e qualidade de uma bike GT. Bora também recuperar o corpinho com base nos resultados dos exames que virão (ressonância magnética de perna e quadril), nova metodologia de treino e por aí vai. Eu conto um pouco disso no vídeo abaixo. Saludos!!!

Fechando Ciclo

Hola, que tal? Olha só...não sou de reclamar da vida não. E também acho  que esse post não é bem uma reclamação, mesmo sabendo que se fazer de coitadinho dá Ibope. Mas, carai, véio. Os últimos 12 meses foram uma sucessão inédita de lesões, doenças e imprevistos. Começou no 01 de março de 2020, com uma torção do joelho direito, que já não tem o Ligamento Cruzado Anterior desde 2013. Foi no Morro Araçatuba e tive que vir praticamente a reboque por quase 2 km de trilhas. O que faria em 20 minutos de corrida levou 120 de caminhada arrastada e ainda cheio de dores. Ok, consultas, exames, liberado pra correr em uns poucos dias e aí entra a pandemia de Covid-19. Mesmo sujeito aos julgamentos e dedos apontados, permaneci treinando corrida e ciclismo, ouvindo asneiras de todos os lados. Muitos achando que era puro egoísmo sair para pedalar, correr o risco de sofrer um acidente e ocupar o leito de alguém que estivesse precisando por causa do Covid-19. Estávamos ainda em março e abril, e ninguém

Estou Pronto!

Estou pronto. Esta imagem é de janeiro de 2009, no Cordón del Plata, a 3.200 metros de altitude, preparando um café. Foi basicamente minha última experiência real de montanhismo. De lá para cá foquei primeiramente nas corridas de rua e de montanha, depois me dediquei à música e por fim à uma viagem breve pelo mundo das Gravel Bikes. Claro que frequentei montanhas e até mesmo acampei em algumas nesses 12 anos longe da pura montanha. Mas meu corpo e principalmente minha alma agora chamam pelo retorno. Após tantos adiamentos nesse retorno, hoje entendo porque isso não aconteceu antes. Tudo tem a sua hora. Um pouco mais experiente, mais cauteloso, com muito mais tecnologia de equipamentos do que antes e com muito mais vontade de viver estes dias intensos junto à natureza única de montanha. Estou pronto, foi dado o start.⠀ É mais sobre montanhas que sobre corridas. Aos poucos vou contando por aqui o que estará rolando. E a imagem abaixo é de janeiro de 2021 no Morro Araçatuba neste último d

Primeiro do Mês

Hola, que tal? Poxa, quem me dera ao menos uma vez cumprir com aquilo que se promete todo início de ano. Não só a promessa de escrever mais. Mas aquelas mais manjadas, sabe? Treinar com mais disciplina, comer melhor, dormir mais, se estressar menos com o que não está sob nosso controle... Tenho certeza que você que me lê pretendeu começar algo novo ou mudar alguns hábitos a partir do dia 01 de janeiro. Ou na primeira segunda do ano, que seja. Bem, dessa vez não prometi voltar a escrever com frequência mas aqui estou. Prometi fazer alongamentos todas as noites antes de dormir mas, caramba, já estamos no dia 07! Beleza, essa noite eu começo e no texto da próxima semana (olha as promessas, Volpson!) eu conto se está rolando. Ainda bem que esta ferramenta aqui me lembra quando foi a última vez que estive aqui no blog. Foi no final de setembro. E nestes pouco mais de três meses minha vida teve um rebuliço tão grande, mas tão grande... Sei que tem muita gente que não gosta (e que se danem po