abril 20, 2011

Comprei o meu Polar, Uhuuuuu!

Aê galera, olha que legal, comprei o meu Polar!

Um monitor cardíaco muito maneiro, que marca os últimos treinos que eu fiz, mostra as batidas do meu coração para um treino seguro de acordo com a recomendação dos especialistas diplomados!!! Aeeeeee!!!!

Hahahaha, que palhaçada...

Um dos posts que eu mais gosto é um que escrevi em 2009, chamado Joguei Fora Meu Polar. Um texto metido a engraçadinho mas muito sério, que reflete exatamente até hoje o meu pensamento sobre o uso de determinados aparelhos para correr, no caso os monitores cardíacos.

Para mim, algo totalmente dispensável, a ponto de ter me livrado dele. No entanto, chegou a hora de dar um tempo - trocadilho ridículo - no meu surrado Suunto X6 que recebi do meu antigo patrocinador. Ele tem as duas funções que acho imprescindíveis em um relógio para corridas de montanha: o cronômetro e o altímetro. Cronômetro para eu saber a hora de comer e me hidratar. Altímetro para controlar a minha aplicação de energia e saber em que ponto do percurso estou, principalmente em competições, onde estudo previamente a altimetria e o mapa da região. Como ele está bem velhinho, com a pulseira arrebentando e sua troca custa mais que um relógio novo, decidi-me por adquirir um relógio de qualidade.

E aí que entra o Polar FT4M. Por um valor razoável, adquiri um bom relógio. Confesso que ainda nem sei das suas funções como monitor. Não pretendo utilizá-lo como tal e se alguém pagar um dinheirinho na cinta que vai junto ao peito eu vendo com gosto após uns testes.

Depois de um tempo de uso, farei um review que deverá agradar aqueles que buscam mais informações sobre um modelo que tem um custo inferior e sem papagaiadas desnecessárias, já que trata-se de um modelo básico. Hoje em dia, a galera fissurada em gadgets já usa apetrechos com muito mais funções, muitas das quais nem se sabe para que serve. Espero, assim, ser útil uma vez mais, já que os reviews são as páginas mais acessadas do blogue.

Com isso, eu tenho uma boa estratégia: "economizo" meu Suunto com altímetro até poder adquirir outro no exterior, já que o preço aqui é absurdo e uso o Polarzinho como relógio de pulso e cronômetro no dia-a-dia e nos treinos.

Porém, mais que tudo, me rende boas risadas ao ler o texto do fictício Polar dispensado e, dois anos após adquirir um "de verdade", mesmo sem a pretensão de treinar baseado em frequência cardíaca. Mantenho comigo, como sempre, a idéia de ouvir meu corpo apenas, sem instrumentos extras e desnecessários. Em breve deve rolar um GPS também, para espanto geral. Mas aí a idéia é outra, para um projeto ousado que devo anunciar dentro de alguns meses e que tem a ver mais com montanha do que com corrida. Sem tomates, por favor.

Bons treinos!

abril 18, 2011

16 Semanas para a K42 Bombinhas Adventure Marathon 2011

Salve!

Lá vou eu, para o meu terceiro ano correndo a mais fantástica maratona do Brasil. Belíssimas paisagens, organização eficiente, clima de amizade entre os atletas e um desafio que vai além da distância. Trata-se de uma prova que oferece muita subida, descidas técnicas em trilha, areia pesada nas praias, costões de pedras e lama (a depender dos dias anteriores).

Estou inscrito. Vale lembrar que faltam 16 semanas para a prova, que será realizada no dia 06 de agosto, na cidade de Bombinhas, Estado de santa Catarina. Esse é o momento de encarar uma planilha de treino voltada para esta prova. Essas 16 semanas são o período ideal para montar um ciclo de treinamento e encarar um desafio para você nunca mais esquecer.

Quem precisar de dicas sobre a prova é só entrar em contato. Se você ainda não fez a inscrição basta clicar aqui. Se está em dúvida sobre participar, não pense duas vezes: vá e não se arrependerá. Acha que os 42K são muito puxados pra você? Então participe do revezamento, onde cada atleta corre metade da distância. Já é um super desafio. Vai rolar também uma corrida de 12 Km em trilhas, ideal para quem está começando no trail running.

Enfim, tem pra todo mundo. Vale a pena levar a familia e curtir um final de semana na praia, longe do agito da alta temporada.

Bora treinar!


abril 17, 2011

10 Coisas Para Você Simplificar Agora


Copio abaixo texto com 10 dicas simples para uma vida mais simples =)

O texto original está em


=============================================================

Suas posses.
Todos nós temos coisas de acordo com o nosso poder aquisitivo. Para alguns, é normal ter uma casa em cada praia preferida, enquanto outros sequer tem uma casa própria. Avalie o que você possui e procure abrir mão de algumas coisas. Menos posses significa menos contas, menos problemas, menos dor de cabeça. Será que não vale a pena alugar uma casa na praia em vez de ter uma permanente lá? Você realmente precisa ter uma casa a mais somente porque sua condição financeira permite? E mais de um carro?

Sua alimentação.
Informação não falta a ninguém: todos sabemos que alimentos processados e industrializados fazem mal, então por que comemos? Comer menos também significa manter o cérebro ativo, "com fome". Já reparou no estado letárgico que ficamos quando comemos demais? Isso não é saudável nem produtivo. Coma menos.

Seus compromissos.
Ninguém tem tempo nos dias de hoje - fato. Será que não temos compromissos demais? É claro que a maioria deles, principalmente os compromissos relacionados ao trabalho, é praticamente inadiável. Mas aquelas 32 reuniões semanais precisam mesmo acontecer? E aquela viagem de vistoria da empresa, precisa ser mensal? Ter compromissos pessoais e profissionais é uma ótima maneira de nos manter vivos e ativos, mas compromissos demais também não são uma coisa assim tão boa. Procure reduzir o que puder. Ficar sem fazer nada não é crime.

Sua vida online.
Ninguém precisa estar sempre conectado às redes sociais, a não ser que este seja o seu trabalho. No seu uso pessoal é possível reduzir, de qualquer forma. Não é necessário entrar todos os dias no Orkut ou no Facebook, postar cada passo no Twitter e por aí vai. Perde-se um tempo enorme nessas redes.

Seus objetivos.
Ter metas e objetivos é fundamental para termos sucesso em diversas áreas da nossa vida, mas às vezes nos afogamos no cronograma que montamos para nós mesmos. Todos nós podemos ter tudo o que quisermos, mas precisa ser ao mesmo tempo? Será que o mestrado não pode esperar mais alguns anos, de modo que você possa se dedicar mais aos seus filhos pequenos?

Seus contatos.
Ninguém é obrigado a atender o telefone toda vez que ele toca, nem a responder um e-mail imediatamente ou uma mensagem no celular.

Seus pensamentos negativos.
Ninguém precisa assistir ou ler notícias desagradáveis diariamente. Poupe sua cabeça desse tipo de informação, que só ocupa espaço e gera frustração. Quando pegar a si mesmo pensando em algo de forma negativa, discipline-se para cortar o pensamento imediatamente. Ver o lado negativo não leva à nada.

Suas dívidas.
Se você tem dívidas financeiras, esforce-se para quitá-las e não faça outras. Simples assim.

Suas palavras.
Fale menos e ouça mais, pois geralmente todo mundo fala demais. Seja diferente pelo fim da poluição sonora. O silêncio vale ouro.

Sua capacidade de fazer mil coisas ao mesmo tempo.
Já foi-se o tempo em que fazer diversas atividades ao mesmo tempo era considerado algo louvável. Vale muito mais a pena fazer uma coisa de cada vez e bem. Deixe para fazer mais tarefas ao mesmo tempo quando elas não demandarem atenção - tarefas no automático, que você não precisa se concentrar para fazer. Para que tanta pressa? Sua vida está passando por você sem que você perceba.

Abraços.

abril 15, 2011

O Alto Rendimento e suas Frescuras

Senhores, esta é a dura realidade: o esporte de alto nível chegou a um ponto onde qualquer mínimo detalhe faz a diferença. Isso porque este segmento hoje é um negócio de cifras milionárias e poucos esportes escapam disso.

Vemos cada vez mais atletas especializados, sendo este aspecto relacionado não apenas às características de cada competição, mas chegou ao ponto de atletas serem especialistas em apenas um tipo de prova. Nunca mais veremos nas corridas alguém como a Locomotiva Emil Zatopek, que reinava em distâncias tão díspares como os 5.000 metros e a maratona. No ciclismo, nunca mais teremos um Eddy Merckx. Por favor, não me falem de Lance Armstrong, cujo talento se resumia a vencer o Tour de France. Claro que também trata-se de um feito incrível, mas incomparável até mesmo com as vitórias de Miguel Indurain tanto no Tour como no Giro d'Italia.

Hoje atletas profissionais comem como robôs, injetam substâncias (algumas ilícitas), ciclistas não sobem escadas para se preservar para as competições e treinos, corredores pesam menos de 50 kg e crianças são forçadas, muitas vezes pelos pais, a seguirem um caminho que não querem. Entendo que este é o rumo natural e que quem se envereda por este caminho está disposto a pagar seu preço. Não há como ser diferente nos dias de hoje.

Porém sou um romântico e ainda é possível encontrar gente considerada melhor do mundo em seu esporte tendo uma vida comum. Falo de nomes como Scott Jurek, Anton Krupicka e Geoff Roes, que estão entre os melhores ultramaratonistas de montanha do mundo. Na foto abaixo, que ilustra uma matéria de uma revista especializada norte-americana, eles aparecem em trajes comuns, "civis" sem estrelismos, como bons amigos que são e tomando uma boa cerveja escura, como pessoas comuns! São todos atletas profissionais, recebem salários de patrocinadores e, principalmente, são acessíveis e tem uma vida fora do mundinho da corrida. Saem pra se divertir, bebem (algumas) cervejas, fazem festa, enfim, vivem!

Esses são meus exemplos, alguns pelo menos. Não poderia deixar de citar o grande nome, o maior de todos: Marco Olmo.

Mas sobre ele eu falo na próxima semana.

Vida simples!

abril 13, 2011

Review - Meia de Compressão Kendall

(texto escrito originalmente em agosto de 2009)

Salve corredores!

Já havia algum tempo que eu vinha bolando o conteúdo deste post. Primeiro surgiu com a curiosidade natural, ao ver diversos atletas de endurance (maratonistas e triatletas) no exterior utilizando "meiões" parecidos com os de futebol. Em seguida uma pesquisa na internet me revelou que o uso deste produto ainda era incipiente mesmo lá fora. E por fim, alguns amigos interessados em saber mais.

Porém, no ano passado foram publicados alguns estudos a respeito de tecidos de compressão (o que leva a aplicação do princípio da compressibilidade a outros itens de vestuário) revelando melhorias na performance. Talvez não precise ser muito estudioso para perceber como isso funciona. A compressão do tecido junto à musculatura agiliza a remoção dos resíduos metabólicos resultantes da queima da adenosina trifosfato (o combustível da célula proveniente da glicose, em uma série de processos químicos). Esses resíduos presentes na musculatura são um dos responsáveis pela fadiga, cãimbras e dores que sentimos durante atividades de longa duração. Mas não vou me estender muito neste aspecto científico, até porque não sou profissional da área. Quero relatar apenas minha experiência como usuário do artefato. Uma matéria técnica muito boa a respeito dos tecidos de compressão foi publicada no site Ativo.com e pode ser conferida clicando aqui.

Fazendo uma busca internética pelo produto aqui em nosso Brasil, verifico que não encontro tal item disponível (a exceção de uma loja especializada em triathlon que pede a bagatela de 198 reais por um par, fora de cogitação). Os preços destas meias específicas nos E.U.A. gira em torno de 25 dólares. Quem tiver a oportunidade de conseguir essas meias no exterior eu recomendo. Marcas como a Oxysox são bem recomendadas. O ideal dessas meias é o fato delas terem a medida determinada como ideal para atletas, entre 24 e 26 mmHg (milímetros de mercúrio).

No entanto, em meu caso particular, não estava disposto a comprar lá fora (frete, demora na entrega, formas de pagamento inviabilizavam). Resolvi testar alguns modelos nacionais, que não são específicos para atletas, pois contam com taxa de compressão entre 18 e 21 mmHg.

Após longas e demoradas buscas na internet encontrei dois fabricantes que pareciam chegar perto daquilo que eu buscava. Recomendo-as: Kendall e Sigvaris. Nos sites desses dois fabricantes é possível encontrar o endereço das lojas que comercializam o produto, bem como uma busca no google lhe mostrará diversos resultados de lojas eletrônicas.

Decidi por comprar aqui mesmo em Belo Horizonte. Constrangimento nunca foi uma característica minha e a vendedora deixou-me bastante à vontade na loja, repleta de clientes procurando meias para varizes, penicos e outros produtos hospitalares e fisioterápicos. É importante comprar sempre o tamanho correto, que é determinado pela circunferência da panturrilha o comprimento da perna. Existe uma tabela que auxilia a determinar seu tamanho ideal e um bom vendedor saberá atender você. Algumas lojas virtuais disponibilizam a tabela para que você mesmo encontre sua medida e faça seu pedido com segurança.

Acabei por decidir-me pela Kendall, média compressão, com 20 mmHg. Preço amigo, 56 reais. A meia é construída com materiais que impedem a proliferação de mau cheiro e é confortável a ponto de eu dispensar as meias normais de corrida, pelo menos quando usada com meu tênis favorito para corridas longas, o Mizuno Prorunner 11. Para as corridas de montanha testei apenas com o Salomon XT Wings e não tive muito sucesso: bolhas nos primeiros quilômetros. Uma outra meia por cima será necessária nos treinos seguintes. A Sigvaris oferece também a opção de meia sem a ponta dos dedos, o que pode parecer uma idéia interessante, mas preferi não arriscar bolhas e costuras desnecessárias.

A Salomon também está testando esse tipo de material com o espanhol multicampeão de ultramaratonas em montanha, Kilian Jornet. O visual parece ser bem arrojado, como é do feitio da marca francesa. O interessante é que elas não são propriamentemeias e sim algo como os pernitos de ciclismo, atuando apenas na região da canela e panturrilha, deixando de fora os pés e a coxa.

==================================================

Minha experiência:

Desde meu início em corridas de longa distância jamais tive as panturrilhas 100%. Já tive dores e cãimbras em provas de meia maratona em montanha, na ascensão do Cerro Plata na Argentina (após caminhar 5 horas com mochila pesando 27 quilos), em treinos de >corrida em trilha na Serra do Mar paranaense. Antes da Maratona do Rio usei esta meia em algumas oportunidades, sempre em treinos acima de 26 km. A situação das pernas durante e após a corrida sempre foram melhores do que quando treinava sem elas. Realmente o cansaço era menor e as dores não existiam mais. Porém o teste de fogo seria realmente os 42.195 metros da Maratona. Funcionou! Absolutamente sem dores na panturrilha. Dor alguma! De problemas musculares senti apenas dores leves no posterior da coxa esquerda, o que me leva a crer que usar bermudas de >compressão também seja uma boa idéia (postarei outro tópico a respeito). Estou pensando em utilizá-las também para recuperação pós-esforço, algo que também tem se tornado comum entre atletas top (coisa que não sou, mas não custa imitar o que é bom).

Bolhas? Nenhuma. Os pés pareciam ter saído de uma corridinha de 5 km. Intactos, feios por natureza.

Concluindo: Não é o modelito mais lindo do mundo. Muitos corredores ainda se apegam ao visual tradicional, de regatas calçoes curtos e tênis. Muitos não usam sequer bonés ou óculos. Tenho visão diferente deste tradicionalismo (que também é muito visto no ciclismo de estrada europeu, onde só recentemente pôde ser visto a presença de quadros de bicicleta de geometria sloping, por exemplo). Acredito que experimentar novidades é válido e se funcionar, não me importo com visual ou coisas assim. O que vale mesmo é funcionar, ficar confortável. Se ficou bonito, melhor ainda.

E vamos que vamos, testando e aprovando (ou reprovando).

Um abraço!

abril 10, 2011

Super George Is Dead!

Super George está morto!

Muito fácil chegar a esta conclusão. Atribuo esta morte basicamente à passagem dos anos. Bons foram os tempos em que eu podia correr cinco maratonas em cinco meses quase sem treino. Houve tempo que eu fazia trilhas na Serra do Mar com 20 kg nas costas virando a noite acordado e ainda agitando o dia todo. Pedaladas de 100 km também não eram raras nos meus vinte e poucos anos.

Mas o tempo passa e em dias atuais percebo que essa força interna vai-se embora. Ou melhor, não está sendo possível mantê-la sem um bom trabalho físico. O que antes me parecia simples, correr 3 maratonas em um mês como cheguei a fazer, só voltará a acontecer se me dedicar aos treinos. Mandar ver na raça e apenas no "background" que trago até pode rolar, mas o preço pago será maior do que me disponho a pagar.

Sendo assim, anuncio a morte do Super George. De volta ao mundo dos mortais, pagando o preço de tanto abuso ao longo dos anos (cólicas renais que me perseguem já há dois anos, lombalgias de verter água dos olhos, entre outros pequenos probleminhas) é bom ver que sou um cara comum, que anda sofrendo pra correr 10 Km em 50 minutos. Melhor assim, sem esse papo furado de guerreiro pra lá, "você é o cara" pra cá.

Segue a vida.

Boa semana a todos.

abril 06, 2011

Você é um homem ou um rato?

Foi há pouco, noite passada. Não fazia frio, 20 graus de temperatura, penso eu. Perfeito para sair pelas ruas e correr. Era o que eu estava fazendo, trilhando as ruas da capital paranaense.

E me deparei com uma academia de fachada envidraçada. E vi pessoas, muitas pessoas derretendo em cima de esteiras de última geração. Cada qual com seus fones de ouvido, alguns outros integrantes do sexo feminino exibiam silicones balouçando alegremente.

Um vidro os separava do mundo real. Pensei em um aquário, mas a idéia que veio à mente foi outra. Parei em frente, interrompendo minha atividade, curioso que sou. Soltei a voz em direção a eles:

Você são homens ou são ratos?

Ninguém me ouviu, claro. Ou não quiseram dar ouvidos, mais provável...

E tirei eu mesmo a conclusão, seguindo minha corrida livre e sem amarras pelas simpáticas ruas de Curitiba.


abril 05, 2011

Está no ar: George Volpão e seus Artigos no Site Corridas de Montanha

Buenas galera.

Vale a pena conferir meu artigo de estréia no site www.corridasdemontanha.com.br.

Quem acompanha meu blog, talvez não veja muita novidade no que está escrito. Mas tá lá. Vamos divulgar e trabalhar na divulgação deste belíssimo e divertido esporte que são as corridas de montanha. Basta clicar no link acima que você irá direto à página com meu artigo.

Abraços!



abril 02, 2011

Minha Visão sobre as Corridas de Montanha

É com satisfação e prazer que informo que a partir do dia 05 de abril estarei publicando semanalmente diversos artigos sobre o mundo das corridas de montanha em um espaço cujo nome diz tudo: www.corridasdemontanha.com.br

Neste website, pioneiro no segmento, tanto oferecendo inscrições para provas, como sua cobertura, novidades e outras notícias do meio, passo a colaborar com conteúdo muito próximo daquele que já ofereci aqui e em outros espaços, principalmente na mídia impressa.

Ser merecedor de espaço em um veículo deste porte e que atinge direto o interessado é um prazer e uma honra.

Assim sendo, convido vocês para acessar novo conteúdo semanalmente (ou na medida que as idéias surjam) a partir da próxima terça feira.

Buenas!



Trail Running Culture

 Queridos e Queridas, como estão? Trail Running Culture. Cultura Trail Runner. Não temos no Brasil. Não temos apoio, incentivo e divulgação,...