julho 30, 2018

Novo EP - Mais três

Olá!

Post rápido para avisar que dia 01 de agosto sai um novo EP com três faixas inéditas.

Chamar-se-á Mais Três (por que será?) e estará disponível em Spotify (ouça aqui), Deezer, Youtube e outras.

Deixo abaixo a capa e no próximo post um pouco sobre o processo de composição e gravação das três músicas que serão lançadas.

Beijos e abraços!





Minha Bike Esportiva

Olá, bom dia, tudo bem?

Neste post rápido, apresento minha bike esportiva de forma resumida e um pouco mais técnica do que no post sobre a Specialized Hardrock Sport.

Prefiro definir desta forma - Bike Esportiva - o modelo de bike que estou usando agora para me divertir nas estradas e nos matos.

Minha já conhecida e característica impaciência com termos, definições e filosofias para classificar bicicletas com nome e sobrenome.

Justamente eu, que trabalhei por um tempo na divulgação do termo "gravel bike", acho que não cabe a mim esta finalidade. Prefiro definir apenas como bicicleta. E como no momento estou com duas bikes, esta do post é a Bike Esportiva, uma vez que está configurada pensando em aproveitar as possibilidades de fazer esporte em cima de uma bike.

Minha esperança é que este se torne um post definitivo sobre a bike que estou usando para treinamentos e curtições na estrada e fora dela.

Evito, da mesma forma, a publicação de fotos em detalhes por questões de cunho pessoal e de privacidade.

Aliás, privacidade é um tema que tem se tornado bastante importante para mim, à medida que cada vez mais eu observo que as pessoas, em geral, estão perdendo o respeito à privacidade.

Como gerador de conteúdo, sei do interesse que pode existir em obter indicações e opiniões personalizadas sobre os assuntos que eu abordo. Mas, definitivamente este não é o meu papel.

Chegamos ao cúmulo de até mesmo a Thamires, minha companheira de vida, ter recebido nas redes sociais perguntas que seriam direcionadas a mim, mas que me abstenho de responder porque preservo minha privacidade e meu sossego, principalmente em finais de semana longe da internet. Uma absoluta falta de noção.

Felizmente não se trata da maioria, são casos isolados (embora não poucos) que não conseguem ainda me tirar o prazer que tenho em compartilhar um pouco de conhecimento. Importante lembrar: não existem gurus. Não tenho as respostas para coisa alguma. Única certeza que posso dar é:

Vai lá e experimente você mesmo!

Afinal, eu apenas relato as minhas experiências.

Abaixo ficha técnica o mais completa possível da minha bike esportiva.

Forte abraço!


Bike Esportiva

- Quadro: Format 5222 em cromo molibdênio tamanho 56cm no top tube (tenho 1,83m) com pintura personalizada do Giovani Madeira.
- Garfo: Format 5222 em cromo molibdênio com pintura personalizada.
- Caixa de direção: Oversized Aheadset Semi Integrada sem marca.
- Suporte de guidão: Cannondale Alumínio C3 10 graus.
- Guidão: Cannondale Alumínio C3 Compact 420mm.
- Fita de Guidão: duas fitas. Uma Pro Bike Smart Silicon e uma Velo Grip sobrepostas para maior conforto.
- Freios: V-Brake Alumínio original da Format.
- Trocadores/Manete de freio: STI Shimano Claris ST-R2000 2X8 com passagem interna dos cabos.
- Câmbio dianteiro: Shimano Claris FD-R2000.
- Câmbio traseiro: Shimano Claris RD-R2000.
- Cassete: Shimano HG-200 11-34 8V.
- Corrente: Shimano CH-HG40 7V.
- Pedivela: Shimano Claris FC-2450 Octalink 50/34D 172,5mm.
- Movimento central: Shimano Ocatlink ES-25.
- Pedais: Look Quartz II.
- Rodas Shimano R-501  24mm. 20 raios na dianteira, 24 na traseira.
- Pneus: Kenda Kwick Bitumen com arame 700X35.
- Selim: Fizik Tundra M7.
- Canote de selim: Alumínio 25.4.
- Peso aproximado: 12,3 kg.






julho 25, 2018

Do Que Você Tem Medo?

Oi.

É sério, hoje cheguei a um ponto de fadiga mental que ainda não tinha experimentado.

Medo.

Medo de quase tudo.

Medo de ter medo.

Medo de falhar miseravelmente, medo do que vão falar se você não seguir aquele padrão.

Medo de comer muita batata frita e tomar muita coca-cola e entupir novamente meus rins.

Medo dos motoristas no trânsito acabarem com minha vida nem tão inocente enquanto eu pedalo minha bicicleta.

Medo da violência que se esgueira em cada esquina escura nessa capital cinza e de poucos sorrisos.

Medo do meu joelho bichado estalar novamente em uma noite fria de Curitiba enquanto eu corro.




Mas hoje...eu cansei.




Mandei o medo tomar no cu e fui viver minha vida como eu acho que tem que ser.

Estou livre!




julho 19, 2018

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi!

Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90.

A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly.

Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação.

Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90.



Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei tanto que estou louco para testá-las em trilhas e até mesmo competições de MTB.




Eu gosto muito do conceito geral das bikes de quadro em cromoly, garfo rígido do mesmo material, 21 velocidades e, principalmente do aro 26.

No meu ponto de vista, a chegada das mountain bikes com aro 29 tirou um pouco da beleza destas máquinas de trilhas.





Detalhes do quadro, ainda em excelente estado.




Cromo-molibdênio, infelizmente abandonado pela maioria dos grandes fabricantes que preferem trabalhar com o alumínio, hoje mais barato para a confecção de bikes de nível intermediário.




O cockpit (guidão, suporte de guidão trocadores e manopla) foi reaproveitado e retirado de uma bike usada. O guidão com bar end integrado teve vida efêmera no mountain bike dos anos 90 mas traz um estilo e funcionalidade únicas).




As manoplas também são originais. Desafortunadamente, a abraçadeira da alavanca de câmbio rapid fire alívio está quebrada. Não afeta o funcionamento e não prejudica a estética.




Precisei utilizar um adaptador de suporte de guidão, uma vez que a bike não veio com a mesa original. Assim, optei pelo adaptador e uma mesa Profile também old school.




Garfo em cromo-molibdênio, igualmente.




Freios cantilever ainda com as sapatas de freios originais!




Selim DDK que não orna muito com o estilo old school da bike mas... um dia aparece algum do meu agrado. Apesar disso, é bastante confortável.




Aqui com acessórios importantes como Bolsa de Selim Deuter Bag S, Pisca traseiro Absolute e Paralamas Mudguard.




Detalhe do paralamas Mudguard, flexível e de instalação facílima.





Os cubos são Shimano Parallax originais, da mesma forma. Não sei bem de qual linha, me parecem ser Altus, com blocagem em aço.




Os aros são da japonesa Araya, mais do clássicos e míticos. Praticamente presença obrigatória em qualquer bike decente da primeira metade da década de 90.




Dos pneus não encontrei muitas informações. O dianteiro é um Geax Saguaro 2.0 e o traseiro um Hutchinson Camaleon 1.95. Ah, claro, diâmetro 26 polegadas antes que me esqueça na empolgação :)





A pedivela também é original da marca japonesa Sakae com 42-32-22 dentes. Em alumínio mas com coroas rebitadas.




O conjunto cassete e corrente são novos e destoam um pouco da originalidade. Um Shimano HG200 7V 11-34 dentes como cassete e a corrente a clássica Shimano HG40.




Do câmbio dianteiro eu não consegui boa foto mas trata-se de um Shmano Altus. O traseiro original era um Acera-X que substituí (por pura frescura) por um Deore DX ano 1991. Deu uma gourmetizada na bike, uma vez que essa peça é dificílima de entrar neste estado. Encontra-se em perfeito funcionamento, sem folgas.

Não falei dos pedais mas ali temos um modelo genérico da Wellgo, com corpo em alumínio e borda em aço. Será substituído por um pedal de encaixe em breve.

Abaixo uma breve ficha técnica da bike, que está pesando em torno de 12,9 kg configurada desta forma.

Um forte abraço!


Specialized Hardrock Sport Volpônica

- Quadro: Specialized Hardrock Sport em Cromo-molibdênio 4130 de dupla espessura.
- Garfo: Specialized Hardrock Sport em Cromo-molibdênio 4130 de dupla espessura.
- Caixa de direção: N/D.
- Suporte de guidão: Profile Boa.
- Guidão: Scott com bar end integrado.
- Manopla: N/D.
- Freios: Shimano Altus Cantilever.
- Trocadores/Manete de freio: Shimano Alivio 3X7 21 marchas.
- Câmbio dianteiro: Shimano Altus.
- Câmbio traseiro: Shimano Deore DX 7V.
- Cassete: Shimano HG-200 11-34 7V.
- Corrente: Shimano CH-HG40 7V.
- Pedivela: Sakae com coroas 42/32/22.
- Movimento central: N/D.
- Pedais: Wellgo.
- Aros: Araya alumínio.
- Raios: Aço inox.
- Cubos: Shimano Parallax (provavelmente da linha Altus).
- Pneus: na frente Geax Saguaro 26X2.00 e atrás Hutchinson 26X1.95.
- Selim: DDK vazado.
- Canote de selim: N/D.

julho 16, 2018

Eu chego a desacreditar

Chego a desacreditar em mim mesmo.

Hoje com o fenômeno dos (e principalmente das, já que é um fenômeno bem feminino) instagrammers e suas "parcerias no direct" eu consigo olhar para trás e ver que, de certa forma, agi de forma bem parecida alguns anos atrás.


Quando eu fui corredor de montanha entre 2007 e 2014 havia um pouco disso: empresas oferecendo produtos para serem usados em troca de divulgação nas mídias sociais. Na época era uma coisa mais de facebook e blog. Instagram começou mesmo no final daquele período.


Mas hoje a putaria é desenfreada mesmo. Pré requisitos para ser instagrammer vendido:

- Postar uma foto de bunda, em pose que conforme a percepção pode ser sensual ou vulgar (particularmente acho MUITO vulgar);
- Roupinha de ciclismo colada com o zíper dos peitos bem aberto;
- Mais de 1.000 seguidores (é um número ridiculamente baixo para que se propõe a "influenciar algo ou alguém, mas...);
- Nenhuma vergonha na cara.

Lembro que quando eu recebia produtos para teste e divulgação, o que importava era o aspecto técnico da coisa toda: se o produto valia a pena o preço pago, se tinha boa assistência técnica de fabricante/importador, se deveria ser usado nesta ou naquela condição climática.

Hoje, tanto uma parte do mercado como, principalmente os "influencers" se prostituíram em troca de uma "brusinha" para fazer fotos "iradas", ganhar likes e elogios de gente que não tem a capacidade de entender que ser mulher é muito mais que exibir bunda e peito em cima de uma bicicleta no Instagram.

Como já escrevi em 2014: hoje sou livre e não devo agrados a nenhuma marca esportiva. Minha última experiência com isso foi péssima devido à falta de profissionalismo da empresa envolvida.

Em tempos recentes recebi produtos de algumas empresas para testar: uns pneus legais para gravel bike, um par de sapatilhas MTB e pedais clip de altíssimo padrão. 

Em breve falarei sobre cada um deles aqui, pois o conteúdo que geramos por aqui pode, de alguma forma, ser mais útil que uma foto plena de filtros e atributos físicos. Até mesmo porque, não disponho deles, mas sim de algo muito mais importante.

Um forte abraço!





                           
 



Erguei as mãos e dai glória a Deus!

Trail Running Culture

 Queridos e Queridas, como estão? Trail Running Culture. Cultura Trail Runner. Não temos no Brasil. Não temos apoio, incentivo e divulgação,...