Pular para o conteúdo principal

Eu chego a desacreditar

Chego a desacreditar em mim mesmo.

Hoje com o fenômeno dos (e principalmente das, já que é um fenômeno bem feminino) instagrammers e suas "parcerias no direct" eu consigo olhar para trás e ver que, de certa forma, agi de forma bem parecida alguns anos atrás.


Quando eu fui corredor de montanha entre 2007 e 2014 havia um pouco disso: empresas oferecendo produtos para serem usados em troca de divulgação nas mídias sociais. Na época era uma coisa mais de facebook e blog. Instagram começou mesmo no final daquele período.


Mas hoje a putaria é desenfreada mesmo. Pré requisitos para ser instagrammer vendido:

- Postar uma foto de bunda, em pose que conforme a percepção pode ser sensual ou vulgar (particularmente acho MUITO vulgar);
- Roupinha de ciclismo colada com o zíper dos peitos bem aberto;
- Mais de 1.000 seguidores (é um número ridiculamente baixo para que se propõe a "influenciar algo ou alguém, mas...);
- Nenhuma vergonha na cara.

Lembro que quando eu recebia produtos para teste e divulgação, o que importava era o aspecto técnico da coisa toda: se o produto valia a pena o preço pago, se tinha boa assistência técnica de fabricante/importador, se deveria ser usado nesta ou naquela condição climática.

Hoje, tanto uma parte do mercado como, principalmente os "influencers" se prostituíram em troca de uma "brusinha" para fazer fotos "iradas", ganhar likes e elogios de gente que não tem a capacidade de entender que ser mulher é muito mais que exibir bunda e peito em cima de uma bicicleta no Instagram.

Como já escrevi em 2014: hoje sou livre e não devo agrados a nenhuma marca esportiva. Minha última experiência com isso foi péssima devido à falta de profissionalismo da empresa envolvida.

Em tempos recentes recebi produtos de algumas empresas para testar: uns pneus legais para gravel bike, um par de sapatilhas MTB e pedais clip de altíssimo padrão. 

Em breve falarei sobre cada um deles aqui, pois o conteúdo que geramos por aqui pode, de alguma forma, ser mais útil que uma foto plena de filtros e atributos físicos. Até mesmo porque, não disponho deles, mas sim de algo muito mais importante.

Um forte abraço!





                           
 



Erguei as mãos e dai glória a Deus!

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Só o CUme Interessa - Piada Escrota

Bah, nem é piada. Acho que isso se chama cacofonia, que é quando alguma coisa dita de um jeito dá a entender que é outra coisa. Entendeu? Ah, eu também não, hehe. Enfim, não é o que importa. To escrevendo essa parada, porque li um post no blog que os colegas Bonga e Tonto montaram para divulgar sua expedição no Ama Dablam, uma das mais belas e cobiçadas montanhas do Himalaia. Este cume não é dos mais elevados nem dos mais tecnicamente exigente. Mas o Ama Dablam é lindo! Quem não gostaria de pisar em um cume assim? Lindo, majestoso, imenso... Confira abaixo: Pois é... com seus quase sete mil metros trata-se de uma cobiçada montanha, objeto de desejo de muitos. Porém, o que rola desde princípio dos anos noventa são os turistas de montanha. Nada contra eles, pelo contrário. Servem para impulsionar uma atividade ecologicamente correta, movimentar economia, transferir renda e trazer qualidade de vida para quem pratica e/ou depende dela. Porém, tudo em exagero tem um porém - to meio engraç

Guia de Trilhas - Morro do Anhangava (parte I)

INTRODUÇÃO Saudações. É com prazer que publico aqui um mini-guia para corrida de montanha no morro do Anhangava, originalmente publicado no antigo site  TrailRunning BRASIL . MORRO DO ANHANGAVA Localização O Morro do Anhangava e seus 1.420 metros de altitude, está localizado nas proximidades da localidade de Borda do Campo, distrito do município de Quatro Barras, região metropolitana de Curitiba, a aproximadamente 35 quilômetros da capital paranaense. O local é considerado um campo-escola de montanhismo, pois conta com trilhas para caminhada e corrida, bem como vias de escalada em rocha de todas as dificuldades. Chegando lá de carro: Deixe Curitiba pela BR-116 sentido São Paulo, seguindo até o trevo de Quatro Barras, cuja sede municipal pode ser visualizada à direita. Saindo desta rodovia, você chega ao centro da cidade. Siga as placas que indicam Borda do Campo e Morro do Anhangava à direita, onde você acaba tomando a PR 506. Em poucos quilômetros, pl