Pular para o conteúdo principal

Araçatuba Half Marathon - Uma Verdadeira Corrida de Montanha

Pqp. De uma vez por todas: Não que as outras corridas que já fiz ou virei a fazer não sejam corridas de montanha. Não que a Super Meia de Extrema, a K21 Curitiba, a K42 Bombinhas, as provas do paranaense e outras mais não sejam corridas de montanha. O que fica é que esta prova que fiz no Araçatuba realmente está numa montanha. Ao sair de 800 metros de altitude, ir até os 1.400, despencar tudo e subir de novo até o cume a mais de 1.600 metros para, enfim, descer de volta à sua base, posso classificar como o mais pesado percurso de corridas de montanha que já fiz. Eu já nem sei mais quantas já corri na vida e me orgulho disso, já que esse lance de contar coisas nunca foi meu forte. Sei que corro em trilhas desde 1995, quando ainda morava em Paranaguá e percorria umas trilhazinhas perto da estrada das praias. Comecei a competir em 2007 e nunca tinha enfrentado algo assim. Porque demorou tanto pra ter um desafio assim ao nosso alcance, sem gastar fortunas para viajar a outros países?

A prova foi super bem organizada pelos rapazes da TRC Brasil, Ricardo Beraldi e Raphael Bonatto. Foi excelente poder chegar no sábado a tarde com a Ana Barbara, junto com o nobre José Virgínio de Morais, que veio conosco no carro e acampou ao nosso lado, uma referência para mim nas corridas de montanha. Encontrar os amigos, acampar, curtir um belíssimo por-do-sol... que final de semana perfeito.

O domingo amanheceu com céu claro e largamos às oito e meia para a quebradeira de quase 22 quilômetros e 1.500 metros de desnível positivo, ou seja, 3.000 de desnível acumulado. Seguimos pela trilha de acesso ao Araçatuba até um ponto onde bandeamos para a esquerda em direção a um abandonado reflorestamento de pinus. Estradas largadas há décadas que foram detonadas pela erosão e ofereceram um belo trajeto técnico morro abaixo e morro acima. Tesão, piá!

Toca então pro cume do pico do monte do morro Araçatuba, lá chegando com mais de 3 horas de prova em 16 km.

Então era só descer pelo trecho mais belo do percurso, em minha opinião. O "outro lado" da montanha tem descida agradável, alternando entre técnica e velocidade, para enfim finalizar a prova com 3h55min.

Dureza é estar na categoria 35-39M e chegar em 11°. Com esse tempo, na categoria 30-34M eu teria sido sexto e na 40-44M seria o quarto. Bah, diversão foi o mais importante. Confira a cobertura do www.trailrunningbrasil.com

E mais, ainda, saber que tanto eu como as corridas de montanha em geral estão num bom caminho: eu, que tirei a zica da K21 quando sofri pela falta de treino, e as corridas em sim, que crescem em qualidade e diversidade. Que venha a Maratona dos Perdidos, 42 km de pura montanha. E que venha a temporada de montanha, com muito acamps em cumes gelados da Serra do Mar paranaense.

Beijos e abraços.










Comentários

  1. Grande Volpão. Amigo e parceiro da TRC Brasil! Você é do nosso time. Seus pitacos são sempre bons e verdadeiros. Estamos juntos!!!

    ResponderExcluir
  2. Deve ter sido muito legal esse percurso e prova. Pena que não pude comparecer.

    ResponderExcluir
  3. Valeu Volpão, belo relato e com certeza foi uma prova duríssima! Parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Pepe se vc que esta nesse lance desde 1995 e disse que esta foi braba o que dira nos os simples mortais, sou seu fa quando crescer vou querer correr que nem vc...rsss..Parabens rei das montanhas.

    Um abraco,

    Jorge Cerqueira
    www.jmaratona.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Só o CUme Interessa - Piada Escrota

Bah, nem é piada. Acho que isso se chama cacofonia, que é quando alguma coisa dita de um jeito dá a entender que é outra coisa. Entendeu? Ah, eu também não, hehe. Enfim, não é o que importa. To escrevendo essa parada, porque li um post no blog que os colegas Bonga e Tonto montaram para divulgar sua expedição no Ama Dablam, uma das mais belas e cobiçadas montanhas do Himalaia. Este cume não é dos mais elevados nem dos mais tecnicamente exigente. Mas o Ama Dablam é lindo! Quem não gostaria de pisar em um cume assim? Lindo, majestoso, imenso... Confira abaixo: Pois é... com seus quase sete mil metros trata-se de uma cobiçada montanha, objeto de desejo de muitos. Porém, o que rola desde princípio dos anos noventa são os turistas de montanha. Nada contra eles, pelo contrário. Servem para impulsionar uma atividade ecologicamente correta, movimentar economia, transferir renda e trazer qualidade de vida para quem pratica e/ou depende dela. Porém, tudo em exagero tem um porém - to meio engraç

Guia de Trilhas - Morro do Anhangava (parte I)

INTRODUÇÃO Saudações. É com prazer que publico aqui um mini-guia para corrida de montanha no morro do Anhangava, originalmente publicado no antigo site  TrailRunning BRASIL . MORRO DO ANHANGAVA Localização O Morro do Anhangava e seus 1.420 metros de altitude, está localizado nas proximidades da localidade de Borda do Campo, distrito do município de Quatro Barras, região metropolitana de Curitiba, a aproximadamente 35 quilômetros da capital paranaense. O local é considerado um campo-escola de montanhismo, pois conta com trilhas para caminhada e corrida, bem como vias de escalada em rocha de todas as dificuldades. Chegando lá de carro: Deixe Curitiba pela BR-116 sentido São Paulo, seguindo até o trevo de Quatro Barras, cuja sede municipal pode ser visualizada à direita. Saindo desta rodovia, você chega ao centro da cidade. Siga as placas que indicam Borda do Campo e Morro do Anhangava à direita, onde você acaba tomando a PR 506. Em poucos quilômetros, pl