Pular para o conteúdo principal

Araçatuba Half Marathon - Uma Verdadeira Corrida de Montanha

Pqp. De uma vez por todas: Não que as outras corridas que já fiz ou virei a fazer não sejam corridas de montanha. Não que a Super Meia de Extrema, a K21 Curitiba, a K42 Bombinhas, as provas do paranaense e outras mais não sejam corridas de montanha. O que fica é que esta prova que fiz no Araçatuba realmente está numa montanha. Ao sair de 800 metros de altitude, ir até os 1.400, despencar tudo e subir de novo até o cume a mais de 1.600 metros para, enfim, descer de volta à sua base, posso classificar como o mais pesado percurso de corridas de montanha que já fiz. Eu já nem sei mais quantas já corri na vida e me orgulho disso, já que esse lance de contar coisas nunca foi meu forte. Sei que corro em trilhas desde 1995, quando ainda morava em Paranaguá e percorria umas trilhazinhas perto da estrada das praias. Comecei a competir em 2007 e nunca tinha enfrentado algo assim. Porque demorou tanto pra ter um desafio assim ao nosso alcance, sem gastar fortunas para viajar a outros países?

A prova foi super bem organizada pelos rapazes da TRC Brasil, Ricardo Beraldi e Raphael Bonatto. Foi excelente poder chegar no sábado a tarde com a Ana Barbara, junto com o nobre José Virgínio de Morais, que veio conosco no carro e acampou ao nosso lado, uma referência para mim nas corridas de montanha. Encontrar os amigos, acampar, curtir um belíssimo por-do-sol... que final de semana perfeito.

O domingo amanheceu com céu claro e largamos às oito e meia para a quebradeira de quase 22 quilômetros e 1.500 metros de desnível positivo, ou seja, 3.000 de desnível acumulado. Seguimos pela trilha de acesso ao Araçatuba até um ponto onde bandeamos para a esquerda em direção a um abandonado reflorestamento de pinus. Estradas largadas há décadas que foram detonadas pela erosão e ofereceram um belo trajeto técnico morro abaixo e morro acima. Tesão, piá!

Toca então pro cume do pico do monte do morro Araçatuba, lá chegando com mais de 3 horas de prova em 16 km.

Então era só descer pelo trecho mais belo do percurso, em minha opinião. O "outro lado" da montanha tem descida agradável, alternando entre técnica e velocidade, para enfim finalizar a prova com 3h55min.

Dureza é estar na categoria 35-39M e chegar em 11°. Com esse tempo, na categoria 30-34M eu teria sido sexto e na 40-44M seria o quarto. Bah, diversão foi o mais importante. Confira a cobertura do www.trailrunningbrasil.com

E mais, ainda, saber que tanto eu como as corridas de montanha em geral estão num bom caminho: eu, que tirei a zica da K21 quando sofri pela falta de treino, e as corridas em sim, que crescem em qualidade e diversidade. Que venha a Maratona dos Perdidos, 42 km de pura montanha. E que venha a temporada de montanha, com muito acamps em cumes gelados da Serra do Mar paranaense.

Beijos e abraços.










Comentários

  1. Grande Volpão. Amigo e parceiro da TRC Brasil! Você é do nosso time. Seus pitacos são sempre bons e verdadeiros. Estamos juntos!!!

    ResponderExcluir
  2. Deve ter sido muito legal esse percurso e prova. Pena que não pude comparecer.

    ResponderExcluir
  3. Valeu Volpão, belo relato e com certeza foi uma prova duríssima! Parabéns!

    ResponderExcluir
  4. Pepe se vc que esta nesse lance desde 1995 e disse que esta foi braba o que dira nos os simples mortais, sou seu fa quando crescer vou querer correr que nem vc...rsss..Parabens rei das montanhas.

    Um abraco,

    Jorge Cerqueira
    www.jmaratona.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.