Pular para o conteúdo principal

George Volpão e o Trail Running no Brasil. Literalmente.

Salve!

Essa é a real. Agora estou "dependente" do Trail Running, da Corrida de Montanha. Dia 23 de setembro acertei minha saída do cargo de Coordenador de e-Commerce da Jamur Bikes, onde trabalhei por três anos e dois meses. O trabalho paralelo na promoção do meu esporte favorito demandava mais atenção e havia chegado a hora de fazer escolhas.

Fiz a minha. Agora, além de curtir a vida nas trilhas, preciso pagar as contas com o que faço nelas, por elas e com elas. As fontes de rendas são diversas, desde publicidade pura e simples vindas do site onde sou editor, o www.trailrunningbrasil.com; a realização de training camps como o que rolou em julho; a criação de sites para empresas do ramo esportivo; a prestação de serviços à TRC Brasil (organizador de eventos de corridas de montanha) e minha atuação como manager e atleta da Território Mountain Team. Multitasking, como diria uma amiga.

Isso me traz uma felicidade sem fim! Uma primeira atuação foi minha participação na Maratona Ecocross em Brasília, a convite dos organizadores. Pude viajar tranquilo, sem paranóias de horários fixos e contando com a ajuda e colaboração de amigos, principalmente da amiga Michelle Mendonça que me recebeu super bem na Capital Federal, desde minha chegada no aeroporto até o apoio fundamental na prova.

Hospedei-me no Hostel 7, um empreendimento interessantíssimo e estrategicamente localizado, de fácil acesso, na Asa Norte. É, definitivamente, uma das maneiras favoritas de me hospedar nas cidades, pois permite travar um contato maior com pessoas que também amam viajar e também economizar uns trocados.

As incríveis cores do Planalto Central.

Nesta prova, pude realizar sonho antigo de correr no Cerrado Brasileiro, um dos biomas mais ameaçados do país. Trilhas deliciosas, forte calor e um cenário trail runner em ascensão proporcionaram uma ótima experiência. A lamentar, apenas a falta de atenção da organização da prova no respeito à hidratação e a falha na marcação de meu tempo de prova. Sobre ela, aliás, deixo aqui a publicação do já citado TrailRunning BRASILhttp://www.trailrunningbrasil.com/2013/10/maratona-ecocross-brasilia-como-foi.html
Obrigadíssimo Michelle!

Em outubro, tenho bons desafios: Além de ter concluído com sucesso a Corrida da Graciosa no domingo passado, tenho a Half Mision Serra Fina (ainda não sei se correrei os 40 ou os 80 km) e a AP Trail Run Paraíba do Sul, onde farei os 25 Km em prova organizada pelo amigo Adevan Pereira.

Correndo no Cerrado. A dream come true!
Aliás a Corrida da Graciosa foi ótima para ganhar confiança. 20 km em 1h46'03", com 950 metros de desnível positivo. Isso garantiu um 59º lugar entre mais de 700 atletas na geral. Em uma corrida de asfalto, desempenho assim é absoluta novidade. É uma prova que precisava fazer, já que ano passado a coisa foi feia por lá.

Da mesma forma, sigo atuando como prestador de serviços de comunicação da TRC Brasil.

Segue a correria. Na quinta-feira sigo com alguns amigos para o sul de Minas. Vale acompanhar via facebook, a rede social que proporciona notícias interessantes (nem sempre) em tempo real.


Corrida da Graciosa 2013.


Valeu, beijos e abraços!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Só o CUme Interessa - Piada Escrota

Bah, nem é piada. Acho que isso se chama cacofonia, que é quando alguma coisa dita de um jeito dá a entender que é outra coisa. Entendeu? Ah, eu também não, hehe. Enfim, não é o que importa. To escrevendo essa parada, porque li um post no blog que os colegas Bonga e Tonto montaram para divulgar sua expedição no Ama Dablam, uma das mais belas e cobiçadas montanhas do Himalaia. Este cume não é dos mais elevados nem dos mais tecnicamente exigente. Mas o Ama Dablam é lindo! Quem não gostaria de pisar em um cume assim? Lindo, majestoso, imenso... Confira abaixo: Pois é... com seus quase sete mil metros trata-se de uma cobiçada montanha, objeto de desejo de muitos. Porém, o que rola desde princípio dos anos noventa são os turistas de montanha. Nada contra eles, pelo contrário. Servem para impulsionar uma atividade ecologicamente correta, movimentar economia, transferir renda e trazer qualidade de vida para quem pratica e/ou depende dela. Porém, tudo em exagero tem um porém - to meio engraç

Guia de Trilhas - Morro do Anhangava (parte I)

INTRODUÇÃO Saudações. É com prazer que publico aqui um mini-guia para corrida de montanha no morro do Anhangava, originalmente publicado no antigo site  TrailRunning BRASIL . MORRO DO ANHANGAVA Localização O Morro do Anhangava e seus 1.420 metros de altitude, está localizado nas proximidades da localidade de Borda do Campo, distrito do município de Quatro Barras, região metropolitana de Curitiba, a aproximadamente 35 quilômetros da capital paranaense. O local é considerado um campo-escola de montanhismo, pois conta com trilhas para caminhada e corrida, bem como vias de escalada em rocha de todas as dificuldades. Chegando lá de carro: Deixe Curitiba pela BR-116 sentido São Paulo, seguindo até o trevo de Quatro Barras, cuja sede municipal pode ser visualizada à direita. Saindo desta rodovia, você chega ao centro da cidade. Siga as placas que indicam Borda do Campo e Morro do Anhangava à direita, onde você acaba tomando a PR 506. Em poucos quilômetros, pl