Pular para o conteúdo principal

INDOMIT Costa Esmeralda Ultra Trail

Ok, meu lance não será exatamente um Ultra Trail, não na distância. Mas o fato é que após a grave (ou nem tanto assim) lesão do Ligamento Cruzado Anterior e uma recuperação aceleradíssima - segundo especialistas, sinto-me apto a voltar a competir em provas de Trail Running.  O evento escolhido foi a INDOMIT Costa Esmeralda Ultra Trail na modalidade 21 quilômetros.

A prova se dará nos municípios de Bombinhas, Porto Belo e Itapema, no litoral catarinense. Um local recheado de belas paisagens e que conta com ótima infraestrutura de acesso, hospedagem, alimentação e, principalmente, locais agradabilíssimos para correr.

Organizada pelo pessoal do Bombinhas Runners, que foram os responsáveis pela realização de cinco edições da K42 Bombinhas entre 2009 e 2013, a INDOMIT Costa Esmeralda Ultra Trail conta com opções de 100, 84, 65, 50, 21 e 12 km.


Foto: Divulgação INDOMIT Costa Esmeralda Ultra Trail

Escolhi a opção de 21 quilômetros para meu retorno ao esporte corrida de montanha. Uma distância que sempre apreciei, pois equilibra desafio físico com curtição. Provas muito longas exigem outro tipo de preparação, para a qual não tenho condições por ora. Para aqueles que tem pouco tempo na prática do esporte,os 21K também se mostram como um desafio possível e de muita superação. 

É também uma oportunidade de deixar bem claro que não é somente através das ultra distâncias que podemos satisfazer nossa natural necessidade de aprovação social. Infelizmente, correr para os outros é um dos males que acabam vindo junto com a massificação das corridas de longa distância. Hoje, mostrar que se corre, principalmente as ultra distâncias, parece mais importante que apenas ir lá e correr. Eu lido o tempo todo com esta tênue linha que separa a correta e motivadora difusão do esporte da vazia e fútil exposição digital do "me amem, sou guerreiro".

Quem acompanha o blog sabe que em 29 de novembro sofri uma queda durante um salto treinando no Parque São Lourenço em Curitiba. Neste acontecimento, houve uma ruptura do LCA - Ligamento Cruzado Anterior, diagnóstico confirmado através de exame físico pelos dois médicos que visitei no período de 10 dias pós-trauma. Não realizei exames de imagem, exceto o tradicional raio-x que, neste caso, serviu apenas para confirmar a inexistência de fraturas. Certamente uma Ressonância Magnética confirmaria a extensão e gravidade do caso. Mas, como a grana anda curta... 

No final de janeiro, em uma conversa e avaliação com o amigo Lionson Reckziegel, fisioterapeuta e corredor de montanha, após nova avaliação, sugeriu um plano de fortalecimento muscular por três meses antes de avaliar a minha capacidade de voltar a correr. Assim, logo iniciei um forte programa de treinamento funcional na Academia Vibe Center, três vezes por semana, junto com treinos de bicicleta nos sábados e/ou domingos para ajudar no cardiorrespiratório. Com duas semanas de atividades já tenho sentido maior confiança no joelho lesionado, a ponto de realmente acreditar que posso voltar a correr em trilhas sem maiores riscos de nova lesão, pelo menos até o momento de ver a extensão da lesão através do exame de imagem. E aí, então, avaliar a necessidade de cirurgia para reconstrução do LCA. 

No meio disso tudo, eu estava tranquilo com relação à minha decisão de não mais competir, de não mais participar de eventos do gênero como atleta. Estava satisfeito com minha condição de estar apto para poder pedalar e subir as montanhas de maneira pacífica e sem correria. Não estava impedido de fazer coisas que realmente amo. Porém com os constantes avanços na recuperação e com meu envolvimento cada vez maior com o cenário trail runner fica realmente impossível não ser "contaminado" com essa energia toda que pulsa no universo das corridas de montanha.

Hoje minha principal fonte de renda é a prestação de serviços para um organizador de eventos do esporte, a TRC Brasil que realiza corridas de montanha do jeito que eu gosto, com paixão e profissionalismo em percursos verdadeiramente de montanha. Diariamente sou consultado por diversas pessoas interessadas no esporte, estabeleço contatos, fortaleço parceria, trabalho ideias, enfim, estou inserido até o pescoço nessa atividade chamada trail running. E, posso garantir que não é nada legal ser um corredor de montanha de internet. Bom mesmo é ir lá e ver com os próprios olhos e sentir as trilhas com as próprias pernas.

Assim, fica o convite para que você também participe desta festa chamada INDOMIT Costa Esmeralda Ultra Trail. Agradeço a confiança de toda a equipe de Bombinhas Runners. Inscreva-se no link abaixo e venha comigo!


Beijos, abraços e ótima semana a todos.

Comentários

  1. A vida do Guerreiro e superar o impensavel, acreditar no impossivel ...
    Parabens pela sua Vitoria Pessoal, e que venham muitas conquistas e muito sucesso!!!
    Foco, Dedicacao & Forca vc tem de sobra, isso e o que impulsiona o teu sucesso!!!
    Um bjo, que venham muito mais historias e vitorias

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Só o CUme Interessa - Piada Escrota

Bah, nem é piada. Acho que isso se chama cacofonia, que é quando alguma coisa dita de um jeito dá a entender que é outra coisa. Entendeu? Ah, eu também não, hehe. Enfim, não é o que importa. To escrevendo essa parada, porque li um post no blog que os colegas Bonga e Tonto montaram para divulgar sua expedição no Ama Dablam, uma das mais belas e cobiçadas montanhas do Himalaia. Este cume não é dos mais elevados nem dos mais tecnicamente exigente. Mas o Ama Dablam é lindo! Quem não gostaria de pisar em um cume assim? Lindo, majestoso, imenso... Confira abaixo: Pois é... com seus quase sete mil metros trata-se de uma cobiçada montanha, objeto de desejo de muitos. Porém, o que rola desde princípio dos anos noventa são os turistas de montanha. Nada contra eles, pelo contrário. Servem para impulsionar uma atividade ecologicamente correta, movimentar economia, transferir renda e trazer qualidade de vida para quem pratica e/ou depende dela. Porém, tudo em exagero tem um porém - to meio engraç

Guia de Trilhas - Morro do Anhangava (parte I)

INTRODUÇÃO Saudações. É com prazer que publico aqui um mini-guia para corrida de montanha no morro do Anhangava, originalmente publicado no antigo site  TrailRunning BRASIL . MORRO DO ANHANGAVA Localização O Morro do Anhangava e seus 1.420 metros de altitude, está localizado nas proximidades da localidade de Borda do Campo, distrito do município de Quatro Barras, região metropolitana de Curitiba, a aproximadamente 35 quilômetros da capital paranaense. O local é considerado um campo-escola de montanhismo, pois conta com trilhas para caminhada e corrida, bem como vias de escalada em rocha de todas as dificuldades. Chegando lá de carro: Deixe Curitiba pela BR-116 sentido São Paulo, seguindo até o trevo de Quatro Barras, cuja sede municipal pode ser visualizada à direita. Saindo desta rodovia, você chega ao centro da cidade. Siga as placas que indicam Borda do Campo e Morro do Anhangava à direita, onde você acaba tomando a PR 506. Em poucos quilômetros, pl