Mais Além

Correr sob baixas temperaturas não se trata de uma "novidade" para mim. Apesar de ter nascido na congelante capital paranaense e correr há mais de 16 anos, estar treinando com afinco com temperaturas próximas do zero é algo até certo ponto novo para mim. Afinal sempre fui um corredor medíocre, nunca ultrapassando a marca da meia maratona até o ano de 2009, quando vivia em Belo Horizonte e, lá sim, dediquei-me aos treinos para maratona. Até então treinava sem compromisso, sem essa de sair em alta madrugada para treinos gelados.

Provas longas exigem maior dedicação. Na terra do pão de queijo eu treinava pela manhã, mas com agradáveis 12 graus de mínima, no auge do inverno. Aqui o inverno sequer começou e encarei nesta terça-feira, 08 de junho, uma temperatura de 2 graus e um pouco de gelo nas partes mais baixas do relevo.

Treino leve, de apenas sete quilômetros. Mas é preciso encarar, deixar as cobertas e meter a cara. Nesta fase "Starting Over", estou reduzindo drasticamente meus volumes de treino. Busco assim um novo rumo na vida esportiva (correndo, subindo montanhas e participando de eventos multi-esporte), com novos objetivos. Após ter completado seis maratonas -apenas duas em asfalto- em menos de 11 meses, é natural que se busque algo maior ou, pelo menos, diferente.

Tinha planos de correr uma ultramaratona com 80 quilômetros ainda este ano. Refletindo e analisando meus tempos medíocres em maratonas, decidi, humildemente, que ainda não chegou a hora. Preciso de um pouco mais de bagagem e comprometimento com os treinos para correr mais rápido e sem tanto sofrimento. A K42 Bombinhas 2010 foi marcada por dores que ainda não havia experimentado e penso não serem compatíveis com uma prova de "apenas" 42 quilômetros.

Hora de baixar a bola e seguir meu rumo, seja ele correndo na praia, no mato ou no asfalto. E, porque não, voltando a subir uma montanha com mais de 6.000 metros de altitude, como fiz em 2009.

Já que não posso ir tão longe por que não ir mais além, para o alto?


George, logo abaixo do cume do Cerro Franke (5.100m) - janeiro 2009.

Um comentário:

  1. Tamu junto !!!
    Acho que as coisas acontecem por consequencia e na vibe que vc gosta.
    O negócio é curtir.

    ResponderExcluir

Pages