Pular para o conteúdo principal

Corrida: Modinha ou Estilo de Vida?

Foi publicado nesta semana com direito a capa e tudo na Revista Isto É uma matéria sobre a ascensão da corrida ao posto de segundo esporte mais praticado do país.
Comprei a revista e a li (sem imaginar que poderia encontrar o conteúdo completo da reportagem junto ao site da revista e que disponibilizo aqui: http://www.terra.com.br/istoe/edicoes/2052/nascidos-para-correr-milhares-de-atletas-amadores-estao-aproveitando-os-127722-1.htm)
Tratando-se uma revista de assuntos gerais não me surpreendi com a abordagem superficial sobre o tema. Nós, corredores, já sabemos há tempos todos os benefícios que a corrida proporciona, bem como suas desvantagens se comparada a alguns outros esportes, principalmente no que se refere ao impacto nas articulações, lesões musculares, entre outros problemas. As revistas especializadas dedicadas a corrida abordam todas essas questões com muito mais profundidade e é uma leitura que recomendo fortemente.
No entanto, o que me causa uma pausa para a reflexão é o fato deste “fenômeno” estar ocorrendo agora em nosso país. Como cita a revista na página 83, “Em menos de quatro anos, o Brasil dobrou o número de corredores amadores”.
Como tudo na vida, isso tem seus prós e contras. É ótimo ter uma população cada vez mais consciente que praticar esportes com regularidade é fundamental para ter uma melhoria na qualidade de vida. Por outro lado, nós corredores (mesmo os mais recentes como eu) temos um outro lado a ser levado em consideração.
Aqui em Belo Horizonte por exemplo, as inscrições para a primeira etapa de um conhecido circuito de corridas da cidade já se esgotaram, o Circuito das Estações, com aproximadamente um mês de antecedência, o que gerou protestos na comunidade dos corredores de rua do orkut, por exemplo. Muita gente ficou de fora. Inscrição saindo a 55 reais. Em torno de dois a tres mil atletas inscritos. Em contrapartida, neste dia 08 de março rolou uma corrida organizada pela Liga de Atletismo de Minas Gerais, a Corrida Rústica do Sírio-Libanês. Ideal para iniciantes, essa galera que tá começando agora: apenas 5 quilômetros. Inscrição? Menos da metade do valor do Circuito das Estações, apenas 25 reais. E isso tudo com os mesmos benefícios: camiseta, medalha para os concluintes, hidratação durante o percurso, chip de cronometragem. Inscritos? Pouco mais de cem pessoas.
O que acontece? Houve divulgação nas listas de internet, no orkut da mesma forma. Fica a pergunta. Será que não tem gente demais correndo apenas para aparecer? Será que, para muita gente, correr na Pampulha uma prova patrocinada pela Adidas, receber na inscrição uma camiseta com a marca Adidas não é mais importante do que apenas correr???
Vamos correr galera! 95% por cento das pessoas no planeta não correm atrás de prêmios. Participam de competições pelo prazer de se superar, de encontrar amigos. Mas só pode encontrar amigos em provas mais caras? Só pode fazer amigos se for com roupa de marcas famosas?
Outro ponto chave: a existência de poucos lugares adequados à prática do esporte. Milhões de brasileiros correndo. Milhares de belohorizontinos. Onde correr? Nas ruas é praticamente impossível, dado o trânsito caótico da capital mineira e a conhecida falta de educação da imensa maioria dos motoristas, que ao ver algum pedestre atravessando a rua aceleram, em vez de frear (e ainda xingam).
Restam poucos parques, algumas áreas mais “inofensivas” (como a Pista da Av. Andradas, onde treino), orla da Pampulha, praças e afins. Conclusão: locais superlotados de gente. A Praça da Liberdade já está impraticável no final da tarde. Só um adendo: o mais curioso é notar que muitas pessoas enfrentam um puta trânsito para chegar neste local para correr ou caminhar, e lá dão de cara com “muralhas humanas” passeando descontraidamente (ou as vezes correndo). Trânsito no carro, trânsito no esporte.
Falta sossego para quem aprecia uma corridinha tranquila, sem desfiles de moda, sem barraquinhas de assessorias esportivas no caminho, sem muralhas humanas tricotando sobre o último BigBrotherBrasil.
Até onde é bom, até onde dá orgulho ser praticante do segundo esporte mais popular do país? Eis o debate.
Hasta Luego!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.