Pular para o conteúdo principal

Circuito Paranaense de Corridas em Montanha 2012 1ª Etapa - Como Foi

Hola, hola!

Após quase dez dias após a competição, deixo aqui breve relato sobre minha participação na 1ª Etapa do Circuito Paranaense do Circuito Paranaense de Corridas em Montanha, realizado na localidade de São Luiz do Purunã.

Choveu muito nos dias anteriores, o que antecipava trilhas pesadas e repletas de diversão. Havia também um trecho a ser percorrido dentro de um rio, que prometia estar contar com um volume de água acima do normal.

Parti domingo de manhã com a Ana Barbara, que iria estrear nas montanhas participando da prova curta, com 6 Km. Chegamos com tempo de sobra para reencontrar amigos e apreciar a beleza da região, no sopé da escarpa devoniana, que separa o primeiro do segundo planalto paranaense.

A largada foi pontual, 9 da manhã. Mais de 200 atletas inscritos, foi interessante largar assim com “tanta” gente. Primeiros quilômetros por estrada de terra, bem mexida de lama pelos automóveis, já que passávamos pelo mesmo trecho que nos levou ao local da prova. Começaram as subidas, e a uma quebradinha à esquerda nos deixou na primeira trilha. Pouca coisa técnica, começamos subir e descer com frequência, mas sem muita dificuldade. Perfeito para iniciantes. A galera que correu os 6K percorreu esta parte junto com a galera dos 12K. Despencamos rumo ao Rio Açungui, já nas proximidades da largada/chegada. Uns 100 metros dentro do rio, tênis encharcados, trecho plano até passar junto ao pórtico de chegada, onde prova finalizava para o pessoal que se inscreveu nos 6 Km. A Ana Barbara fez um sexto lugar geral, muito bom para uma estreia na modalidade e para quem estava sem treinar corrida havia praticamente um ano.

Quem estava nos 12 Km começou, aí sim, a enfrentar trechos mais técnicos e íngremes. Primeiro um single track (trilha onde não é possível ultrapassagem, por ser estreita demais) e depois uma subida mais forte. Em seguida mais single track, barrancos íngremes e trilhas em meio à mata, até atingir o ponto mais alto da prova, restando em torno de 2 quilômetros para a chegada. Belíssimo visual! E então despencamos duramente por uma estrada fodida de erosão, onde toda a cautela se fazia necessária para não ser engolido pelas valetas.

Após pouco mais de 1h14min cruzei a linha de chegada. Conferi o resultado e rolou um sexto lugar na categoria, que contava com 18 atletas; e um 26° entre 94 homens que concluíram. Sempre toquei um foda-se pra esse lance de posição, pódio e tudo mais. O desafio sempre foi correr comigo mesmo. No caso das provas curtas, correr mais rápido que posso é a meta. Nas provas longas, a vibe é apenas completar bem. Porém, nesta competição, senti prazer em forçar, em buscar o atleta à frente, em exigir mais de mim. O fato de não conhecer o circuito e não saber o que viria nos próximos 200 metros é fascinante. Subidas? Descidas? Obstáculos? Eis a graça da coisa toda.

Como disse, nesta prova, voltei a sentir o prazer em forçar mais, em exigir mais do meu corpo e da minha técnica, principalmente nas descidas. É legal ver como o background de inúmeras provas de montanha faz a diferença quando se compara com os velhos tempos. Forçar na hora certa, usar a cabeça...isso tudo é fundamental numa prova de montanha, principalmente nas curtas. Vi muita gente “afogando” nos últimos 3 km. Mais uma vez, fui conservador e terminei a prova inteiro, feliz, mesmo tendo feito força nos trechos onde achei que poderia.

Enfim, foi muito divertido e confesso-me ansioso para participar da segunda etapa, dia 03 de junho. Prova muito bem organizada, recomendo! Água nos trechos certos, ótima marcação de trilhas, staffs simpáticos e bem orientados. Simples e funcional, sem frescuras.

Resultados, aqui.

Mais fotos, aqui.

Agradecimentos especiais à Orientista Sports, Deuter e à minha esposa, Ana Barbara, que aguenta o coxinha que fica até altas horas da madrugada mostrando os vídeos de carreras de montaña.

Grande abraço e até breve.


Comentários

  1. que prova legal!
    vi as fotos, e o visual é muito bonito!

    forçar na hora realmente é tudo!
    estou apaixonada pelas provas em trilha! até me dou bem nas subidas em trilha, mas as descidas, ui, continuam sendo meu ponto fraco rss
    principalmente essas bem escorregadias, como a que vi na foto, que tinha até plaquinha avisando:)


    parabéns pela corrida, George!
    e manda aí um parabéns pra Ana! ela arrasou!

    bjs

    ResponderExcluir
  2. BEEEM LEGAL !!!
    ta quase certo que o meu triathlon de agosto vai virar uma prova de natação e uma corrida noturna. ta complicado.
    tem corrida de 9 e 18. estou afim da de 18, mas talvez corra a de 9 para estar mais perto da familia.
    abs !

    ResponderExcluir
  3. Opa!

    legal que curtiu, Xampa.

    Proveita lá que a corrida é muito massa =) So nao vou pq é uma semana antes de small bombs...

    abrazos!

    ===========

    Elis, convidadíssima a participar de alguma por aqui.

    Bjs!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Só o CUme Interessa - Piada Escrota

Bah, nem é piada. Acho que isso se chama cacofonia, que é quando alguma coisa dita de um jeito dá a entender que é outra coisa. Entendeu? Ah, eu também não, hehe. Enfim, não é o que importa. To escrevendo essa parada, porque li um post no blog que os colegas Bonga e Tonto montaram para divulgar sua expedição no Ama Dablam, uma das mais belas e cobiçadas montanhas do Himalaia. Este cume não é dos mais elevados nem dos mais tecnicamente exigente. Mas o Ama Dablam é lindo! Quem não gostaria de pisar em um cume assim? Lindo, majestoso, imenso... Confira abaixo: Pois é... com seus quase sete mil metros trata-se de uma cobiçada montanha, objeto de desejo de muitos. Porém, o que rola desde princípio dos anos noventa são os turistas de montanha. Nada contra eles, pelo contrário. Servem para impulsionar uma atividade ecologicamente correta, movimentar economia, transferir renda e trazer qualidade de vida para quem pratica e/ou depende dela. Porém, tudo em exagero tem um porém - to meio engraç

Guia de Trilhas - Morro do Anhangava (parte I)

INTRODUÇÃO Saudações. É com prazer que publico aqui um mini-guia para corrida de montanha no morro do Anhangava, originalmente publicado no antigo site  TrailRunning BRASIL . MORRO DO ANHANGAVA Localização O Morro do Anhangava e seus 1.420 metros de altitude, está localizado nas proximidades da localidade de Borda do Campo, distrito do município de Quatro Barras, região metropolitana de Curitiba, a aproximadamente 35 quilômetros da capital paranaense. O local é considerado um campo-escola de montanhismo, pois conta com trilhas para caminhada e corrida, bem como vias de escalada em rocha de todas as dificuldades. Chegando lá de carro: Deixe Curitiba pela BR-116 sentido São Paulo, seguindo até o trevo de Quatro Barras, cuja sede municipal pode ser visualizada à direita. Saindo desta rodovia, você chega ao centro da cidade. Siga as placas que indicam Borda do Campo e Morro do Anhangava à direita, onde você acaba tomando a PR 506. Em poucos quilômetros, pl