Pular para o conteúdo principal

Resoluções de Homem-Novo


Bem, é isso

George Volpão, agora casado de fato e de direito.

E aproveitando esta que posso dizer ser com certeza a melhor fase da minha vida, é hora de expandir horizontes e ao mesmo tempo focar. Então seguem algumas resoluções de "homem-novo".

1-) Treinar brincando.
Assim como li na Revista Go Outside recentemente: "Boa forma física deve ser sinônimo de diversão". Assim sendo, quero estar apenas apto para completar uma maratona com prazer sem essa de baixar tempo, de poder viajar com a bike carregada por uns 70 quilômetros diários sem neuras, de poder subir montanhas caminhando com 20 kg de boa comida e bebida nas costas, entre outras atividades.

2-) Deletar a conta do Facebook.
Redes sociais andam me tomando tempo tanto da família - sim, casal é família - como do trabalho. O conteúdo nem sempre é generoso e uma leitura deste texto me abriu ainda mais os olhos. Viciadinho meeeeesmo, confesso. Terapia de choque, deleta, exclui e vida (mais) real. Aliás, na lua-de-mel de cinco dias pelo interior do Estado do Paraná, passamos muito bem sem este tipo de acesso. Fácil sobreviver. Vivemos em um mundo de muita, muita, mas muita mesmo informação a cada segundo. Isso me gerou ansiedade. Bora desligar o plugue. Ah, tem o twitter, mas esse, coitado, acho a pior de todas essas redes sociais. Sou mais que 144 caracteres, period.

3-) Comprar um duck.
Sair remando pelos rios do interior do Paraná tem estado na minha cabeça com frequência. Rio da Várzea, Rio Tibagi, Rio Iapó, Rio Capivari... Águas do Paraná!

4-) Contagem regressiva para mudança de ares.
Sempre escrevi sobre o prazer que eu tinha em morar no mato, primeiro em Campina Grande do Sul e depois na Roseira, município de Colombo. O casamento e a priorização da qualidade de vida, principalmente no que se refere ao tempo passado no trânsito, me levou a voltar a morar em uma grande cidade depois de 20 anos no mato. Hoje vivo em um bairro agradável, a 15 minutos de bike do meu trabalho, e gosto muito do que faço profissionalmente falando. Mas sei que um dia isso não será suficiente. Só o mato me faz integralmente feliz. E a ele voltarei em breve. Os nossos planos estão bem traçados. Vai rolar.

5-) Escrever mais no blog.
Tem a ver com deletar conta no facebook. No blog atinjo um público menor. Mas não adianta espalhar informação ao vento, como é feito por lá. Meia informação, coisas bobas e banais que já postei aos montes. Quem visita o blog? Ou é parceiro, me conhece melhor, ou digitou algo no google. E no blog é um espaço "meu". Escrevo com calma, com paciência, com mais prazer. É mais de um passo até publicar algo, diferente do "enter" do facebook ou do twitter, que limitam demais os pensamentos e não geram conteúdo. Gerar conteúdo, essa é a idéia. E lê quem quiser, não quem me tem entre os "amigos".

Enfim, hora de remar, pedalar, correr ainda mais para frente.

Beijos e abraços (contem sempre comigo).

Comentários

  1. Caiaque é a maior diversão! Adoro! Não sou fã deste inflável, me senti meio pato no seco, joga muito. Contudo andei só uma vez neste tipo, vale o teste.
    Cometi orkuticídio e não me arrependo. Atrapalha um pouco mas os amigos que liguem, e no fim, só estes que participam da vida real.
    Tô me esforçando pra virar corredor. O normal são corridas de 5k e 10k. O ritmo continua o mesmo do início, entre 5.30 e 6min/k, independente da distância. Comecei hoje com a bicicleta, tentativa de melhorar o desempenho enquanto me livro desta dor nas canelas.
    Sim, cheguei aqui pelo google, buscando absorver qualquer dica relacionada a esporte. De planilhas a nutrição. Aqui o que mais me agrada e sempre o alto astral, a alegria que move tudo.

    ResponderExcluir
  2. nos blogs a gente acaba curtindo, saboreando mais a palavra... peneirando o que tem a dizer... e é como você falou: são menos leitores, alguns até amigos de carne e osso, e não apenas perfil virtual:)

    foi lendo os blogs de corrida que encontrei o seu... e lendo o seu, que fiquei curiosa, e depois apaixonada, por esse mundo delicioso das trilhas... o mundo verde e lúdico por trás dos edifícios e do asfalto da vida cotidiana!

    aqui neste seu espaço, tenho aprendido muito!
    e no mínimo, quando passo aqui, saio com uma pulguinha atrás da orelha... uma coceirinhas nas ideias:)
    me faz repensar, ponderar, rever meus próprios conceitos...
    isso é muito bom!

    sonhar é muito bacana!
    sonhar e realizar sonhos a dois, então, é felicidade em dobro!

    que vocês conquistem todos os seus sonhos!
    e depois partilhem aqui, tá;)
    pra inspirar os virtuais de plantão:)

    ResponderExcluir
  3. Brigaado Elis!

    É bem por aí. Aqui tem espaço e estão os amigos, atuais, antigos e futuros =)

    beijao proce e nos vemos na K42 hein?

    =========================

    Salve Felipe.

    Que grata surpresa tê-lo aqui e verificar que o blog realmente alcança quem interessa. Estamos em vibes parecida e seguimos na trilha. Grande abraço, mantenha-se no multiesportes (sugestão) e apareça sempre.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Só o CUme Interessa - Piada Escrota

Bah, nem é piada. Acho que isso se chama cacofonia, que é quando alguma coisa dita de um jeito dá a entender que é outra coisa. Entendeu? Ah, eu também não, hehe. Enfim, não é o que importa. To escrevendo essa parada, porque li um post no blog que os colegas Bonga e Tonto montaram para divulgar sua expedição no Ama Dablam, uma das mais belas e cobiçadas montanhas do Himalaia. Este cume não é dos mais elevados nem dos mais tecnicamente exigente. Mas o Ama Dablam é lindo! Quem não gostaria de pisar em um cume assim? Lindo, majestoso, imenso... Confira abaixo: Pois é... com seus quase sete mil metros trata-se de uma cobiçada montanha, objeto de desejo de muitos. Porém, o que rola desde princípio dos anos noventa são os turistas de montanha. Nada contra eles, pelo contrário. Servem para impulsionar uma atividade ecologicamente correta, movimentar economia, transferir renda e trazer qualidade de vida para quem pratica e/ou depende dela. Porém, tudo em exagero tem um porém - to meio engraç

Guia de Trilhas - Morro do Anhangava (parte I)

INTRODUÇÃO Saudações. É com prazer que publico aqui um mini-guia para corrida de montanha no morro do Anhangava, originalmente publicado no antigo site  TrailRunning BRASIL . MORRO DO ANHANGAVA Localização O Morro do Anhangava e seus 1.420 metros de altitude, está localizado nas proximidades da localidade de Borda do Campo, distrito do município de Quatro Barras, região metropolitana de Curitiba, a aproximadamente 35 quilômetros da capital paranaense. O local é considerado um campo-escola de montanhismo, pois conta com trilhas para caminhada e corrida, bem como vias de escalada em rocha de todas as dificuldades. Chegando lá de carro: Deixe Curitiba pela BR-116 sentido São Paulo, seguindo até o trevo de Quatro Barras, cuja sede municipal pode ser visualizada à direita. Saindo desta rodovia, você chega ao centro da cidade. Siga as placas que indicam Borda do Campo e Morro do Anhangava à direita, onde você acaba tomando a PR 506. Em poucos quilômetros, pl