Pular para o conteúdo principal

A vida lá fora

Oi!

"Se você quer
Que eu feche os olhos
Pra alguém que foi viver
Algum dia lá fora
E nesse dia
Se o mundo acabar
Não vou ligar
Pra aquilo que eu não fiz"

Eu vivo escrevendo isso: a vida lá fora, a vida lá fora, a vida lá fora.

Desde muito jovem gostei disso. Com menos de dez anos de idade eu já tinha "acumulado" dezenas de noites acampado com meu pai ou com minha irmã. As ilhas do litoral paranaense ou os sítios de amigos da família em Morretes-PR eram os destinos preferidos. Lembro muito bem do meu aniversário de 10 anos de idade passado em um final de semana incrível na Ilha da Cotinga, para onde fui com meu pai em um barco a remo e uma forte correnteza contra. O velho (na época ele tinha a mesma idade que eu tenho hoje, hehe) passou um perrengue comigo, quase batemos nas pedras, foi uma beleza... Mas foi a AVENTURA que eu sempre buscava.

A vida lá fora! É inesquecível também uma oportunidade que fui à Morretes, que fica a 40 km de Paraaguá, onde eu então morava. Eu devia ter 11 ou 12 anos e minha irmã 17 anos a mais. Fomos de moto, uma Yamaha TT-125 (só os antigos saberão o que é isso). Na ida, só alegria. Vento no rosto, on the road. Acampamos onde hoje é o Refúgio Cascatinha. Em 2008 corri uma prova de montanha por lá, mas naquela época era algo bem selvagem mesmo. Acampamos à beira do rio, não foi fácil achar lenha seca para esquentar o jantar. Caiu muita água naquela noite. Acordamos de madrugada com o rio passando a menos de um metro da barraca e tratamos de dar no pé tão logo amanheceu. Chuva torrencial na volta, BR 277, sem roupa apropriada... Do jeito que sempre gostei. 

Costas quentes, frente fria... Vai chover! #nofilter Quatro Barras, junho de 2014.

Teria centenas de histórias para falar da "vida lá fora" na minha infância e adolescência. Talvez isso tenha moldado essa pessoa aqui. Sou a soma de tudo que vivi. Minha vida hoje é muito mais "lá fora" do que foi nos últimos anos, principalmente se falarmos dos dias "comuns". Minha rotina não contempla trânsito pesado, escritório fechado, sapatos, trajes convencionais ou o que valha.

Amanhã embarco para Ilhabela, para a cobertura da etapa mundial do Circuito Xterra. Baita oportunidade de "estar lá fora".

Hoje vivo pela montanha e para as montanhas, mais especificamente para o trail running. No Projeto TrailRunningBRASIL, onde dou consultoria para a Revista TRAILRUNNING e ainda dou consultoria para alguns organizadores de provas. Com isso, faço muito mais que ganhar dinheiro para pagar as contas. Faço o que gosto, porque boa parte da atividade é "lá fora". "Go Outside" é o título de uma publicação trata eventualmente da modalidade e da montanha. Não é uma concorrente da Revista TRAILRUNNING, ela é mais abrangente e manda bem no espírito que sempre vivi: Vá lá fora! Seja andando, seja correndo, remando, nadando, velejando, pedalando... Mas vá lá fora! Assim, nunca lidei bem com termos como "corredor de montanha" ou "montanhista" ou "corredor". Eu simplesmente "vou lá fora. 

Porque a vida É lá fora. E isso me fez lembrar uma musiquinha do Capital Inicial (ok, é pop, já sei, rs). Aqui, em vídeo.

Bons ventos!

"Faz muito pouco tempo
Aprendi a aceitar
Quem é dono da verdade
Não é dono de ninguém
Só não se esqueça que atrás
Do veneno das palavras
Sobra só o desespero
De ver tudo mudar
Talvez até porque
Ninguém mude por você"




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.