Pular para o conteúdo principal

Volpão - O Deus da Montanha

Foto: http://goo.gl/Dsp74F
Hehehehe.

Quem aí consegue rir de si mesmo? Quem consegue achar graça nas bobagens que por vezes escrevo, como essa: Volpão - O Deus da Montanha?

Surpreendo-me sempre que vejo alguém levando a sério demais aquilo que escrevo. Como se eu fosse um cagador de regras, como se eu soubesse o que é certo, ou o que é melhor, o que faz emagrecer, qual camisa de seleção é a mais bonita ou que faz bem pro coração. 

Acredito, sinceramente, que quando escrevemos algo ou emitimos uma opinião, é apenas isso: uma opinião. Não é um manual, não é ideologia, não é verdade absoluta. É opinião e que está sujeita a ser rebatida e discordada. Mas somente para quem olha nos seus olhos e rebate com argumentos válidos e sólidos. Fora destas condições, não passa de atitude de moleque chorão. De imaturidade emocional e, principalmente, hombridade. Opa, atenção: isso é apenas uma opinião ;)

Assim: não sou eu que digo o que é certo a ser feito na montanha, como se comportar, o que seja. Existem MILHÕES de pessoas que apreciam estar nas montanhas e muitas delas TRABALHAM para que uma série de preceitos e recomendações sejam seguidas. Respeito à montanha. Mais uma vez recomendo que acessem este link, com a Declaração do Tirol:

http://www.femerj.org/sobre-a-femerj/etica/144

Eu me baseio nisso, porque este documento é uma tradução em palavras do sentimento que nós apaixonados pela montanha temos conosco. Conhecer antes de criticar. Não, não gostamos de quem vai à montanha SOMENTE por louros, troféus ou fotos. Não, não gostamos de quem deixa seu lixo por lá. Estamos na montanha e cuidando dela por tempo suficiente para ter esta posição. E em vez de proibir, podemos EDUCAR. Olha que legal, né?

Tenho o maior prazer de apresentar as corridas de montanha as pessoas e quero, de verdade, mais e mais pessoas conhecendo este esporte. Mas que saibam que, mais que regras, as montanhas exigem respeito e possuem VALORES.

Já disse anteriormente e repito, em destaque abaixo:

"Atenção: correr na trilhas é apenas uma parte do que é uma vida nas montanhas. Tudo tem seu tempo, respeite os colegas e o ambiente e, principalmente, seja humilde. Se o seu maior orgulho é a chegada e não o caminho, se é o pódio/medalha e não o que viveu enquanto esteve na montanha, por favor, procure outro lugar pra querer impressionar alguém."

Valorizo bons debates e acredito que aprende-se muito com pessoas que não querem impor suas verdades, mas sim apresentar sua visão das coisas, respeitosamente. Tenho ótimos amigos com quem "me enfrento" eventualmente. Há um profundo respeito mútuo entre nós por este comportamento íntegro.

E é tudo profundamente muito, mas muito engraçado. Agora bora cuidar da minha vida, porque quem está cuidando não está fazendo direito, pois não entende NADA do que digo/faço. 

E claro, Volpão não é o Deus da Montanha. Mas quando está na montanha, Volpão conversa muito com Deus. Oremos, respeitosamente:

Desde o alto da montanha,


invoco ao Deus Sol e chamo-o com humildade.
Meus pés tocam a Mãe Terra, que nutre a minha tribo.
Deus Sol, Mãe Terra, salva a meu povo,


salva aos meninos, idosos e mulheres.
Que o Deus Sol te cubra,


para que as sementes plantadas,


cresçam em árvores com frutos sagrados,


para a evolução de meu povo.
Juntos, Deus sol e Mãe Terra


caminham para enfeitar a meu povo


com sua Luz e Prosperidade.
Hoje e sempre.



Índio Tunipaé. (Maio 2004).


Canalização Mónica Urzúa Ytier

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.