Pular para o conteúdo principal

George Volpão e a Bicicleta

Era IGUALZINHA a essa.  Fonte www.juicestudios.com.br.
Hello, hello, now I'm in place called Vertigo!

Depois de um longo tempo, escreverei um longo texto (isso foi proposital). Deu vontade. E este aqui é meio que introdutório ao seguinte

Poderia mesmo cantar sobre a vertigem que sinto quando estou em cima de uma bicicleta. É uma paixão que veio antes da corrida e das montanhas. 

Lembro bem duma bicicletinha azul aro 16 que ganhei de meus pais quando tinha uns 5 ou 6 anos. Depois veio uma Monark Cross branca e azul, como a da foto ao lado. Era super moda na época, anos 80... Bikes de aro 20, a minha tinha o charme de uma proteção em espuma no tubo superior. Confesso que eu preferia uma Caloi Cross, mas era mais cara e pro meu pai bicicleta era tudo igual.

Em 1991, já com 14 anos descobri o mountain bike em uma revista chamada Bicisport. Numa banca de revistas, por acaso, comprei a edição n. 27 (lembro até hoje) e me encantei.

Mas era aquela coisa só de revista mesmo. Eu era um fodido na vida, meus pais não tinham condições de "dar" uma daquelas lindas bicicletas em alumínio (total novidade na época, até então só existia bike de aço no Brasil).


Enfim... um ano depois comecei a trabalhar e juntar dinheiro e acabei comprando uma Caloi 10 usada. Foi o começo... Eu morava no litoral, em Paranaguá. Ia direto pra praia em Matinhos e Caiobá, rodava frouxo 80 ou 90 km cada pegada.


Depois de um tempo consegui comprar uma MTB em aço... E aí a gente já está falando de 1995 pra 1996.

Tirando uma breve experiência com duathlon em 1996, nunca fui de competir. Ah, lembro que corri uma ou duas provas de MTB em 2005 e 2006, quando já estava trabalhando na Jamur Bikes.

Aliás, ter começado a trabalhar como vendedor em loja especializada em bike fazia todo o sentido né? Eu estava numa fase mais montanhista, mas sempre curti bike, ajudava no condicionamento e no deslocamento urbano. Saí da Jamur Bikes em 2007, voltei em 2010. E a bike sempre firme, vivia trocando de modelo.

Fiz umas incursões com bikes speed, mas me limitar ao asfalto não me fazia feliz. Em 2012 fiz minha primeira viagem de bike :)

E essa bagagem toda, desde a pequena infância, me trouxe um pouco de vivência e histórias para contar.


E a partir da semana que vem (ou, neste caso, ano que vem) contarei algumas e começarei a escrever outras.


Venha 2017! Um feliz ano novo a você que me acompanha esse tempo todo. 10 anos de blog!!!!!!!!!!

Beijos e abraços!

Minha bike atual (dezembro 2016)



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.