Pular para o conteúdo principal

Gravelizando gostoso e o saco que anda o trail running atual

Senhoras e senhores tudo bem com vocês?

Aproveitei o sábado gelado e de sol para tirar o pó da Groove Gravel e fazer um pedal gostoso com a Gravel que não é Gravel. Essa piada interna já corrente entre os inscritos no meu canal no YouTube faz todo o sentido quando estou em cima da bike, a Groove Riff 70 quadr 27.5 mas com rodas 700C.

É uma piração minha, é uma onda minha.

Sempre questionador dos meios tradicionais, do que o mercado nos empurra, apostei em montar minha própria Gravel Bike utilizando este quadro da Groove que consegui por um preço muito bom.

Em um primeiro momento, a bike está com um par de rodas 700C, utilizando um excelente pneu Continental Speed Ride 700X42. Bastante segurança e por enquanto, sem sinais de desgaste após as primeiras centenas de quilômetros.

Mas já estou aprontando um par de rodas e pneus 27.5X2.2 para poder fazer os estradões de terra com maior conforto. Como tanto quadro como garfo são em alumínio, os pneus estreitos não absorvem bem os impactos e tenho sofrido um pouco nos pedais com mais de duas horas.

Deixo abaixo algumas imagens e o vídeo do pedal de sábado passado.












E, falando em vídeos, na sexta-feira passada resolvi emitir a inútil opinião (segundo um dos comentários) sobre a nota oficial da CBAt (Confederação Brasileira de Atletismo) informando de sua vinculação junto a alguns organismos internacionais que regulam o trail running lá fora, como a ITRA (International Trail Running Association) e a WMRA (World Mountain Running Association).

Foi o que bastou para me causar bastante desconforto quando, após a postagem do vídeo, cair na real e ver no se transformou o cenário competitivo do Trail Running brasileiro. Com exceção da galera realmente voltada a performance e que treina sério pra isso, visando competições internacionais de alto nível (como o Campeonato Mundial que aconteceu exatamente neste final de semana e onde fomos muito bem representados pelo que há de melhor em nosso país, conquistando o décimo posto na classificação por países), o amador que compete hoje em dia, na sua grande maioria tem transformado tudo isso em um grande circo patético de selfies, medalhas e méritos questionáveis. Alguns, incapazes de formular uma pergunta ou um comentário coerente, repetem como papagaios aquela ladainha motivacional baseada em hashtags. O lema destes poderia ser algo como "é mais sobre mochilas de marca e sobre combinar cores do que sobre montanhas".

Acabou que resolvi tirar o vídeo do ar quando já beirava as 100 visualizações, tamanha a bad vibe gerada pela galera que consegue ser mais mimizenta que eu.

Infelizmente, uma modalidade esportiva tão linda como essa, sendo vilipendiada por pessoas que sabem o novo lançamento de determinada marca mas não sabem a história daquela trilha, daquela montanha e que não respeita os coleguinhas, afinal, não se pode parar o treino para dar um bom dia e perguntar como vai a vida.

Sigo nessa solidão gostosa, indo para as trilhas sozinho e feliz, certo de minhas escolhas, sem mais carregar patrocínios no peito, mas com a consciência tranquila que não preciso NUNCA MAIS NA VIDA subir uma montanha para tirar foto com um par de tênis.

Minha vida nas montanhas nunca teve por base esse tipo de parâmetro.

Sou livre.

Obrigado, namastê, boa semana.

Trail Running feliz e solitário em Florianópolis, início de junho de 2017.







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Só o CUme Interessa - Piada Escrota

Bah, nem é piada. Acho que isso se chama cacofonia, que é quando alguma coisa dita de um jeito dá a entender que é outra coisa. Entendeu? Ah, eu também não, hehe. Enfim, não é o que importa. To escrevendo essa parada, porque li um post no blog que os colegas Bonga e Tonto montaram para divulgar sua expedição no Ama Dablam, uma das mais belas e cobiçadas montanhas do Himalaia. Este cume não é dos mais elevados nem dos mais tecnicamente exigente. Mas o Ama Dablam é lindo! Quem não gostaria de pisar em um cume assim? Lindo, majestoso, imenso... Confira abaixo: Pois é... com seus quase sete mil metros trata-se de uma cobiçada montanha, objeto de desejo de muitos. Porém, o que rola desde princípio dos anos noventa são os turistas de montanha. Nada contra eles, pelo contrário. Servem para impulsionar uma atividade ecologicamente correta, movimentar economia, transferir renda e trazer qualidade de vida para quem pratica e/ou depende dela. Porém, tudo em exagero tem um porém - to meio engraç

Guia de Trilhas - Morro do Anhangava (parte I)

INTRODUÇÃO Saudações. É com prazer que publico aqui um mini-guia para corrida de montanha no morro do Anhangava, originalmente publicado no antigo site  TrailRunning BRASIL . MORRO DO ANHANGAVA Localização O Morro do Anhangava e seus 1.420 metros de altitude, está localizado nas proximidades da localidade de Borda do Campo, distrito do município de Quatro Barras, região metropolitana de Curitiba, a aproximadamente 35 quilômetros da capital paranaense. O local é considerado um campo-escola de montanhismo, pois conta com trilhas para caminhada e corrida, bem como vias de escalada em rocha de todas as dificuldades. Chegando lá de carro: Deixe Curitiba pela BR-116 sentido São Paulo, seguindo até o trevo de Quatro Barras, cuja sede municipal pode ser visualizada à direita. Saindo desta rodovia, você chega ao centro da cidade. Siga as placas que indicam Borda do Campo e Morro do Anhangava à direita, onde você acaba tomando a PR 506. Em poucos quilômetros, pl