Pular para o conteúdo principal

Salomon Speedcross 3 - Review




Bom dia, boa tarde, boa noite, senhoras e senhores, tudo bem com vocês?

Compartilho abaixo algumas impressões sobre um dos modelos de tênis de corrida em trilha que tenho utilizado atualmente, o clássico Salomon Speedcross, desta vez, na versão 3.

Já fiz uma avaliação do Salomon Speedcross 2 aqui. Isso foi em 2011! De lá para cá tive a oportunidade de rodar com mais dois pares do Speedcross 3 e finalmente agora, no mais recente par de calçados que utilizo, seguem as minhas sinceras impressões, bem como uma análise em vídeo aqui onde você confere mais imagens.


Salomon Speedcross 3 em ação, fora de seu habitat natural.

Em 2019 houve o lançamento da versão 5 deste modelo, mas sem previsão de chegada ao Brasil. Por aqui o mais fácil é encontrar o Salomon Speedcross 4, mas não podemos esquecer que o Salomon Speedcross 3 ainda pode ser encontrado em algumas lojas online. O preço médio que encontrei nas pesquisas foi de R$ 749,90. 

Na prática, observei poucas diferenças entre todos os modelos já lançados, me parecendo que as alterações são mais de ordem de acabamento e design do que de funcionalidades. Entre as versões 2 e 3, as sensações nas corridas são exatamente as mesmas.

Na areia também não é a melhor opção. Mas... bem melhor que um calçado de corrida de rua.



Mas... vamos lá:

Tempo e Condições de Teste: 6 meses, algo em torno de 250 km variando entre estradões de terra, um pouco de asfalto, areia solta, areia batida, lama e rochas das trilhas da Serra do Mar. Corrida mais longa teve duração de 4 horas e 1.000 metros de desnível positivo.

Amortecimento: Vou repetir o que postei no review do Salomon Speedcross 2. Excelente para um tênis de corrida de montanha. Lembro que amortecimento não é um quesito tão importante nestes modelos como nos tênis de corrida de rua. Ao sair trotando é possível perceber um excelente amortecimento, mesmo com o passar dos quilômetros. Após uns 100 quilômetros essa sensação diminui um pouco mas ainda podemos sentir que se trata de um calçado macio.

Aderência: Na lama é um espetáculo! Um verdadeiro trator e nesse quesito, só perde para um La Sportiva Anakonda que tive oportunidade de usar. Na pedra úmida não segura tanto, mas aí...já seria pedir demais né? Nestas condições, reduza o passo, tenha cautela e confie mais em você do que no calçado.  No asfalto é possível sentir o solado “grudando” no piso. Impressionante. No geral, ele funciona muito bem em terrenos molhados.

Acabamento: Cuidadoso, inclusive com material refletivo para corridas noturnas. Nota-se um cuidado com a produção. É realmente primoroso mas também não poderíamos esperar algo diferente de um calçado desta faixa de preço. O cadarço é fixo e vai embutido em um pequeno bolso, o que impossibilita a desamarração involuntária. Está disponível em várias opções de cores e o material do cabedal apresenta rápida secagem quando se faz necessário molhar os pés em algum cruzo de rio.

Durabilidade: Preocupava-me este fato, principalmente ao notar o solado tão macio e cheio de cravos. Porém ele me surpreendeu, durando mais do que eu esperava. Obviamente que não se deve treinar nem competir com ele em asfalto, caso contrário o solado irá fritar rapidamente, pois é muito macio. Se possível guarde-o apenas para as competições. Terá um tênis para muitas e muitas corridas.

Peso: Em torno de 550 gramas o par, o que o torna o mais leve do gênero. Excelente para competições.

Conforto Geral: Muito confortável, envolvendo os pés de forma uniforme. Com um amortecimento comparado aos tênis de corrida de rua, faz a diferença nas provas e treinos mais longos. O tecido do cabedal não é dos mais respiráveis, o que pode comprometer o conforto dos pés em corridas com temperaturas acima dos 25 graus. Apesar de não ser tão respirável, seca bastante rápido após ser submetido às condições úmidas que muitas vezes enfrentamos em trilhas. Ele também me parece um pouco estreito, se comparado com outros modelos da marca que já tive oportunidade de testar. Ele é também bastante flexível, para um calçado de corrida em trilha, mas dentro do esperado para a proposta de calçado leve e para curta distância.

Considerações Finais: Em 2011 eu recomendei este tênis como boa opção para quem estava começando nas corridas de montanha. Vivíamos em um outro Brasil, quase não haviam opções de calçados para a modalidade. Em 2019 temos dezenas de opções de diversos fabricantes, o que me leva a mudar a minha análise. Certamente existem muitos outros calçados que eu recomendaria para quem está começando no trail running agora. O Salomon Speedcross 3 é um calçado bem específico e que entrega todo o seu potencial para uso de forma bem específica igualmente. Recomendo ele como um segundo ou terceiro calçado de trail running, aquele que você tem guardado para estas ocasiões especiais de trilhas muito úmidas e provas rápidas.

Para quem recomendo o Salomon Speedcross 3:

- Atletas abaixo dos 70 kg de peso;
- Corridas em trilhas úmidas com até duas horas de duração;
- Competições em distâncias até 21 km;
- Se dinheiro não for problema (acho o valor de R$ 749,90 um pouco acima da realidade do corredor médio nacional), principalmente pelo fato do mercado atual oferecer outras opções com menor preço.

Para quem não recomendo o Salomon Speedcross 3:

- Atletas acima dos 70 kg;
- Treinos e provas de longa distância;
- Quem roda muito em estradões (nem pensar, vai acabar com o solado rapidinho);
- Quem roda muito em clima quente;
- Areia fofa (vai fazer duas vezes mais força).

Espero ter podido ajudar com estas impressões, lembrando que esta avaliação está baseada puramente em impressões e opiniões pessoais.

Tem algo a acrescentar? Manda nos comentários :)

Valeu, abraços. É isso aí. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Só o CUme Interessa - Piada Escrota

Bah, nem é piada. Acho que isso se chama cacofonia, que é quando alguma coisa dita de um jeito dá a entender que é outra coisa. Entendeu? Ah, eu também não, hehe. Enfim, não é o que importa. To escrevendo essa parada, porque li um post no blog que os colegas Bonga e Tonto montaram para divulgar sua expedição no Ama Dablam, uma das mais belas e cobiçadas montanhas do Himalaia. Este cume não é dos mais elevados nem dos mais tecnicamente exigente. Mas o Ama Dablam é lindo! Quem não gostaria de pisar em um cume assim? Lindo, majestoso, imenso... Confira abaixo: Pois é... com seus quase sete mil metros trata-se de uma cobiçada montanha, objeto de desejo de muitos. Porém, o que rola desde princípio dos anos noventa são os turistas de montanha. Nada contra eles, pelo contrário. Servem para impulsionar uma atividade ecologicamente correta, movimentar economia, transferir renda e trazer qualidade de vida para quem pratica e/ou depende dela. Porém, tudo em exagero tem um porém - to meio engraç

Guia de Trilhas - Morro do Anhangava (parte I)

INTRODUÇÃO Saudações. É com prazer que publico aqui um mini-guia para corrida de montanha no morro do Anhangava, originalmente publicado no antigo site  TrailRunning BRASIL . MORRO DO ANHANGAVA Localização O Morro do Anhangava e seus 1.420 metros de altitude, está localizado nas proximidades da localidade de Borda do Campo, distrito do município de Quatro Barras, região metropolitana de Curitiba, a aproximadamente 35 quilômetros da capital paranaense. O local é considerado um campo-escola de montanhismo, pois conta com trilhas para caminhada e corrida, bem como vias de escalada em rocha de todas as dificuldades. Chegando lá de carro: Deixe Curitiba pela BR-116 sentido São Paulo, seguindo até o trevo de Quatro Barras, cuja sede municipal pode ser visualizada à direita. Saindo desta rodovia, você chega ao centro da cidade. Siga as placas que indicam Borda do Campo e Morro do Anhangava à direita, onde você acaba tomando a PR 506. Em poucos quilômetros, pl