Pular para o conteúdo principal

Diário de Viagem Pati&Volpe - Férias 2022 - Dia 01

Sábado, 22 de janeiro de 2022.

Neste primeiro texto com o diário de bordo (infelizmente escrito algumas semanas após os eventos e sujeito, portanto, à omissões e esquecimentos) a ideia é tentar contextualizar o lance da viagem, além, é claro de contar como foi este primeiro dia. 

Nos meses anteriores acabamos por escolher a cidade de Paraty,  litoral sul do Estado do Rio de Janeiro, como destino principal das nossas férias programadas para o início de 2022.

Com a Patrícia tendo seus treinos dedicados à natação em águas abertas e meu recente interesse por remar também em águas abertas, vimos este lugar como um ponto interessantíssimo para visitar e explorar as possibilidades da região. Águas transparentes (para não dizer esverdeadas), sol, calor e tudo aquilo que nem sempre encontramos no litoral aqui da Região Sul do Brasil. Além disso, em nossas férias anteriores tivemos a oportunidade de visitar Florianópolis e outras localidades do litoral sul. Logo, apontar a bússola para o norte e buscar águas mais quentinhas seria uma ótima ideia. E foi mesmo!

Saímos de Curitiba neste sábado 22 de janeiro aproximadamente às 10 da manhã tendo como destino do dia o Camping Recanto Caiçara, na Praia de Guaratuba (homônima à nossa aqui do Paraná) no município de Bertioga, Estado do Paraná. Pareceu-nos uma excelente localização, junto à barra do Rio Guaratuba, uma boa opção para a natação da Pati e uma eventual remada minha na manhã seguinte, antes de partirmos rumo à Paraty.

A viagem transcorreu com bastante tranquilidade até Registro-SP, pouco mais de 200 quilômetros de Curitiba e ponto escolhido para o almoço. Preferimos entrar na cidade e buscar um restaurante do tipo buffet, uma vez que as opções situadas à margem da Rodovia Régis Bittencourt não nos pareceram interessantes do ponto de vista de economia e de opções de cardápio.

Escolhido o restaurante com base nas avaliações do Google Maps, paramos para almoço sob um calor bastante opressivo, coisa de 34 graus com sensação térmica de quase 40. Imagine isso pra um Curitibano que ama o frio como este aqui que está escrevendo... Opção simples mas bastante saborosa: arroz, feijão e salada, basicamente. Voltamos à estrada para logo deixarmos a Régis Bittencourt e tomar a direção do litoral. Passamos por Peruíbe, Itanhaém, Mongaguá, Praia Grande, desviamos Santos, Cubatão e Guarujá e, finalmente, entramos na Rio-Santos. Aqui, novidade para mim, a rodovia está sob administração estadual. E aqui também começou o trânsito mais intenso, principalmente na região conhecida como Riviera de São Lourenço.

Ali aproveitamos para fazer as compras de mercado em um chiquérrimo Pão de Açúcar (A Riviera de São Lourenço é uma praia para gente com muito mais dinheiro que nós. Ponto.). Já era final de tarde e seguimos para o destino final de hoje, o já mencionado Recanto Caiçara. 

O acesso foi um pouco confuso para nós, mesmo seguindo o Google Maps. Não sabíamos que o camping estava localizado em uma espécie de condomínio, com portaria e fiscalização de portaria. Na verdade essa portaria servia mais como uma intimidação para quem não conhece a região do que propriamente uma fiscalização e controle. Estranho para nós, pelo menos, aqui no Paraná não há nada do gênero.

Chegando no local do camping uma espécie de terror e pânico tomou conta da Patricia. MUITA gente e pouquíssimo controle de pessoas. Não havia uma entrada propriamente dita pro camping. Chegamos tentando achar uma vaga para o carro e para a nossa barraca em meio àquela multidão que havia acabado de retornar da praia sob o lusco fusco do anoitecer. Patrícia, mais do que eu, abomina este tipo de aglomeração, chegando até mesmo a sugerir que procurássemos outro lugar.

Imediatamente recordamos que estávamos no meio de um feriadão municipal da capital paulista (que fica a apenas 130 km do camping, aproximadamente). Logo, não haveria nenhum espaço mais vazio pela região.

Tentamos relaxar, montamos nossa barraca e fomos "reconhecer o terreno". Pelo menos haviam algumas regras bem rígidas com relação ao ruído e à ocupação dos espaços e aos poucos fomos nos "aclimatando". No fim das contas, acabou sendo uma estadia bastante agradável.

Neste mesmo final de tarde foi possível ainda ter um tempinho para ir ver a barra do rio e a praia de mar aberto. 

Acabamos por conseguir montar nossa barraca em um lugar tranquilo, com pontos de energia elétrica e até wifi.

Como saldo geral, a viagem neste dia foi bem tranquila e a estadia neste camping acabou sendo uma boa surpresa. Lugar muito bonito, com bastante gente mas que acabou não prejudicando a tranquilidade.

Preparado um breve jantar e prontos para dormir, discorremos ansiosos sobre o que o dia seguinte nos reservaria, com a natação no rio pela manhã, meu teste de 3Km de corrida e a sequência da viagem rumo à Paraty.

Seguimos!


Nós, as duas bikes e tudo o necessário para pedalar, nadar, remar e correr por 15 dias.

Final de tarde na Guaratuba Paulista.

Achamos um cantinho :)

Enfim, FÉRIAS!


Comentários

  1. Show de bola! Curto muito acompanhar as aventuras de vocês, nos diversos canais (na verdade dois: youtube e aqui hehe). Desde 2000 e bolinha... Gente normal fazendo o que a gente gosta de fazer. Um forte abraço!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.