Pular para o conteúdo principal

Review - Meia de Compressão Kendall

(texto escrito originalmente em agosto de 2009)

Salve corredores!

Já havia algum tempo que eu vinha bolando o conteúdo deste post. Primeiro surgiu com a curiosidade natural, ao ver diversos atletas de endurance (maratonistas e triatletas) no exterior utilizando "meiões" parecidos com os de futebol. Em seguida uma pesquisa na internet me revelou que o uso deste produto ainda era incipiente mesmo lá fora. E por fim, alguns amigos interessados em saber mais.

Porém, no ano passado foram publicados alguns estudos a respeito de tecidos de compressão (o que leva a aplicação do princípio da compressibilidade a outros itens de vestuário) revelando melhorias na performance. Talvez não precise ser muito estudioso para perceber como isso funciona. A compressão do tecido junto à musculatura agiliza a remoção dos resíduos metabólicos resultantes da queima da adenosina trifosfato (o combustível da célula proveniente da glicose, em uma série de processos químicos). Esses resíduos presentes na musculatura são um dos responsáveis pela fadiga, cãimbras e dores que sentimos durante atividades de longa duração. Mas não vou me estender muito neste aspecto científico, até porque não sou profissional da área. Quero relatar apenas minha experiência como usuário do artefato. Uma matéria técnica muito boa a respeito dos tecidos de compressão foi publicada no site Ativo.com e pode ser conferida clicando aqui.

Fazendo uma busca internética pelo produto aqui em nosso Brasil, verifico que não encontro tal item disponível (a exceção de uma loja especializada em triathlon que pede a bagatela de 198 reais por um par, fora de cogitação). Os preços destas meias específicas nos E.U.A. gira em torno de 25 dólares. Quem tiver a oportunidade de conseguir essas meias no exterior eu recomendo. Marcas como a Oxysox são bem recomendadas. O ideal dessas meias é o fato delas terem a medida determinada como ideal para atletas, entre 24 e 26 mmHg (milímetros de mercúrio).

No entanto, em meu caso particular, não estava disposto a comprar lá fora (frete, demora na entrega, formas de pagamento inviabilizavam). Resolvi testar alguns modelos nacionais, que não são específicos para atletas, pois contam com taxa de compressão entre 18 e 21 mmHg.

Após longas e demoradas buscas na internet encontrei dois fabricantes que pareciam chegar perto daquilo que eu buscava. Recomendo-as: Kendall e Sigvaris. Nos sites desses dois fabricantes é possível encontrar o endereço das lojas que comercializam o produto, bem como uma busca no google lhe mostrará diversos resultados de lojas eletrônicas.

Decidi por comprar aqui mesmo em Belo Horizonte. Constrangimento nunca foi uma característica minha e a vendedora deixou-me bastante à vontade na loja, repleta de clientes procurando meias para varizes, penicos e outros produtos hospitalares e fisioterápicos. É importante comprar sempre o tamanho correto, que é determinado pela circunferência da panturrilha o comprimento da perna. Existe uma tabela que auxilia a determinar seu tamanho ideal e um bom vendedor saberá atender você. Algumas lojas virtuais disponibilizam a tabela para que você mesmo encontre sua medida e faça seu pedido com segurança.

Acabei por decidir-me pela Kendall, média compressão, com 20 mmHg. Preço amigo, 56 reais. A meia é construída com materiais que impedem a proliferação de mau cheiro e é confortável a ponto de eu dispensar as meias normais de corrida, pelo menos quando usada com meu tênis favorito para corridas longas, o Mizuno Prorunner 11. Para as corridas de montanha testei apenas com o Salomon XT Wings e não tive muito sucesso: bolhas nos primeiros quilômetros. Uma outra meia por cima será necessária nos treinos seguintes. A Sigvaris oferece também a opção de meia sem a ponta dos dedos, o que pode parecer uma idéia interessante, mas preferi não arriscar bolhas e costuras desnecessárias.

A Salomon também está testando esse tipo de material com o espanhol multicampeão de ultramaratonas em montanha, Kilian Jornet. O visual parece ser bem arrojado, como é do feitio da marca francesa. O interessante é que elas não são propriamentemeias e sim algo como os pernitos de ciclismo, atuando apenas na região da canela e panturrilha, deixando de fora os pés e a coxa.

==================================================

Minha experiência:

Desde meu início em corridas de longa distância jamais tive as panturrilhas 100%. Já tive dores e cãimbras em provas de meia maratona em montanha, na ascensão do Cerro Plata na Argentina (após caminhar 5 horas com mochila pesando 27 quilos), em treinos de >corrida em trilha na Serra do Mar paranaense. Antes da Maratona do Rio usei esta meia em algumas oportunidades, sempre em treinos acima de 26 km. A situação das pernas durante e após a corrida sempre foram melhores do que quando treinava sem elas. Realmente o cansaço era menor e as dores não existiam mais. Porém o teste de fogo seria realmente os 42.195 metros da Maratona. Funcionou! Absolutamente sem dores na panturrilha. Dor alguma! De problemas musculares senti apenas dores leves no posterior da coxa esquerda, o que me leva a crer que usar bermudas de >compressão também seja uma boa idéia (postarei outro tópico a respeito). Estou pensando em utilizá-las também para recuperação pós-esforço, algo que também tem se tornado comum entre atletas top (coisa que não sou, mas não custa imitar o que é bom).

Bolhas? Nenhuma. Os pés pareciam ter saído de uma corridinha de 5 km. Intactos, feios por natureza.

Concluindo: Não é o modelito mais lindo do mundo. Muitos corredores ainda se apegam ao visual tradicional, de regatas calçoes curtos e tênis. Muitos não usam sequer bonés ou óculos. Tenho visão diferente deste tradicionalismo (que também é muito visto no ciclismo de estrada europeu, onde só recentemente pôde ser visto a presença de quadros de bicicleta de geometria sloping, por exemplo). Acredito que experimentar novidades é válido e se funcionar, não me importo com visual ou coisas assim. O que vale mesmo é funcionar, ficar confortável. Se ficou bonito, melhor ainda.

E vamos que vamos, testando e aprovando (ou reprovando).

Um abraço!

Comentários

  1. oi, george!

    de vez em quando procuro essas meias de compressão pra ver se encontro pra vender em algum lugar!
    mas ô troço difícil de achar! rsss

    queria experimentar, principalmente depois de uma prova mais longa que fiz, quando minhas pernas incharam muito!

    nem me lembrei dessas da kendall!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Só o CUme Interessa - Piada Escrota

Bah, nem é piada. Acho que isso se chama cacofonia, que é quando alguma coisa dita de um jeito dá a entender que é outra coisa. Entendeu? Ah, eu também não, hehe. Enfim, não é o que importa. To escrevendo essa parada, porque li um post no blog que os colegas Bonga e Tonto montaram para divulgar sua expedição no Ama Dablam, uma das mais belas e cobiçadas montanhas do Himalaia. Este cume não é dos mais elevados nem dos mais tecnicamente exigente. Mas o Ama Dablam é lindo! Quem não gostaria de pisar em um cume assim? Lindo, majestoso, imenso... Confira abaixo: Pois é... com seus quase sete mil metros trata-se de uma cobiçada montanha, objeto de desejo de muitos. Porém, o que rola desde princípio dos anos noventa são os turistas de montanha. Nada contra eles, pelo contrário. Servem para impulsionar uma atividade ecologicamente correta, movimentar economia, transferir renda e trazer qualidade de vida para quem pratica e/ou depende dela. Porém, tudo em exagero tem um porém - to meio engraç

Guia de Trilhas - Morro do Anhangava (parte I)

INTRODUÇÃO Saudações. É com prazer que publico aqui um mini-guia para corrida de montanha no morro do Anhangava, originalmente publicado no antigo site  TrailRunning BRASIL . MORRO DO ANHANGAVA Localização O Morro do Anhangava e seus 1.420 metros de altitude, está localizado nas proximidades da localidade de Borda do Campo, distrito do município de Quatro Barras, região metropolitana de Curitiba, a aproximadamente 35 quilômetros da capital paranaense. O local é considerado um campo-escola de montanhismo, pois conta com trilhas para caminhada e corrida, bem como vias de escalada em rocha de todas as dificuldades. Chegando lá de carro: Deixe Curitiba pela BR-116 sentido São Paulo, seguindo até o trevo de Quatro Barras, cuja sede municipal pode ser visualizada à direita. Saindo desta rodovia, você chega ao centro da cidade. Siga as placas que indicam Borda do Campo e Morro do Anhangava à direita, onde você acaba tomando a PR 506. Em poucos quilômetros, pl