Pular para o conteúdo principal

Comprei o meu Polar, Uhuuuuu!

Aê galera, olha que legal, comprei o meu Polar!

Um monitor cardíaco muito maneiro, que marca os últimos treinos que eu fiz, mostra as batidas do meu coração para um treino seguro de acordo com a recomendação dos especialistas diplomados!!! Aeeeeee!!!!

Hahahaha, que palhaçada...

Um dos posts que eu mais gosto é um que escrevi em 2009, chamado Joguei Fora Meu Polar. Um texto metido a engraçadinho mas muito sério, que reflete exatamente até hoje o meu pensamento sobre o uso de determinados aparelhos para correr, no caso os monitores cardíacos.

Para mim, algo totalmente dispensável, a ponto de ter me livrado dele. No entanto, chegou a hora de dar um tempo - trocadilho ridículo - no meu surrado Suunto X6 que recebi do meu antigo patrocinador. Ele tem as duas funções que acho imprescindíveis em um relógio para corridas de montanha: o cronômetro e o altímetro. Cronômetro para eu saber a hora de comer e me hidratar. Altímetro para controlar a minha aplicação de energia e saber em que ponto do percurso estou, principalmente em competições, onde estudo previamente a altimetria e o mapa da região. Como ele está bem velhinho, com a pulseira arrebentando e sua troca custa mais que um relógio novo, decidi-me por adquirir um relógio de qualidade.

E aí que entra o Polar FT4M. Por um valor razoável, adquiri um bom relógio. Confesso que ainda nem sei das suas funções como monitor. Não pretendo utilizá-lo como tal e se alguém pagar um dinheirinho na cinta que vai junto ao peito eu vendo com gosto após uns testes.

Depois de um tempo de uso, farei um review que deverá agradar aqueles que buscam mais informações sobre um modelo que tem um custo inferior e sem papagaiadas desnecessárias, já que trata-se de um modelo básico. Hoje em dia, a galera fissurada em gadgets já usa apetrechos com muito mais funções, muitas das quais nem se sabe para que serve. Espero, assim, ser útil uma vez mais, já que os reviews são as páginas mais acessadas do blogue.

Com isso, eu tenho uma boa estratégia: "economizo" meu Suunto com altímetro até poder adquirir outro no exterior, já que o preço aqui é absurdo e uso o Polarzinho como relógio de pulso e cronômetro no dia-a-dia e nos treinos.

Porém, mais que tudo, me rende boas risadas ao ler o texto do fictício Polar dispensado e, dois anos após adquirir um "de verdade", mesmo sem a pretensão de treinar baseado em frequência cardíaca. Mantenho comigo, como sempre, a idéia de ouvir meu corpo apenas, sem instrumentos extras e desnecessários. Em breve deve rolar um GPS também, para espanto geral. Mas aí a idéia é outra, para um projeto ousado que devo anunciar dentro de alguns meses e que tem a ver mais com montanha do que com corrida. Sem tomates, por favor.

Bons treinos!

Comentários

  1. As revistas falam que para o sujeito correr tem que fazer teste da pisada, ir ao médico, fazer musculação, tomar suplementos, gatorade, arrumar um nutricionista, uma assessoria, comprar uma farda completa e só para começar, tem o mp3, o gps, a meia, a tolha, o cadarço, a garrafinha de água, o gel, o óculos, o relógio da nasa ... Correr ficou complexo assim ? caminho do meio, né.
    parabéns pelo post e vamos para frente !!!

    ResponderExcluir
  2. ---------\\\\|/---------
    --------(@@)-------
    -ooO--(_)--Ooo-
    Pepe parabéns pelo novo brinquedo amigo, lhe desejo sucessos e muitos kms com o novo Polar, mas o que o amigo Estivison disse acima é verdade pois o corredor hj tem uma gama de coisas para correr e tem que ter muita grana para tudo isso...hehehe...

    Bons treinos,

    Jorge Ultramaratonista
    www.jmaratona.com

    ResponderExcluir
  3. F-a-n-t-a-s-t-i-c ! I was looking for similar projects last week, and now i see this post. I normally use breadboard to do this type of work, with one of these, job will be more easy. I was thinking, and searching others projects to do my own PCB. So, let me try my luck, maybe i can win.
    Watch Winders

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.