Pular para o conteúdo principal

O Alto Rendimento e suas Frescuras

Senhores, esta é a dura realidade: o esporte de alto nível chegou a um ponto onde qualquer mínimo detalhe faz a diferença. Isso porque este segmento hoje é um negócio de cifras milionárias e poucos esportes escapam disso.

Vemos cada vez mais atletas especializados, sendo este aspecto relacionado não apenas às características de cada competição, mas chegou ao ponto de atletas serem especialistas em apenas um tipo de prova. Nunca mais veremos nas corridas alguém como a Locomotiva Emil Zatopek, que reinava em distâncias tão díspares como os 5.000 metros e a maratona. No ciclismo, nunca mais teremos um Eddy Merckx. Por favor, não me falem de Lance Armstrong, cujo talento se resumia a vencer o Tour de France. Claro que também trata-se de um feito incrível, mas incomparável até mesmo com as vitórias de Miguel Indurain tanto no Tour como no Giro d'Italia.

Hoje atletas profissionais comem como robôs, injetam substâncias (algumas ilícitas), ciclistas não sobem escadas para se preservar para as competições e treinos, corredores pesam menos de 50 kg e crianças são forçadas, muitas vezes pelos pais, a seguirem um caminho que não querem. Entendo que este é o rumo natural e que quem se envereda por este caminho está disposto a pagar seu preço. Não há como ser diferente nos dias de hoje.

Porém sou um romântico e ainda é possível encontrar gente considerada melhor do mundo em seu esporte tendo uma vida comum. Falo de nomes como Scott Jurek, Anton Krupicka e Geoff Roes, que estão entre os melhores ultramaratonistas de montanha do mundo. Na foto abaixo, que ilustra uma matéria de uma revista especializada norte-americana, eles aparecem em trajes comuns, "civis" sem estrelismos, como bons amigos que são e tomando uma boa cerveja escura, como pessoas comuns! São todos atletas profissionais, recebem salários de patrocinadores e, principalmente, são acessíveis e tem uma vida fora do mundinho da corrida. Saem pra se divertir, bebem (algumas) cervejas, fazem festa, enfim, vivem!

Esses são meus exemplos, alguns pelo menos. Não poderia deixar de citar o grande nome, o maior de todos: Marco Olmo.

Mas sobre ele eu falo na próxima semana.

Vida simples!

Comentários

  1. muito bom post,relatou tudo de forma simples e bem detalhada.abraççossss

    ResponderExcluir
  2. To fora do olimpo. Pra ser estrela tem que primeiro estar no céu e na escuridão pra poder brilhar. Eu faço parte da terra e entendo a linguagem dos meros mortais q tentam correr aquilo que gostam e os faz feliz. Não sei ser outra coisa a não ser eu, e pra mim isto é bom demais.

    ResponderExcluir
  3. Pois é, tá igual a medicina, tem especialista em ombro, joelho, nariz.. e quase nenhum olha a pessoa como um conjunto completo.

    Corredores super hiper especializados, contando cada ml de líquido e alimento, tomando uma xicara de comprimidos ao dia.

    Se funciona? Com certeza. O povo corre mais rápido, se recupera mais rápido. Mas tem um preço...

    E quando a conta vem, todo mundo se solidariza, lamenta e chama de "fatalidade". Mas enfim, normalmente são escolhas conscientes, pessoa não se importa de viver menos ou ter doenças x e y se puder ter uns 3 anos de performance top. Cada um, cada um.

    Mas eu tbm sinto falta de ter mais Scotts Jureks nas corridas...

    ResponderExcluir
  4. Simplicidade sempre minha gente. Natalia. Corri com o Scott no sabado passado... De fato, falta mais pessoas como ele. Bjs e abraços!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Só o CUme Interessa - Piada Escrota

Bah, nem é piada. Acho que isso se chama cacofonia, que é quando alguma coisa dita de um jeito dá a entender que é outra coisa. Entendeu? Ah, eu também não, hehe. Enfim, não é o que importa. To escrevendo essa parada, porque li um post no blog que os colegas Bonga e Tonto montaram para divulgar sua expedição no Ama Dablam, uma das mais belas e cobiçadas montanhas do Himalaia. Este cume não é dos mais elevados nem dos mais tecnicamente exigente. Mas o Ama Dablam é lindo! Quem não gostaria de pisar em um cume assim? Lindo, majestoso, imenso... Confira abaixo: Pois é... com seus quase sete mil metros trata-se de uma cobiçada montanha, objeto de desejo de muitos. Porém, o que rola desde princípio dos anos noventa são os turistas de montanha. Nada contra eles, pelo contrário. Servem para impulsionar uma atividade ecologicamente correta, movimentar economia, transferir renda e trazer qualidade de vida para quem pratica e/ou depende dela. Porém, tudo em exagero tem um porém - to meio engraç

Guia de Trilhas - Morro do Anhangava (parte I)

INTRODUÇÃO Saudações. É com prazer que publico aqui um mini-guia para corrida de montanha no morro do Anhangava, originalmente publicado no antigo site  TrailRunning BRASIL . MORRO DO ANHANGAVA Localização O Morro do Anhangava e seus 1.420 metros de altitude, está localizado nas proximidades da localidade de Borda do Campo, distrito do município de Quatro Barras, região metropolitana de Curitiba, a aproximadamente 35 quilômetros da capital paranaense. O local é considerado um campo-escola de montanhismo, pois conta com trilhas para caminhada e corrida, bem como vias de escalada em rocha de todas as dificuldades. Chegando lá de carro: Deixe Curitiba pela BR-116 sentido São Paulo, seguindo até o trevo de Quatro Barras, cuja sede municipal pode ser visualizada à direita. Saindo desta rodovia, você chega ao centro da cidade. Siga as placas que indicam Borda do Campo e Morro do Anhangava à direita, onde você acaba tomando a PR 506. Em poucos quilômetros, pl