Pular para o conteúdo principal

Super George Is Dead!

Super George está morto!

Muito fácil chegar a esta conclusão. Atribuo esta morte basicamente à passagem dos anos. Bons foram os tempos em que eu podia correr cinco maratonas em cinco meses quase sem treino. Houve tempo que eu fazia trilhas na Serra do Mar com 20 kg nas costas virando a noite acordado e ainda agitando o dia todo. Pedaladas de 100 km também não eram raras nos meus vinte e poucos anos.

Mas o tempo passa e em dias atuais percebo que essa força interna vai-se embora. Ou melhor, não está sendo possível mantê-la sem um bom trabalho físico. O que antes me parecia simples, correr 3 maratonas em um mês como cheguei a fazer, só voltará a acontecer se me dedicar aos treinos. Mandar ver na raça e apenas no "background" que trago até pode rolar, mas o preço pago será maior do que me disponho a pagar.

Sendo assim, anuncio a morte do Super George. De volta ao mundo dos mortais, pagando o preço de tanto abuso ao longo dos anos (cólicas renais que me perseguem já há dois anos, lombalgias de verter água dos olhos, entre outros pequenos probleminhas) é bom ver que sou um cara comum, que anda sofrendo pra correr 10 Km em 50 minutos. Melhor assim, sem esse papo furado de guerreiro pra lá, "você é o cara" pra cá.

Segue a vida.

Boa semana a todos.

Comentários

  1. Não podemos deter o envelhecimento físico, mas manter o espírito sempre jovem e "guerreiro" é algo que se impõe. Go. Go. Go!!!

    ResponderExcluir
  2. mas será que a gente quer mesmo fazer as coisas como fazia antes?
    acho que é aquela necessidade de ser heroico de antes que velamos...

    nos tornamos talvez mais seletivos, e ao longo dos anos, em troca do vigor e arroubos da juventude, ganhamos uma certa paz de espírito...

    uma vontade toma conta da gente... de apreciar, de curtir cada momento... somos mais seletivos com nossas aventuras, porque queremos algo que nos surpreenda, que nos desafie...

    talvez já não seja mais tão importante correr 10km abaixo de 50min... mas queremos que esses 10km sejam surpreendentes, desafiadores, apaixonantes...

    bom, pelo menos é assim que me sinto;)

    bjs

    ResponderExcluir
  3. É isso aí, Volpão, tem que seguir a vida, a idade chega para todos, mas pelo que eu vejo, vc ainda é garoto!! Abraço

    ResponderExcluir
  4. è volpao,a idade vai chegando e o rendimento aos poucos vai caindo,mas ainda tens muito coisa a dar aos esportes,nunca desistir,esse é o caminho. abraççosssss

    ResponderExcluir
  5. Buenas senhores!

    obrigado pela força ae. Na verdade a idéia do post é desconstruir uma coisa que não existe, o lance de sermos imbatíveis. Não que me considerasse assim, mas achava que podia exigir mais de mim do que eu estava capaz de suportar. Bem vindo ao mundo real, hehe.

    Abraços!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.