Pular para o conteúdo principal

A Vida nas Montanhas

Buenas!

Para fazer jus ao novo nome deste blog nada como uma nova foto (acima, topo de página) e um novo post. Em breve, novo layout, claro!

Post rápido apenas para compartilhar algumas fotos (nem tão inéditas assim, pois já estão no Facebook) e descrever rapidinho como foi esse lance de "A Vida nas Montanhas".

Eu estava com uma programação feijão com arroz de treino longo no sábado e um soltinho no domingo. Eis que aparece o convite da Aliny e do Arce (parceiros de várias caminhadas de montanha Brasil afora) para um bivaque no Pico Paraná na madrugada de sábado para domingo. As condições climáticas apresentavam-se perfeitas para tal intento. A companhia era das melhores. Não havia nenhuma boa desculpa para não encarar esta.

Aceitei de pronto e nos largamos pra serra no sábado final de tarde. Juntaram-se a nós a Greyssi e o Leandro, que conheci naquele átimo. Lá estava também a Daiana, que havia vindo de bike desde Curitiba (mais de 70 km de pedal) e aproveitou a carona no "trem" morro acima.

A Fazenda Pico Paraná, início da caminhada estava repleta de automóveis, o que indicava que o Pico Paraná talvez não fosse o destino ideal para quem buscava sossego. No meio do caminho nos decidimos por tocar para o - para mim - querido Itapiroca, um tico mais baixo, mas tão belo quanto e, muito mais perto. A Daiana tocou pro PP, seu plano original. Chegamos nas áreas de acampamento do Itapiroca por volta das 10 da noite. Céu estrelado, lua crescente, frio de 6 graus bem dentro do suportável e nada de vento. Os casais montaram suas barracas e eu decidi-me por dormir ao relento, somente com meu saco de dormir, para me integrar melhor com a montanha e o céu.

Devidamente alimentados, hidratados (cerveja e champagne com moderação), veio o sono e o vento. Estava protegido por alguns arbustos e não senti incômodo, tampouco notei a queda de temperatura da madrugada que atingiu 3 graus.

Despertei a tempo de me encantar pela enésima vez com um nascer do sol no alto da Serra do Mar. Por mais que se repitam montanhas, cada amanhecer vivido num lugar como esse é único. Tudo devidamente registrado hora de mais um cochilo que se prolongou quase até as dez da manhã, quando o sol forte nos obrigou a levantar acampamento e agilizar o procedimento de descida. Pouco mais de uma hora foi o necessário para chegarmos à base, para celebrar com muito pinhão e cervejinha gelada, que desceu muito bem depois da caminhada sob sol forte e calor fora de época. A tarde estava agradabilíssima, com temperatura na casa dos 24 graus, um verdadeiro forno para quem já estava acostumado com temperaturas na casa do zero grau aqui no Paraná.

A idéia é reviver cada vez mais momentos assim, afinal, A Vida nas Montanhas é eterna.

Para o próximo final de semana a expectativa é estar no Pico Paraná, mas numa paulada de um dia apenas, como treino para a K42 Bombinhas cuja largada se avizinha.

Deixo abaixo algumas imagens de minha autoria e do Arce.

Abraços!


















Comentários

  1. Obrigado mon amour!

    Mais que sleeping bag man, a imagem tem um outro significado: fantasiado de lagarta. Pronto pra sair do casulo e virar borboleta! Ui Creuza, que chalilali, hahaha

    Besos!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Só o CUme Interessa - Piada Escrota

Bah, nem é piada. Acho que isso se chama cacofonia, que é quando alguma coisa dita de um jeito dá a entender que é outra coisa. Entendeu? Ah, eu também não, hehe. Enfim, não é o que importa. To escrevendo essa parada, porque li um post no blog que os colegas Bonga e Tonto montaram para divulgar sua expedição no Ama Dablam, uma das mais belas e cobiçadas montanhas do Himalaia. Este cume não é dos mais elevados nem dos mais tecnicamente exigente. Mas o Ama Dablam é lindo! Quem não gostaria de pisar em um cume assim? Lindo, majestoso, imenso... Confira abaixo: Pois é... com seus quase sete mil metros trata-se de uma cobiçada montanha, objeto de desejo de muitos. Porém, o que rola desde princípio dos anos noventa são os turistas de montanha. Nada contra eles, pelo contrário. Servem para impulsionar uma atividade ecologicamente correta, movimentar economia, transferir renda e trazer qualidade de vida para quem pratica e/ou depende dela. Porém, tudo em exagero tem um porém - to meio engraç

Guia de Trilhas - Morro do Anhangava (parte I)

INTRODUÇÃO Saudações. É com prazer que publico aqui um mini-guia para corrida de montanha no morro do Anhangava, originalmente publicado no antigo site  TrailRunning BRASIL . MORRO DO ANHANGAVA Localização O Morro do Anhangava e seus 1.420 metros de altitude, está localizado nas proximidades da localidade de Borda do Campo, distrito do município de Quatro Barras, região metropolitana de Curitiba, a aproximadamente 35 quilômetros da capital paranaense. O local é considerado um campo-escola de montanhismo, pois conta com trilhas para caminhada e corrida, bem como vias de escalada em rocha de todas as dificuldades. Chegando lá de carro: Deixe Curitiba pela BR-116 sentido São Paulo, seguindo até o trevo de Quatro Barras, cuja sede municipal pode ser visualizada à direita. Saindo desta rodovia, você chega ao centro da cidade. Siga as placas que indicam Borda do Campo e Morro do Anhangava à direita, onde você acaba tomando a PR 506. Em poucos quilômetros, pl