Pular para o conteúdo principal

Medalha para quem merece medalha

Medalha é pra quem merece medalha.

Eu busco sensações. Encontro-as nos montes que trilho por mim mesmo, sem marcações, sem chip e sem alvoroço. Assim sendo, após a K42 Bombinhas Adventure Marathon recolher-me-ei à minha caverna pessoal, abrindo mão de correr os 50K em Ilhabela e os 84 em Floripa na Praias e Trilhas.

Havia algum tempo que já andava cansado dos excessos. No post anterior comentei brevemente sobre minha mais recente andança na Serra do Mar. Durante esta caminhada tive a forte sensação de que percorrer estes tortuosos caminhos são, na verdade, a atividade esportiva mais prazerosa de todas que já experimentei.

Estar nas trilhas e percorrer longas distâncias. Sem números e sem planilhas. Livre. O post do amigo Leonardo é super inspirador neste sentido, fecha exatamente com meus sentimentos. No rules at all!

Ainda tenho muitas metas a serem cumpridas nas competições. Tenho meus objetivos e deles não abro mão. Mas, por hora, o caminho para atingi-los não passa necessariamente por pendurar uma medalha no pescoço. Posso dizer que estou olhando adiante, bem adiante, mas muito mais interessado no presente. Nas minhas manhãs de inverno correndo na geada, nos finais de semana passados entre bares e restaurantes de Santa Felicidade ou dormindo numa moita a 1.800 metros de altitude cercado de gente legal.

Atitudes desapegadas como essas não combinam com estatísticas, planejamentos, medalhas, funis de chegada e outras "necessidades" do moderno corredor seculo XXI com seus iPhones e demais quinquilharias chinesas. Minha necessidade é estar outdoor e sem número de peito.

Competir? Para encontrar os amigos e tomar cerveja depois. E só.

Segue a vida nas montanhas.

Abraços

Comentários

  1. Veja o que um xará seu escreveu:

    "For every runner who tours the world running marathons, there are thousands who run to hear the leaves and listen to the rain, and look to the day when it is suddenly as easy as a bird in flight."

    George Sheehan

    ResponderExcluir
  2. Hehehe... Li um livro desse xará ainda nos anos 90 e você me fez relembrar dessa figuara esquecida. Aliás, a maioria dos "jovens" corredores nem sabem quem era o cara, nem Jim Fixx nem Keneth Cooper... Sem problemas...a gente (eu, vc e uns poucos) seguiremos transmitindo a mensagem.

    Abraços e nos vemos em Small Bombs!

    ResponderExcluir
  3. Valeu meu caro !!!
    Essa é a parada.
    Vendi a minha medalha da Asics Golden Four.
    Coloque a venda a viseira no Mercado Livre e um cara perguntou sobre a medalha.
    Tava no armário e antes que fosse pro lixo, como já fiz com as demais, vendi essa.
    ABS !!!

    ResponderExcluir
  4. " o essencial é invisível aos olhos "
    já dizia a Raposa no livro do Pequeno Príncipe.

    ResponderExcluir
  5. Poizé...ser humano é bicho estranho. Curto minhas medalhas, mas lá nas gavetas. Uso na hora, faço foto e fervo. Depois...prefiro as lembranças das corridas =)

    Valeu piazada!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.