Pular para o conteúdo principal

De volta ao Tucum - Temporada de Montanha 2012

Foi bom, bom demais.

Quase um ano após acampar uma última vez na Serra do Mar; ter o prazer de preparar um refeição simples (polenta com linguiça calabresa), de montar uma barraca, de carregar água, comida e roupas nas costas por algumas horas e poder desfrutar bons momentos com pessoas queridas é algo que realmente enche o coração da gente. Ótima oportunidade para testar as pernas, o fôlego e alguns novos produtos enviados pela Proativa, dos quais tratarei após coletar mais impressões nos próximos camps.

Eu e a Ana Barbara começamos a caminhada no final da tarde, quatro e meia da sexta-santa, para ser mais preciso. Tempo aberto, céu azul e Fazenda da Bolinha (cabeça da trilha) lotada de carros, o que indicava uma provável - e depois confirmada - super lotação da região toda. O percurso apresentava-se bastante seco para esta época do ano, reflexo das poucas chuvas do verão por aqui. Caminhada tranquila, subindo sempre numa mesma balada, sem solavancos, sem correria e sem paredes a escalar.

O primeiro trecho é na floresta, no vale do rio Samambaia rumo ao colado entre o Camapuan (1719m) e o Pedra Branca. Uma vez no topo do dito colado (sela, para alguns), quebra-se à esquerda, apontando o nariz para o ainda invisível cume do Camapuan. A floresta ainda domina o cenário e a inclinação aumenta um pouco. Uns tantos minutos, quase ao pôr-do-sol, atingimos o final da floresta, início dos campos de altitude da rampa do Camapuan. Neste ponto estamos na casa dos 1.350 metros e o restante do desnível é superado sempre com belo visual. Um descampado inclinado que é encarado com paciência e admiração. Tendo a lua na fase cheia nascido na face oposta em que estávamos, seu brilho nos deu o ar da graça no topo desta montanha.

Cume lotado, dois jovens bivacando, pessoal gente fina. Após nos alertarem para a super lotação no cume vizinho do Tucum (1734m), nosso destino, despedimo-nos e seguimos sob a luz da lua, tendo o Pico Paraná em tons prateados à nossa frente compondo uma cena bonita pra mais de metro. 

Em um total de três horas e trinta de pernada, atingimos o cume do Tucum, onde havia barraca por todo lado e uns figuras de roupas de exército curtindo um som de gosto pra lá de duvidoso. Cordialidade é a tônica neste momento e partimos para achar um canto mais tranquilo. Achamos um bom ponto para colocar a barraca num platô lateral, tomando a trilha que leva ao Cerro Verde (1653m), a apenas 3 minutos do cume e distante o suficiente da zoeira.

Ótimo lugar para acampar e aguardar os amigos que estavam a caminho, meus parceiros de caminhada desde 2007, a Aliny e o Arce. Não demorou muito para chegarem, vieram em ritmo forte.

Hora do jantar, preparado conjuntamente, aproveitando para secar uma garrafa de bom vinho e mandar ver na polenta, arroz, batatas e outras guloseimas. Noite perfeita, com temperatura na casa dos 15 graus. Após uma sonequinha jogado no mato feito bicho, toque de recolher para um sono revigorador.

A ideia era acordar para o nascer do sol. No entanto, durante a madrugada, nuvens se formaram e impediram que apreciássemos essa cena. Gostei, bora dormir um tiquinho mais. Mais para o meio da manhã o céu abriu-se e permitiu fotos, café-da-manhã de reis e um tranquilo desmonte de acampamento para a descida, desta vez conjunta.

Hora de baixar, de voltar à cidade com uma grande certeza: em 15 dias vai ter mais =)

Porque a vida nas montanhas, essa é aquela que sempre buscamos.

Beijos e abraços!



Foto clássica do cume do Tucum (1734m), tendo o Pico Paraná (1877m) como destaque. Em primeiro plano, um pouco à direita o Cerro Verde (1653m).  Imagem: Ana Barbara Vicentin.



Vista do alto do Tucum, tendo o Morro Camapuan (1719m) e seus característicos descampados e a Represa do Capivari ao fundo. Imagem: Ana Barbara Vicentin.


Preparando a pose para a foto abaixo. Imagem: Aliny Borba.


Tcham! Imagem: Aliny Borba.



Momentos antes de iniciar a descida: Arce, Aliny, George e Ana Barbara. Imagem: George Volpão.

Comentários

  1. que lugar lindo!!!
    fiquei só imaginando a delícia dessa caminhada ao anoitecer!

    acampar, ainda não sei o que é isso, infelizmente...
    nunca acampei:(
    mas creio que o Rio de Janeiro vai me botar nos trilhos:)

    George, seu relato ficou bem bacana!
    e melhor de tudo, deixa a gente babando de vontade de também secar uma garrafa de vinho em algum cume na companhia de alguns bons amigos:)

    acho que é isso que tá faltando nos dias de hoje, esse contato pacificador coma natureza... acho que esse negócio de estresse, neuras, ia se dissipar rapidinho após uma boa caminhada numa trilha!

    muito legal!

    ResponderExcluir
  2. O Tucum é encantador , parabéns pelo relato e fotos !abraço.

    ResponderExcluir
  3. Muito legal, Volpão!
    Belas fotos e o contato com a natureza mais primitiva.
    Treino no Parque da Aclimação e um dia desses encontrei um amigo ultramaratonista que nos próximos dias vai sozinho para o Pico da Bandeira. Conhece? Ele vai utilizar suas férias para subir, passar lá uns dias e apreciar a paisagem.
    Admiro essa coragem, e invejo a beleza natural com a qual se depara.
    Abração!

    ResponderExcluir
  4. Salve Joel!

    Já estive no Bandeira... lugar incrível mesmo. Quando estiveres no PR me avisa que a gente sobe algum barranco =)

    Abração.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.