Pular para o conteúdo principal

De volta ao Tucum - Temporada de Montanha 2012

Foi bom, bom demais.

Quase um ano após acampar uma última vez na Serra do Mar; ter o prazer de preparar um refeição simples (polenta com linguiça calabresa), de montar uma barraca, de carregar água, comida e roupas nas costas por algumas horas e poder desfrutar bons momentos com pessoas queridas é algo que realmente enche o coração da gente. Ótima oportunidade para testar as pernas, o fôlego e alguns novos produtos enviados pela Proativa, dos quais tratarei após coletar mais impressões nos próximos camps.

Eu e a Ana Barbara começamos a caminhada no final da tarde, quatro e meia da sexta-santa, para ser mais preciso. Tempo aberto, céu azul e Fazenda da Bolinha (cabeça da trilha) lotada de carros, o que indicava uma provável - e depois confirmada - super lotação da região toda. O percurso apresentava-se bastante seco para esta época do ano, reflexo das poucas chuvas do verão por aqui. Caminhada tranquila, subindo sempre numa mesma balada, sem solavancos, sem correria e sem paredes a escalar.

O primeiro trecho é na floresta, no vale do rio Samambaia rumo ao colado entre o Camapuan (1719m) e o Pedra Branca. Uma vez no topo do dito colado (sela, para alguns), quebra-se à esquerda, apontando o nariz para o ainda invisível cume do Camapuan. A floresta ainda domina o cenário e a inclinação aumenta um pouco. Uns tantos minutos, quase ao pôr-do-sol, atingimos o final da floresta, início dos campos de altitude da rampa do Camapuan. Neste ponto estamos na casa dos 1.350 metros e o restante do desnível é superado sempre com belo visual. Um descampado inclinado que é encarado com paciência e admiração. Tendo a lua na fase cheia nascido na face oposta em que estávamos, seu brilho nos deu o ar da graça no topo desta montanha.

Cume lotado, dois jovens bivacando, pessoal gente fina. Após nos alertarem para a super lotação no cume vizinho do Tucum (1734m), nosso destino, despedimo-nos e seguimos sob a luz da lua, tendo o Pico Paraná em tons prateados à nossa frente compondo uma cena bonita pra mais de metro. 

Em um total de três horas e trinta de pernada, atingimos o cume do Tucum, onde havia barraca por todo lado e uns figuras de roupas de exército curtindo um som de gosto pra lá de duvidoso. Cordialidade é a tônica neste momento e partimos para achar um canto mais tranquilo. Achamos um bom ponto para colocar a barraca num platô lateral, tomando a trilha que leva ao Cerro Verde (1653m), a apenas 3 minutos do cume e distante o suficiente da zoeira.

Ótimo lugar para acampar e aguardar os amigos que estavam a caminho, meus parceiros de caminhada desde 2007, a Aliny e o Arce. Não demorou muito para chegarem, vieram em ritmo forte.

Hora do jantar, preparado conjuntamente, aproveitando para secar uma garrafa de bom vinho e mandar ver na polenta, arroz, batatas e outras guloseimas. Noite perfeita, com temperatura na casa dos 15 graus. Após uma sonequinha jogado no mato feito bicho, toque de recolher para um sono revigorador.

A ideia era acordar para o nascer do sol. No entanto, durante a madrugada, nuvens se formaram e impediram que apreciássemos essa cena. Gostei, bora dormir um tiquinho mais. Mais para o meio da manhã o céu abriu-se e permitiu fotos, café-da-manhã de reis e um tranquilo desmonte de acampamento para a descida, desta vez conjunta.

Hora de baixar, de voltar à cidade com uma grande certeza: em 15 dias vai ter mais =)

Porque a vida nas montanhas, essa é aquela que sempre buscamos.

Beijos e abraços!



Foto clássica do cume do Tucum (1734m), tendo o Pico Paraná (1877m) como destaque. Em primeiro plano, um pouco à direita o Cerro Verde (1653m).  Imagem: Ana Barbara Vicentin.



Vista do alto do Tucum, tendo o Morro Camapuan (1719m) e seus característicos descampados e a Represa do Capivari ao fundo. Imagem: Ana Barbara Vicentin.


Preparando a pose para a foto abaixo. Imagem: Aliny Borba.


Tcham! Imagem: Aliny Borba.



Momentos antes de iniciar a descida: Arce, Aliny, George e Ana Barbara. Imagem: George Volpão.

Comentários

  1. que lugar lindo!!!
    fiquei só imaginando a delícia dessa caminhada ao anoitecer!

    acampar, ainda não sei o que é isso, infelizmente...
    nunca acampei:(
    mas creio que o Rio de Janeiro vai me botar nos trilhos:)

    George, seu relato ficou bem bacana!
    e melhor de tudo, deixa a gente babando de vontade de também secar uma garrafa de vinho em algum cume na companhia de alguns bons amigos:)

    acho que é isso que tá faltando nos dias de hoje, esse contato pacificador coma natureza... acho que esse negócio de estresse, neuras, ia se dissipar rapidinho após uma boa caminhada numa trilha!

    muito legal!

    ResponderExcluir
  2. O Tucum é encantador , parabéns pelo relato e fotos !abraço.

    ResponderExcluir
  3. Muito legal, Volpão!
    Belas fotos e o contato com a natureza mais primitiva.
    Treino no Parque da Aclimação e um dia desses encontrei um amigo ultramaratonista que nos próximos dias vai sozinho para o Pico da Bandeira. Conhece? Ele vai utilizar suas férias para subir, passar lá uns dias e apreciar a paisagem.
    Admiro essa coragem, e invejo a beleza natural com a qual se depara.
    Abração!

    ResponderExcluir
  4. Salve Joel!

    Já estive no Bandeira... lugar incrível mesmo. Quando estiveres no PR me avisa que a gente sobe algum barranco =)

    Abração.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Só o CUme Interessa - Piada Escrota

Bah, nem é piada. Acho que isso se chama cacofonia, que é quando alguma coisa dita de um jeito dá a entender que é outra coisa. Entendeu? Ah, eu também não, hehe. Enfim, não é o que importa. To escrevendo essa parada, porque li um post no blog que os colegas Bonga e Tonto montaram para divulgar sua expedição no Ama Dablam, uma das mais belas e cobiçadas montanhas do Himalaia. Este cume não é dos mais elevados nem dos mais tecnicamente exigente. Mas o Ama Dablam é lindo! Quem não gostaria de pisar em um cume assim? Lindo, majestoso, imenso... Confira abaixo: Pois é... com seus quase sete mil metros trata-se de uma cobiçada montanha, objeto de desejo de muitos. Porém, o que rola desde princípio dos anos noventa são os turistas de montanha. Nada contra eles, pelo contrário. Servem para impulsionar uma atividade ecologicamente correta, movimentar economia, transferir renda e trazer qualidade de vida para quem pratica e/ou depende dela. Porém, tudo em exagero tem um porém - to meio engraç

Guia de Trilhas - Morro do Anhangava (parte I)

INTRODUÇÃO Saudações. É com prazer que publico aqui um mini-guia para corrida de montanha no morro do Anhangava, originalmente publicado no antigo site  TrailRunning BRASIL . MORRO DO ANHANGAVA Localização O Morro do Anhangava e seus 1.420 metros de altitude, está localizado nas proximidades da localidade de Borda do Campo, distrito do município de Quatro Barras, região metropolitana de Curitiba, a aproximadamente 35 quilômetros da capital paranaense. O local é considerado um campo-escola de montanhismo, pois conta com trilhas para caminhada e corrida, bem como vias de escalada em rocha de todas as dificuldades. Chegando lá de carro: Deixe Curitiba pela BR-116 sentido São Paulo, seguindo até o trevo de Quatro Barras, cuja sede municipal pode ser visualizada à direita. Saindo desta rodovia, você chega ao centro da cidade. Siga as placas que indicam Borda do Campo e Morro do Anhangava à direita, onde você acaba tomando a PR 506. Em poucos quilômetros, pl