Pular para o conteúdo principal

George Volpão e Território Mountain

Olá, senhoras e senhores.

Minha ligação com a loja de equipamentos de aventura, montanhismo e viagem Território Mountain Shop vem de longa data. Começou em 2003, quando a loja se estabeleceu em Curitiba e tornei-me cliente graças principalmente ao excelente atendimento prestado. Em 2007 e 2008 tive a oportunidade de trabalhar  no departamento de vendas, primeiro da Loja Centro e depois na Loja Palladium. Por esta época eu já tinha um bom background como montanhista e me iniciava nas competições de corridas de montanha, fazendo três provas em 2007, sendo duas meia-maratonas, já com apoio da Território Mountain. 

Em 2008 a parceria se consolidou, mesmo com minha saída do quadro de funcionários da empresa. Era a gênese da Território Mountain Team. No ano seguinte, voltei a trabalhar com eles, sendo que no início do ano estive no Cordón del Plata. Em 2010 tive diversas oportunidades de viajar o Brasil e a América do Sul competindo e correndo, testando equipamentos e tudo mais. No final daquele ano, devido a mudanças de políticas da empresa no que se refere ao marketing esportivo, deixei o time. Porém mantive-me e consolidei-me na cena trail running nacional, sempre que possível participando de grandes eventos como a K42 Bombinhas e a Super Meia Maratona Noturna de Extrema.

Em 2012 surgiu o TrailRunning BRASIL, com minha esposa e sócia Ana Barbara Vicentin Volpão, onde passamos atuar com ainda mais presença na cena montanheira divulgando eventos, avaliando produtos, colaborando com o crescimento acelerado que nossa modalidade favorita vem experimentando. Toda essa história, desde 2007, pode ser acompanhada por quem dispuser de paciência e vasculhar os arquivos do blog.

E é com muito prazer e orgulho que anuncio que a partir desta data, sou o mais novo-velho integrante do Time Território Mountain. O departamento de marketing esportivo desta empresa líder no segmento volta a estar fortalecido e sinto-me muito honrado pelo convite para integrar novamente o quadro de atletas apoiados pela Território.

Foi dada total liberdade de ação, com minhas atuações não sendo necessariamente restritas ao trail running, mas sim à vida ativa e outdoor, combinando a paixão pelas montanhas em todas as suas manifestações, tais como viagens, cicloturismo, montanhismo e muitos outros.

Muitas ações interessantes serão viabilizadas com esta parceria, levando ao alcance de ainda mais pessoas, as maravilhas da Vida nas Montanhas.

Em breve, vou postando as ideias, projetos e realizações. Deixo, ainda, meu convite a apreciar a postagem que fiz no TrailRunningBRASIL sobre minha participação na primeira etapa do Circuito Paranaense de Corridas em Montanha deste domingo, 24 de março. Aqui, ó:


Um grande abraço a todos, em especial àquele que viabiliza isso tudo, Erivelton Padilha, Sócio-Proprietário da Território Mountain Shop.

Desafio Praias e Trilhas 2009
K42 Bombinhas 2010

Comentários

  1. Este cara é o fera ... as montanhas tremem só de ouvir o nome dele !!! Uhu fera !!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Só o CUme Interessa - Piada Escrota

Bah, nem é piada. Acho que isso se chama cacofonia, que é quando alguma coisa dita de um jeito dá a entender que é outra coisa. Entendeu? Ah, eu também não, hehe. Enfim, não é o que importa. To escrevendo essa parada, porque li um post no blog que os colegas Bonga e Tonto montaram para divulgar sua expedição no Ama Dablam, uma das mais belas e cobiçadas montanhas do Himalaia. Este cume não é dos mais elevados nem dos mais tecnicamente exigente. Mas o Ama Dablam é lindo! Quem não gostaria de pisar em um cume assim? Lindo, majestoso, imenso... Confira abaixo: Pois é... com seus quase sete mil metros trata-se de uma cobiçada montanha, objeto de desejo de muitos. Porém, o que rola desde princípio dos anos noventa são os turistas de montanha. Nada contra eles, pelo contrário. Servem para impulsionar uma atividade ecologicamente correta, movimentar economia, transferir renda e trazer qualidade de vida para quem pratica e/ou depende dela. Porém, tudo em exagero tem um porém - to meio engraç

Guia de Trilhas - Morro do Anhangava (parte I)

INTRODUÇÃO Saudações. É com prazer que publico aqui um mini-guia para corrida de montanha no morro do Anhangava, originalmente publicado no antigo site  TrailRunning BRASIL . MORRO DO ANHANGAVA Localização O Morro do Anhangava e seus 1.420 metros de altitude, está localizado nas proximidades da localidade de Borda do Campo, distrito do município de Quatro Barras, região metropolitana de Curitiba, a aproximadamente 35 quilômetros da capital paranaense. O local é considerado um campo-escola de montanhismo, pois conta com trilhas para caminhada e corrida, bem como vias de escalada em rocha de todas as dificuldades. Chegando lá de carro: Deixe Curitiba pela BR-116 sentido São Paulo, seguindo até o trevo de Quatro Barras, cuja sede municipal pode ser visualizada à direita. Saindo desta rodovia, você chega ao centro da cidade. Siga as placas que indicam Borda do Campo e Morro do Anhangava à direita, onde você acaba tomando a PR 506. Em poucos quilômetros, pl