Pular para o conteúdo principal

K21 Curitiba 2013 - Certas coisas que não sei dizer

Não vou dizer que foi ruim, também não foi tão assim.

Utilizando-se acima e no título de frases feitas de conhecidas canções interpretadas por Lulu Santos, posso resumir assim minhas impressões pessoais da prova.

Não estou falando de organização nem do que achei da prova. Disso tratarei em artigo a ser publicado no TrailRunning BRASIL. Estou falando de mim, já que no post anterior eu estava colocando minhas dúvidas existenciais de adolescente tardio.

Gostei demais de ter estado nas trilhas por quase 23 quilômetros (sim, a prova tinhas mais de 21 km no final das contas). Ainda no sábado achei sensacional ter encontrados bons amigos como o Daniel Júnior, Giovanni Zem, César Condratti, Giliard Pinheiro, José Virgínio, André Savazoni, Juan Carlos Asef e muitos outros.

No dia da prova, sob sol já alto, estive mais uma vez "into the wild", percorrendo longos trechos quase sozinho (apesar da prova ter contado com mais de 350 participantes), desfrutando casa segundo das trilhas da região do Parque Ecológico Ouro Fino.

O prazer de percorrer terrenos técnicos no limite das minhas forças e (in)sanidade. Os meses sem treino cobraram seu preço, principalmente no aspecto muscular. Ainda bem que eu estava pedalando com certa frequência, assim pude reforçar um pouco as pernocas que nesta segunda-feira reclamam.

Trajeto duro, muito duro, do jeito que eu aprecio. Não tem como não gostar desses desafios. Não tem como não viver ótimos momentos junto aos amantes das montanhas.

Agradeço à Naventura Eventos Esportivos e a todos que, de alguma forma, tornaram possível essa experiência. Em breve, como disse, relato completo no TrailRunning BRASIL.

Abraços!

Andando no plano, George Volpão?

Comentários

  1. Show. Também gostei muito da prova... quanto pior, melhor!!!!
    Legal ter te reecontrado.
    Abs.
    César Condrati
    http://condrati.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Opa! Foi bom demais mesmo! Vai na ATR? Araçatuba Trail Run.

      Abs

      Excluir
  2. Pepe pelo que li em alguns blogs este K21 foi dificil pacas pela altimetria do percurso, mas so em sair do asfalto para correr junto a natureza nao tem preco nao e mesmo...Meus parabens por mais um desafio concluido.

    Um abraco,

    Jorge Cerqueira
    www.jmaratona.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Super Jorge, você iria curtir demais? Quando vem correr com a gente?

      Obrigado e um abração!

      Excluir
  3. não tem como não gostar desses desafios! é isso que penso e sinto, mesmo quando tô ralando as pernas e a alma nesses percursos difíceis!

    no aguardo do relato!

    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. To atrasado... Você até já comentou, rsrs.

      Espero que tenha curtido e que venha nas próximas =D

      http://www.trailrunningbrasil.com/2013/03/k21-curitiba-2013-algumas-impressoes.html

      Beijão

      Excluir
  4. Cara, que saudades de você. Vê se arruma um tempo para assombrar a galera lá no Twitter. Vc faz falta. Abração!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aeeee! Se eu lembrar a senha eu volto, hehehe. Gosto mesmo é de apavorar!

      Abraço e xá comigo!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Só o CUme Interessa - Piada Escrota

Bah, nem é piada. Acho que isso se chama cacofonia, que é quando alguma coisa dita de um jeito dá a entender que é outra coisa. Entendeu? Ah, eu também não, hehe. Enfim, não é o que importa. To escrevendo essa parada, porque li um post no blog que os colegas Bonga e Tonto montaram para divulgar sua expedição no Ama Dablam, uma das mais belas e cobiçadas montanhas do Himalaia. Este cume não é dos mais elevados nem dos mais tecnicamente exigente. Mas o Ama Dablam é lindo! Quem não gostaria de pisar em um cume assim? Lindo, majestoso, imenso... Confira abaixo: Pois é... com seus quase sete mil metros trata-se de uma cobiçada montanha, objeto de desejo de muitos. Porém, o que rola desde princípio dos anos noventa são os turistas de montanha. Nada contra eles, pelo contrário. Servem para impulsionar uma atividade ecologicamente correta, movimentar economia, transferir renda e trazer qualidade de vida para quem pratica e/ou depende dela. Porém, tudo em exagero tem um porém - to meio engraç

Guia de Trilhas - Morro do Anhangava (parte I)

INTRODUÇÃO Saudações. É com prazer que publico aqui um mini-guia para corrida de montanha no morro do Anhangava, originalmente publicado no antigo site  TrailRunning BRASIL . MORRO DO ANHANGAVA Localização O Morro do Anhangava e seus 1.420 metros de altitude, está localizado nas proximidades da localidade de Borda do Campo, distrito do município de Quatro Barras, região metropolitana de Curitiba, a aproximadamente 35 quilômetros da capital paranaense. O local é considerado um campo-escola de montanhismo, pois conta com trilhas para caminhada e corrida, bem como vias de escalada em rocha de todas as dificuldades. Chegando lá de carro: Deixe Curitiba pela BR-116 sentido São Paulo, seguindo até o trevo de Quatro Barras, cuja sede municipal pode ser visualizada à direita. Saindo desta rodovia, você chega ao centro da cidade. Siga as placas que indicam Borda do Campo e Morro do Anhangava à direita, onde você acaba tomando a PR 506. Em poucos quilômetros, pl