Pular para o conteúdo principal

Férias forçadas

Olá, salve!

É com uma bela bolsa de gelo e uma boa dose de dor no joelho direito que escrevo este post.

Na última sexta, dia 29 de novembro, estava com meus grandes amigos Raphael Bonatto e Ricardo Beraldi nas trilhas do Parque São Lourenço quando em um salto sobre algumas raízes acabei aterrissando de mau jeito com a perna direita e o joelho acabou sentindo. Por ora, parecia pouca coisa, estava apenas falseando e "sem forças". Faltava menos de 10 minutos pra gente terminar o que tínhamos como proposta para aquela tarde. Continuamos, baixei o ritmo e redobrei a atenção nos trechos mais técnicos. 

Não foi o suficiente. Na última descida mais forte, pouco menos de 400 metros para finalizar a sessão, uma simples passada me fez vacilar novamente o joelho direito e ir ao solo. Uma bela torção, um estalo horroroso, dores como jamais havia sentido em qualquer tipo de atividade física e lama por todo lado - esta foi a parte divertida. Os companheiros entendendo a gravidade da situação, queriam fotos e toda aquela coisa descontraída. Com muita dor mas muito bom humor, foi possível voltar a caminhar com dificuldade e até mesmo conduzir a bicicleta que estava estacionada no bicicletário local. Porém, melhor evitar novos danos e acabei acionando a Ana Barbara para um "resgate". Algumas cervejas geladas com os amigos e a esposa ajudaram muito no alívio das dores e na manutenção do bom humor necessários em casos assim. 

Na manhã seguinte, no caso este sábado que escrevo post, as dores e o inchaço mostraram um incremento, o que me levou a procurar ajuda médica, algo que reluto bastante, teimoso e orgulhoso que sou. Breve consulta e raio-x na Clínica de Fraturas Norte, aqui em Curitiba revelaram uma suspeita de lesão no Ligamento Cruzado Anterior e provável dano em um menisco. Não houve lesão articular nem de cartilagem, o que é um bom indicativo.


Na próxima sexta-feira, uma reconsulta para melhor avaliação e, quem sabe, uma dispendiosa ressonância magnética para orientar a sequência do tratamento e possível cirurgia de recuperação do ligamento afetado.

Será uma semana de dúvidas e de muita esperança. Desejo de verdade não precisar da cirurgia mesmo que isso me custe a redução de carga de treinos e provas, mesmo que me custe deixar de praticar regularmente o esporte que amo. 

Tenho comigo que tudo na vida tem um motivo e que nada é por acaso. Acredito também nos "sinais" que o universo nos manda e que eu não dava muita atenção recentemente. Algo como: 

1) "Sossegue a periquita com esse lance de correr forte"; 
2) "Volte para as montanhas de maneira não competitiva"; 
3) "Ao atingir um cume de montanha não existem troféus nem medalhas mas apenas momentos que valem ser vividos".

Espero apenas ser poupado dos "eu avisei que isso iria dar merda" e dos "montanha não é para correr e sim curtir". Porque aqui dentro de mim não há espaço para aquela velha opinião formada sobre tudo.

Agora é repousar, dar uns bons 3 meses sem correr e repensar completamente 2014, assunto do post passado.

Na próxima semana, trago boas novas, com certeza. 

Grande abraço e obrigado pelo carinho de todos.


Em um salto parecido com este do Bonatto que tudo começou... Brincar de correr é legal, mas esteja ciente dos riscos ;)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Só o CUme Interessa - Piada Escrota

Bah, nem é piada. Acho que isso se chama cacofonia, que é quando alguma coisa dita de um jeito dá a entender que é outra coisa. Entendeu? Ah, eu também não, hehe. Enfim, não é o que importa. To escrevendo essa parada, porque li um post no blog que os colegas Bonga e Tonto montaram para divulgar sua expedição no Ama Dablam, uma das mais belas e cobiçadas montanhas do Himalaia. Este cume não é dos mais elevados nem dos mais tecnicamente exigente. Mas o Ama Dablam é lindo! Quem não gostaria de pisar em um cume assim? Lindo, majestoso, imenso... Confira abaixo: Pois é... com seus quase sete mil metros trata-se de uma cobiçada montanha, objeto de desejo de muitos. Porém, o que rola desde princípio dos anos noventa são os turistas de montanha. Nada contra eles, pelo contrário. Servem para impulsionar uma atividade ecologicamente correta, movimentar economia, transferir renda e trazer qualidade de vida para quem pratica e/ou depende dela. Porém, tudo em exagero tem um porém - to meio engraç

Guia de Trilhas - Morro do Anhangava (parte I)

INTRODUÇÃO Saudações. É com prazer que publico aqui um mini-guia para corrida de montanha no morro do Anhangava, originalmente publicado no antigo site  TrailRunning BRASIL . MORRO DO ANHANGAVA Localização O Morro do Anhangava e seus 1.420 metros de altitude, está localizado nas proximidades da localidade de Borda do Campo, distrito do município de Quatro Barras, região metropolitana de Curitiba, a aproximadamente 35 quilômetros da capital paranaense. O local é considerado um campo-escola de montanhismo, pois conta com trilhas para caminhada e corrida, bem como vias de escalada em rocha de todas as dificuldades. Chegando lá de carro: Deixe Curitiba pela BR-116 sentido São Paulo, seguindo até o trevo de Quatro Barras, cuja sede municipal pode ser visualizada à direita. Saindo desta rodovia, você chega ao centro da cidade. Siga as placas que indicam Borda do Campo e Morro do Anhangava à direita, onde você acaba tomando a PR 506. Em poucos quilômetros, pl