Pular para o conteúdo principal

Ciririca, Baby

Olá!

Com um nome destes, a trilha de acesso ao cume desta montanha não poderia ser diferente disso: foda! Sim, é praticamente um dia inteiro com a mochila nas costas.

Animado por uma previsão meteorológica favorável, eu e a Ana Barbara tomamos o rumo desta montanha maldita em uma sexta-feira santa. Ineditismo para a esposa, nona vez para mim. No entanto havia pisado por lá pela última vez no distante agosto de 2008. Longos 6 anos e meio...

Nesse período muita coisa mudou em mim. Física e mentalmente.  Nos primeiros anos daquela década, estar na montanha o máximo possível era a meta. Não importava a lonjura do lugar ou a dificuldade da trilha.

O tempo passou, e beirando os quarenta anos de idade, este cara aqui prefere curtir a montanha com calma, sem pressa. Mas como a Ana Barbara queria muito conhecer este cume e eu entendi o feriado como ótima oportunidade de desafio. Lá fomos.

Quase dez horas de caminhada árdua, em uma trilha muito pouco frequentada, com trechos de cordas, espinhos assassinos e quedas d'água isoladíssimas. Temperatura agradável e a alma se deliciando com a sensação de isolamento do local. Chegamos ao fim da linha, junto às desativadas placas de transmissão de microondas, pouco antes do por do sol. Foi o tempo de montar acampamento e cozinhar. Durante a noite chegaram mais alguns amigos e conhecidos de trilha. Montanha praticamente deserta. Dormimos profundamente.

Pela manhã, decidimos retornar pela mesma trilha até o cruzo do Tucum, para então subir ao Camapuan para uma segunda noite na Serra do Mar. Chegamos lá após mais um dia inteiro de caminhada, desta vez mais cansados e menos dispostos fisicamente (isso é visível na última imagem deste post). Porém, estávamos muito a fim de curtir mais uma noite na montanha, sendo o Camapuan um lugar muito especial para nós. Estaríamos assim, mais próximos de casa, restando menos a caminhar no domingo de Páscoa. Sábia decisão. 

O domingo amanheceu nebuloso e até mesmo com alguns chuviscos. Restava então descer umas duas horas e meia até o retorno para casa. Na última meia hora de trilha, a surpresa: pernas exaustas e uma passada vacilante me causaram mais uma grave entorse no joelho direito bichado. Nada que não pudesse ser resolvido com uns bons gritos na mata e uma mochila a mais para a Ana Barbara carregar até o carro. E um remedinho forte para dor, é claro. Mea culpa: deixei de fazer os exercícios de fortalecimento recomendados para casos de ligamento cruzado anterior rompido  como o meu. Bem, vamos tratar de reforçá-lo para escapar da cirurgia e escolher montanhas menos exigentes.

Na programação: Caratuva, dia 18 de abril. 

Abaixo, algumas poucas imagens que fizemos por lá. Uma pena haver corredores de montanha porcalhões até mesmo por lá. Afinal, caixa de cume não é lugar de grudar adesivo.

Abraços!












Comentários

  1. o nome dela é Ana Barbara Vicentin Volpão ? se sim posso ser um parente distante dela, poderia pedir pra que entrasse em contato pelo email maycondias@icloud.com, agradeço.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.