Pular para o conteúdo principal

MTB Ultra Marathon Light 2018

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês?

Rolou neste domingo nos Campos Gerais paranaenses o MTB Ultra Marathon 2018, que consistia em um percurso de mountain bike modalidade marathon (basicamente estradões de terra) com distâncias de 107, 66 e 33 km. Eu que ando bem vadio nos treinos, inscrevi-me na modalidade de percurso mais curto.

Mais do que a competição, eu gosto da vivência integral que o esporte proporciona. E e Thamires Matos fomos ainda no sábado para o local da prova, uma vez que haveria possibilidade de acampar por lá. Foi a melhor decisão possível. 

Um lugar muito bonito, com estrutura suficiente pra atender todo o pessoal que por lá estava (estimo que havia pelo menos umas 30 barracas), e de acesso fácil, meio caminho entre São Luiz do Purunã e Ponta Grossa.

Chegamos lá no meio da tarde e logo montamos acampamento. Em seguida, fomos dar um giro pelo local , que já contava com boa parte da estrutura de prova já levantada. Aliás, necessário dizer, antes de mais nada, que a prova teve ótima organização e não vi nenhum tipo de pecado sendo cometido. 

Valor de inscrição muito justo pelo que a prova ofereceu, principalmente para quem encarou os duros 107 km da prova principal. 

O clima estava perfeito, sol com algumas nuvens e temperatura agradabilíssima. Durante a noite, os vizinhos de acampamento fizeram uma fogueira, o que deixou o ambiente ainda mais aconchegante.

Na manhã da prova um friozinho daqueles bem típicos, céu carrancudo e o característico vento dos Campos Gerais. Larguei às 8:10 da manhã, GoPro Hero 5 Session no peito para captar algumas imagens e muita disposição em curtir o trajeto. 

Eu tenho um sincero encantamento pelas paisagens naturais desta região do amado Estado do Paraná. Há uma espécie de conforto e identificação com as formações rochosas, com os campos naturais e até mesmo com as áreas cultivadas pelo homem naquelas paragens. É como se eu me sentisse verdadeiramente em casa. Um dia, quem sabe, um pedacinho de chão naqueles campos para chamar de "meu"...

Mas a região não contempla apenas campos naturais, pastagens e áreas cultivadas. Tem também (muitos) reflorestamento de pinus e eucalipto e alguns pedaços de mata nativa, principalmente nos fundos de vale. E foi num desses "fundo de vale" que estava o maior desafio do percurso na minha categoria: uma forte descida técnica, em um estradão bem erodido, seguido de uma dura subida onde "zerar" (subir todo o trecho pedalando, sem sequer tirar os pés dos pedais ou mesmo sem empurrar a bike) foi uma (tola) vitória pessoal.

Excetuando este acidente geográfico, o restante da prova era praticamente plano, com subidas e descidas de baixo gradiente e de quase nenhuma dificuldade técnica. 

Isso não tira o mérito do desafio e do percurso, pois certamente foi uma das empreitadas mais divertidas que já fiz em cima de uma bike.

Finalizei meu desafio em pouco mais de 1h45min, quebrando "bonito" nos últimos dois quilômetros, com uma sensação de queimação nas pernas e de fraqueza muscular poucas vezes sentida na vida.

Isso tem a ver com minha atual condição de saúde. Mas... assunto para um post específico que farei em breve.

No fim das contas, saldo extremamente positivo: pude entender qual a minha situação atual no que toca à minha saúde corporal e mental, que me dá um norte para buscar estratégias visando retomar a condição física que eu tinha meses atrás. Foi bom também para entender o quanto gosto de conhecer novos lugares através da prática esportiva, seja ela qual for. Gosto demais de pedalar minha bike tanto quanto curto subir montanhas e também de correr em trilhas ou até mesmo as maratonas e meias maratonas em asfalto. Essa diversidade de atividades sempre fez parte da minha essência.

Abaixo deixo algumas imagens, sem antes deixar meus agradecimentos a quem torna tudo isso possível: Thamires Matos pela parceria de vida que cada vez se consolida mais, Jamur Bikes que confia na minha capacidade profissional e que colabora justamente para estas realizações e à toda a galera que manda e-mail, que comenta positivamente lá no YouTube.

2019 vai ter mais MTB!

Forte abraço a todos, bons treinos!!!




















Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Só o CUme Interessa - Piada Escrota

Bah, nem é piada. Acho que isso se chama cacofonia, que é quando alguma coisa dita de um jeito dá a entender que é outra coisa. Entendeu? Ah, eu também não, hehe. Enfim, não é o que importa. To escrevendo essa parada, porque li um post no blog que os colegas Bonga e Tonto montaram para divulgar sua expedição no Ama Dablam, uma das mais belas e cobiçadas montanhas do Himalaia. Este cume não é dos mais elevados nem dos mais tecnicamente exigente. Mas o Ama Dablam é lindo! Quem não gostaria de pisar em um cume assim? Lindo, majestoso, imenso... Confira abaixo: Pois é... com seus quase sete mil metros trata-se de uma cobiçada montanha, objeto de desejo de muitos. Porém, o que rola desde princípio dos anos noventa são os turistas de montanha. Nada contra eles, pelo contrário. Servem para impulsionar uma atividade ecologicamente correta, movimentar economia, transferir renda e trazer qualidade de vida para quem pratica e/ou depende dela. Porém, tudo em exagero tem um porém - to meio engraç

Guia de Trilhas - Morro do Anhangava (parte I)

INTRODUÇÃO Saudações. É com prazer que publico aqui um mini-guia para corrida de montanha no morro do Anhangava, originalmente publicado no antigo site  TrailRunning BRASIL . MORRO DO ANHANGAVA Localização O Morro do Anhangava e seus 1.420 metros de altitude, está localizado nas proximidades da localidade de Borda do Campo, distrito do município de Quatro Barras, região metropolitana de Curitiba, a aproximadamente 35 quilômetros da capital paranaense. O local é considerado um campo-escola de montanhismo, pois conta com trilhas para caminhada e corrida, bem como vias de escalada em rocha de todas as dificuldades. Chegando lá de carro: Deixe Curitiba pela BR-116 sentido São Paulo, seguindo até o trevo de Quatro Barras, cuja sede municipal pode ser visualizada à direita. Saindo desta rodovia, você chega ao centro da cidade. Siga as placas que indicam Borda do Campo e Morro do Anhangava à direita, onde você acaba tomando a PR 506. Em poucos quilômetros, pl