Pular para o conteúdo principal

Diário de Viagem Pati&Volpe Férias 2022 - Dia 02

Domingo, 23 de janeiro de 2022.

Dando sequência às memórias de férias do início deste ano, primeiramente me desculpo por tamanha demora na publicação dos textos. Poderia deixar meia centena de justificativas aqui mas é basicamente uma só que importa: procrastinação. Sigamos!

O domingo 23 de janeiro amanheceu MUITO bonito. Era dia de teste de 3 quilômetros e eu estava bem distante das condições ideias para isso, tanto física como geograficamente.

No aspecto físico porque já na semana anterior eu vinha com o tradicional pé na jaca alimentar. No geográfico porque poxa... eu queria correr na praia, na areia não é? Havia a possibilidade de realizar esse teste no acostamento da Rodovia Rio-Santos. Mas não ne? Férias, praia, o lance é correr na areia.

Pelo menos, a Praia de Guaratuba é na sua maior parte composta de uma areia bem compacta, o que permitia desenvolver um bom ritmo. Havia também a questão do forte calor e umidade presentes já ao amanhecer.





E que amanhecer! Um morro coberto de mata nativa junto à Barra do Rio Guaratuba deixava o cenário ainda mais bonito. Saí bem cedo, mas perdi o momento em que o sol se levantava à leste. Mesmo assim manhã maravilhosa de corrida, teste realizado de acordo com o protocolo sugerido e treino finalizado bem na hora que a Patricia já tinha tudo pronto para um desjejum. Como foi meses atrás, não lembrarei o cardápio mas sim dos eventos da sequência.

Já levantamos acampamento pois nesse dia iríamos rumo Praia de Trindade, já em Paraty, Estado do Rio de Janeiro. Tudo organizado, era hora de curtir um pouquinho a praia. A Pati se mandou para a natação dela coletando antes informações sobre correntes e marés junto a um pessoal que alugava caiaques.


Desta vez decidi não acompanhar remando e fiquei apenas me refrescando nas águas salobras da embocadura do já mencionado Rio Guaratuba. Neste horário de meio da manhã a praia já estava bastante lotada (lembre-se, era o último dia do feriadão municipal da capital paulista).

Desviando-nos da muvuca, fiquei curtindo fazendo imagens por lá, a Pati fez um treino de natação em condições ainda inusitadas para ela devido à forte correnteza em alguns pontos e depois de pouco mais de uma hora decidimos partir para a estrada.


A estrada é um show a parte e vale bastante ir sem pressa, curtindo. Apesar de termos "apenas" pouco mais de 200 quilômetros de viagem até o próximo camping, a estrada conta com inúmeras curvas, subidas, descidas e aglomerações urbanas no caminho, com tráfego intenso por vezes.

Decidimos para para almoço e abastecimento do carro em Caraguatatuba. pelo Google Maps encontramos um buffet de valor acessível como na véspera e um posto de combustível que aceitava o Sem Parar, posto de bandeira Shell. Mal sabíamos que aqui seria o início da parte dramática da viagem.

De momento, tudo em ordem, seguimos em frente, passamos por Ubatuba e muito trânsito. Mas logo após a praia principal desta cidade a rodovia começou a ficar cada vez mais deserta e as paisagens mais lindas ainda.


Cruzar a Divisa de Estados entre São Paulo e Rio de Janeiro era o indicativo de fim da jornada. Já estávamos nos aproximando do final da tarde e a sinuosa e íngreme estrada de acesso à Praia de Trindade provou ser um desafio. Descidas violentíssimas e curvas sinuosas e que exigiam muita cautela e deixaram uma pequena preocupação com relação ao retorno. De toda forma, pelo menos esse trecho era asfaltado e o movimento grande, o que nos trouxe certa segurança para obter alguma eventual ajuda.

 Chegando na vilinha de Trindade, nos dirigimos ao nosso local escolhido para as próximas 3 noites de acampamento, o Na Praia Camping. Fomos muitíssimo bem recebidos e nos foi dada a oportunidade que esperávamos: montar a barraca exatamente em frente ao mar, no final do terreno da propriedade com apenas uma pequena cerca nos separando da faixa de areia junto à praia principal de Trindade.

O valor da diária foi de 70 reais e o camping oferecia cozinha, banheiros sempre limpos, tomadas e internet wi-fi. Para que mais que isso?

Bastante cansados, montamos nosso acampamento, curtimos um pouco da praia nas últimas luzes do dia e fomos em busca de algo para comer no centrinho da vila.

Encontramos uma localidade bastante impactada pelo turismo alternativo. Não é aquela coisa gourmet e fresca que não apreciamos mas também não é "raiz". É para uma galera mais diferentona, jovens descolados, com muitas lojinhas de artesanato e tal. Não poderia dizer que é uma praia "família" mas sim uma praia para jovens casais ou solteiros em fase de pegação.

Muita, mas muita gente nas ruas e nos bares. Encontramos um que dispunha de valores razoáveis para comer uma batata frita e tomar uma cerveja somente para forrar o estômago e descansar.

Os planos para o próximo dia incluía acordar bem cedo e seguir para as Piscinas Naturais do Cachadaço e, se possível, até a Pedra Cabeça do Índio, alguns quilômetros de trilha.

E assim foi, conto para vocês no próximo post.

Abraços!



Comentários

  1. Olá George. Referente ao caso dos garfo das spry. Soul nunca realiza testes com seus produtos nas bikes. Após os graves acidentes criaram uma espécie de laboratório de testes. Nesses laboratório testaram 5 garfos. Todos quebraram. 100% de quebra. Liga da espiga é de alumínio + polímeros. Soul não irá fazer recall legalizado com divulgação em mídia em conjunto com órgãos competentes devido ao alto custo da operação e demais fiscalizações plausíveis. Irão ligar diretamente aos 400 proprietários dessa bike e simplesmente trocar o garfo. Só estão aguardando a chegada dos novos garfos. Que também não será testados. Isso é caso de recall oficial. Mesmo acontece com suspensões Brave, soul sabia da qualidade da suspensão e usou nas bikes mesmo sabendo que não prestava, mas era isso ou não montar bikes. Eles assumiram esse risco. Porém com tantas trocas de suspensão Brave era outro recall que eles não realizaram. Não utilizem a SPRY porque vai quebrar a espiga.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.