Pular para o conteúdo principal

Um bom amigo. Review Mizuno Pro Runner 9

Buenas!

Acredito que um dos melhores amigos dos corredores é o tênis. Pelo menos daqueles que correm com este aparato. Há quem os dispense, amigos meus inclusive.

Meus bons amigos nestes últimos tempos tem sido dois "caras".

Hoje vou falar do mais antigo deles. Trata-se do Mizuno Pro Runner 9. Tá bom, tá bom. Quem entende de corrida (e de lançamentos de modelos, tipos de pisada, marcas, etc) pode xingar e perguntar: "Qual é desse cara que tá falando de um tênis quem é mais vendido de tão velho que é?"

Autor responde: nem é tão velho assim, trata-se de um modelo 2007. E acho importante falar dele pois cada modelo tem um histórico e tem suas características aprimoradas a cada temporada. Antes do Pro Runner 9 existiu o 8, existiu o 7 e por aí vai.

Minha história com os mizunos vêm de longa data. O primeiro que usei foi um Mizuno HST, comprado pela (na época) fortuna de 70 reais. O ano era 1994, o primeiro ano do real, nossa estável moeda. Apesar dele ter arrancado uma unha do polegar direito, adorei o tênis. A culpa foi minha mesmo, pois saí com ele da loja para já fazer um treininho de 24 km, tamanha a empolgação com o caríssimo tênis em tempos de vacas magras. Foram meses economizando dinheiro trabalhado para comprá-lo. A marca havia chegado fazia pouco tempo no país, pouquíssimo conhecida dos grande público, mas idolatrada pelos conhecedores da arte do passo acelerado.

Mas a idéia é falar do Pro Runner 9. Comprei-o por 399 reais na antiga Ironman em Curitiba, atual Procorrer. Tinha decidido correr um pouco mais do que estava fazendo, buscando um melhor condicionamento em minhas atividades de montanha. No início, empolgação total. No entanto, na loucura do trabalho puxado, jamais consegui dar cabo ao intento. Ficava meses sem dar uma corridinha. E ele foi ficando de lado...

O tempo passou, mais de 2 anos, até que meses atrás decidi correr literalmente atrás do sonho. Apesar de ter adquirido outro tênis, de outra marca, do qual falarei em post apropriado, o Pro Runner 9 tinha lugar de honra. Era o eleito para as longas distância e para as provas.

Isso porque ele sempre proporcionou excepcional retorno do investimento feito. Super confortável, leve, fresquinho, anatômico eu diria (se é que esse termo se aplica aos tênis).

Um tênis sem necessidade de questionamentos ou filosofias a respeito. Nos adaptamos bem um ao outro e agora ele parece feliz de estar sendo usado como deve: nos longos, nas provas, etc. Comporta-se como bom vinho: quanto mais velho melhor.

O problema é que sei que assim como os vinhos, chega um ponto que o processo se inverte. E temo esse momento. Para isso tentei buscar substituto e é dele que falarei em post futuro. Por enquanto, ele está ali, descansando, esperando a próxima prova daqui cinco dias. Irá correr a Maratona do Rio no próximo mês comigo e, já que está chegando próximo dos 600 km rodados, quem sabe se aposente com chave de ouro após a prova.


Keep Running, my friend!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.