Pular para o conteúdo principal

Impressões sobre a Volta a Ilha 2010

Foi bom enquanto durou... Mas não, não creio que o "casamento" esteja desfeito. Um casamento de sete pessoas que parece terem nascido para competirem, se divertirem e sorrirem juntas.

Tá bom, a equipe era para ser formada por oito pessoas. Mas foda-se, o que vale é que os sete heróis fizeram o máximo e foram a melhor equipe da competição. Esta é a Território Mountain Team, equipe na qual corri a 15ª edição da Volta a Ilha.

Porque ser o melhor não é chegar na frente. Ser melhor é sentir mais, se entregar mais, sorrir mais e viver mais. Yara, Jessiê, George, Cliverson, Geison, Eliandro (Toi) e Eriston fizeram nada menos do que o máximo. Esses cabras foram durões!!!

Demos a Volta na Ilha em quase 14 horas de corrida por asfalto, terra, calçamento, areia fofa e lama. Foi uma experiência única. Pela primeira vez pude correr em uma equipe e tenho a mais absoluta certeza que é a melhor equipe do mundo para estar junto por um dia inteiro.

O inusitado também se fez presente, como o radiador de um dos carros fervendo, chave trancada dentro de outro carro e a necessidade desesperada por um chaveiro, bolhas diversas, a Jessiê (fortíssima) correndo mais de 38 quilômetros por estar dobrando trechos.

Teve também a Yara e sua "briga" com a areia fofa, corredora acostumada ao asfalto que é. Teve o Eliandro elegendo o trecho mais curto que lhe cabia como o mais difícil. Teve também o Geison querendo correr todos os trechos possíveis e impossíveis. Teve o Cliverson fazendo paces em momentos cruciais e correndo alucinadamente nos seus trechos . Para não falar do Eriston, que além de correr os seus trechos determinados, soube manter o astral sempre alto, mesmo com a ameaça de desclassificação pela regra "pangarés fora".

Eu? Ah, fiz o que era minha parte: corri quase 5K do trecho 4 em apnéia quase total, correndo o mais rápido possível. Leitores que curtem dados e informações precisas: não me perguntem meu tempo, pace, frequência cardíaca ou whatever, pois sequer usei relógio por pensar que este é outro instrumento maldito.

Ah, falando em maldito, fiz o trecho 19, o tal do Morro Maldito. E sem um pingo de modéstia -algo que nunca foi meu forte,admito- digo que se o tal Morro do Sertão é maldito, então eu já corri várias vezes no inferno mesmo. A vida é mais dura na K42 Bombinhas -que se aproxima- por exemplo.

Porém, mais duro que isso tudo que falei, foi pensar que outra dessa só em 2011. E aproveitei a prova como um divisor de águas e "anunciar" (sei lá para quem) que não vou mais correr provas no asfalto, salvo alguma exceção que eu ache válida, como o Desafrio Urubici ou a Subida da Graciosa. Provas dessas 10K ou mesmo maratonas comuns, no more.

Correr para mim é diversão. E para me divertir tem que ter mato, lama, pedra, areia. Asfalto, lixo, barulho, modinhas e corredor exibido me emputece.

Então que venha a 2ª Etapa do Circuito Paranaense de Corridas em Montanha!

Beijos e abraços!









Comentários

  1. Show, Show, Show, bom piá eu ainda não fiz esse desafio da Volta a Ilha, mas ontem por coincidência estava na casa de um amigo corredor que fez essa volta em 2008 e ele me mostrou o filme no computador, daí eu pude sentir a adrenalina do que é correr a Volta da Ilha correndo por areias, dunas, asfalto, terra batida, bastante subidas e até correndo próximo aos carros...Muito legal mesmo, parabenizo vc e sua equipe pelo desafio concluído e que venha novos desafios.

    Bons treinos piá.

    Um abraço,

    Jorge Cerqueira
    www.jmaratona.com

    ResponderExcluir
  2. SALVE SAAAALVE SEÑOR !!!!
    ...volto á agradecer mais uma vez por toda consideração, apoio e crença de cada um da equipe !!!
    REAFIRMO, muito mais que realizador, cumprir com o desafio passa a ser motivante, cativante, apaixonante e ALTAMENTE VICIANTE !!!! rsrs
    ...e que venham mais e mais etapas repletas de muita areia, lama, trilhas, cumplicidade e desafios, afinal, MAR VIRADO, VENTO CONTRA E SOL DE 40º É O QUE VALE !!!!

    GRANDE ABRAÇO, MUITOS TREINOS E ~~ BONS VENTOS ~~ ...SEMPRE !!!

    \o/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Só o CUme Interessa - Piada Escrota

Bah, nem é piada. Acho que isso se chama cacofonia, que é quando alguma coisa dita de um jeito dá a entender que é outra coisa. Entendeu? Ah, eu também não, hehe. Enfim, não é o que importa. To escrevendo essa parada, porque li um post no blog que os colegas Bonga e Tonto montaram para divulgar sua expedição no Ama Dablam, uma das mais belas e cobiçadas montanhas do Himalaia. Este cume não é dos mais elevados nem dos mais tecnicamente exigente. Mas o Ama Dablam é lindo! Quem não gostaria de pisar em um cume assim? Lindo, majestoso, imenso... Confira abaixo: Pois é... com seus quase sete mil metros trata-se de uma cobiçada montanha, objeto de desejo de muitos. Porém, o que rola desde princípio dos anos noventa são os turistas de montanha. Nada contra eles, pelo contrário. Servem para impulsionar uma atividade ecologicamente correta, movimentar economia, transferir renda e trazer qualidade de vida para quem pratica e/ou depende dela. Porém, tudo em exagero tem um porém - to meio engraç

Guia de Trilhas - Morro do Anhangava (parte I)

INTRODUÇÃO Saudações. É com prazer que publico aqui um mini-guia para corrida de montanha no morro do Anhangava, originalmente publicado no antigo site  TrailRunning BRASIL . MORRO DO ANHANGAVA Localização O Morro do Anhangava e seus 1.420 metros de altitude, está localizado nas proximidades da localidade de Borda do Campo, distrito do município de Quatro Barras, região metropolitana de Curitiba, a aproximadamente 35 quilômetros da capital paranaense. O local é considerado um campo-escola de montanhismo, pois conta com trilhas para caminhada e corrida, bem como vias de escalada em rocha de todas as dificuldades. Chegando lá de carro: Deixe Curitiba pela BR-116 sentido São Paulo, seguindo até o trevo de Quatro Barras, cuja sede municipal pode ser visualizada à direita. Saindo desta rodovia, você chega ao centro da cidade. Siga as placas que indicam Borda do Campo e Morro do Anhangava à direita, onde você acaba tomando a PR 506. Em poucos quilômetros, pl