Pular para o conteúdo principal

Review - Deuter Hydro Lite 3.0

Todo corredor de montanha que busca correr algo maior que uma 10K tradicional deve se preocupar com sua hidratação. Mesmo sabendo que muitas provas oferecem postos de hidratação em espaços regulares, o corredor prevenido e preocupado com seu melhor desempenho e conforto pode e deve carrgar consigo um sistema de hidratação adequado.

Em provas mais longas, como maratonas em trilha, considero esse item fundamental. No caso da K42 Adventure Marathon de 2009, mesmo com a garantia dos organizadores de que haveria postos de hidratação a cada cinco quilômetros, preferi correr com minha mochilinha que continha 2 litros de água de côco (meu líquido preferido para longas distâncias, já que a cerveja não mantém uma boa temperatura). Dessa forma, pude ingerir a dose necessária de sais mineirais e carboidratos - complementados, é claro, com alimentação sólida.

Naquela ocasião - e em várias outras, como no Desafio Praias e Trilhas -, utilizei a mochila de hidratação Deuter Hydro Lite 3.0. Para 2010 ela veio redesenhada mantendo suas funções e características dos anos anteriores, mudando apenas poucos detalhes visuais.

Vamos então a uma breve análise da criança:

Quase nada mudou de 2009 para 2010 na Deuter Hydro Lite 3.0. A característica que mais me atrai nessa mochila é o revestimento interno aluminizado, que ajuda a manter baixa a temperatura do líquido que você carrega lá dentro. Isso faz toda a diferença em uma prova ou treino realizado sob forte sol. Por algumas horas você tem a garantia de que o líquido estará numa temperatura agradável para o consumo.

Outro destaque é o sistema Streamer que a Deuter aplica em seus reservatórios de hidratação. A fácil e ampla abertura para completar com líquido também facilita a manutenção. O material utilizado também evita a proliferação de fungos que podem aparecer, caso você esqueça de limpar o reservatório logo após o uso. Vale lembrar que esta mochila vem com um reservatório com capacidade para 3 litros. Dificilmente eu levo tudo isso de água, o que deixa espaço para jogar dentro da mochila um corta-vento, por exemplo.

Outras características que aprecio muito nessa mochila são o bolso externo (cabe um celular, dinheiro e alguma comida sólida), o clip para colocar um pisca-traseiro (necessário em treinos noturnos ou até mesmo em competições), as alças leves e ventiladas e o protetor para o bico da mangueira de hidratação evitando que ele colete sujeiras diversas.

Mas o que mais me agrada mesmo é o baixo peso (590 gramas) e o conforto nas costas. O ajuste é perfeito e o sitema AirStripes mantém as costas sempre secas, pois permite ótima circulação de ar nessa área.

Avalio positivamente a Deuter Hydro Lite 3.0 e recomendo de verdade para corredores interessados em adquirir uma mochila para toda vida. Vale lembrar também que a Deuter oferece uma versão reduzida deste produto, com as mesmas características mas com reservatório de dois litros.

Abraços e buenas!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Só o CUme Interessa - Piada Escrota

Bah, nem é piada. Acho que isso se chama cacofonia, que é quando alguma coisa dita de um jeito dá a entender que é outra coisa. Entendeu? Ah, eu também não, hehe. Enfim, não é o que importa. To escrevendo essa parada, porque li um post no blog que os colegas Bonga e Tonto montaram para divulgar sua expedição no Ama Dablam, uma das mais belas e cobiçadas montanhas do Himalaia. Este cume não é dos mais elevados nem dos mais tecnicamente exigente. Mas o Ama Dablam é lindo! Quem não gostaria de pisar em um cume assim? Lindo, majestoso, imenso... Confira abaixo: Pois é... com seus quase sete mil metros trata-se de uma cobiçada montanha, objeto de desejo de muitos. Porém, o que rola desde princípio dos anos noventa são os turistas de montanha. Nada contra eles, pelo contrário. Servem para impulsionar uma atividade ecologicamente correta, movimentar economia, transferir renda e trazer qualidade de vida para quem pratica e/ou depende dela. Porém, tudo em exagero tem um porém - to meio engraç

Guia de Trilhas - Morro do Anhangava (parte I)

INTRODUÇÃO Saudações. É com prazer que publico aqui um mini-guia para corrida de montanha no morro do Anhangava, originalmente publicado no antigo site  TrailRunning BRASIL . MORRO DO ANHANGAVA Localização O Morro do Anhangava e seus 1.420 metros de altitude, está localizado nas proximidades da localidade de Borda do Campo, distrito do município de Quatro Barras, região metropolitana de Curitiba, a aproximadamente 35 quilômetros da capital paranaense. O local é considerado um campo-escola de montanhismo, pois conta com trilhas para caminhada e corrida, bem como vias de escalada em rocha de todas as dificuldades. Chegando lá de carro: Deixe Curitiba pela BR-116 sentido São Paulo, seguindo até o trevo de Quatro Barras, cuja sede municipal pode ser visualizada à direita. Saindo desta rodovia, você chega ao centro da cidade. Siga as placas que indicam Borda do Campo e Morro do Anhangava à direita, onde você acaba tomando a PR 506. Em poucos quilômetros, pl