Pular para o conteúdo principal

Breve Relato sobre George, a K42 Bombinhas e o Aquecimento Global

Já no local da largada eu me assutei: "Cacete, como está alto esse mar", comentei com quem já estava alinhando para o início da prova. Em 2009, a praia central de Bombinhas estava com o mar baixo e uma boa faixa de areia para correr. Neste ano, não passei mais que 100 metros de competição para molhar os pés na água que insistia em beijar os pontos mais "altos" da praia. A multidão era a mesma, pouco mais de 100 inscritos na maratona, outros no revezamento e mais alguns na prova de 12K, todos largando juntos.


A areia estava pesada devido às chuvas dos dias anteriores e ao mar que insistia em ficar mais alto que o normal. Passados os primeiros quilômetros, nas praias de Bombinhas e Bombas, tudo foi se ajeitando e se configurando para ser uma prova bem mais difícil que no ano anterior. Ainda estava com um grande sorriso, conversando com os atletas (um deles havia me reconhecido da matéria da Contra Relógio) e curtindo aquela planura toda dos seis quilômetros iniciais.



Uma certa chuva tímida se fazia presente, até o início da subida do Morro da Antena. O "Vietnã" começava ali. Nos primeiros metros morro acima veio uma chuva torrencial, que arrastava ladeira abaixo tudo que estava pela frente. Estava difícil até mesmo para enxergar o rumo. Isso durou pouco, mas durante toda a prova o clima nos ofereceu um misto de chuva, chuvisco, sol tímido e vento frio.

O trecho de trilha que leva às praias ocultas de Bombinhas estava bem úmido e perigoso, muito mais escorregadio do que eu havia experimentado em 2009. Após sobreviver sem danos a esse trecho, vieram os trajetos mais planos, já nas praias. Como curiosidade, o rio em que o Giliard Pinheiro, campeão em 2009 e 2010 aparece em um vídeo saltando no ano anterior, neste ano estava com mais de 10 metros de largura e água pela altura das coxas. Marzão alto mesmo.

Passei os 21K na praia de Canto Grande com aproximadamente 2h50min. Estava mais cansado que no ano anterior e quase 15 minutos "atrasado". Ali permaneci por cinco minutos, batendo papo e me recompondo.

Na trilha que nos conduzia à Praia da Tainha, o visual era belíssimo, como fora no ano anterior. Já na Tainha, vem o desespero: a subida do Morro dos Macacos é, na minha opinião, um ponto chave da prova. Neste trecho senti todos os tipos de dores imágináveis: pernas, cabeça, pescoço, braços, mente... Um posto de água e minhas batatas fritas me ajudaram na recomposição quase no cume do morro, bem como uma pílula salvadora compartilhada pela Patrícia, maratonista experiente com quem conversei durante parte da prova.

Morro abaixo, minha "luz" foi voltando, e ao chegar nas praias de Conceição e de Mariscal eu já estava "novo". E aí a constatação. Mar alto de verdade, obrigando a organização a desviar o trajeto original da prova - sempre pela areia da praia. Corremos, portanto, por quase um quilômetro pelas ruas até poder voltar à beira-mar. Aquecimento global? Hmmm. A ver.

Hora de colocar em prática a tática Desafio Praias e Trilhas 2009: correr descalço, quase na linha do mar. Muuuuito melhor, sem o peso dos tênis e meias encharcados. A musculatura sentiu-se aliviada. Foi, com certeza, o meu melhor momento psicológico da prova, talvez por ter uma expectativa de que este seria o trecho mais chato e monótono. Correr descalço, mesmo na praia, exige atenção onde você pisa e o tempo parece que passa muito rapidamente.

Logo veio a subida em asfalto que me levaria ao outro lado da morraria, chegando à Quatro Ilhas. Praia de areia bem fofa, mesmo assim eu conseguia correr sem problemas. A seguir, leve trecho em trilhas e em seguida rumo ao costão.



Com o mar alto, este trecho estava diferente do ano anterior, muito menos seguro. De toda forma, passei tranquilo, sem pressa. A subida que eu esperava ser mais difícil, aquela que me levaria ao Retiro dos Padres também não teve o mesmo drama do ano anterior.

Algumas cãimbras me fizeram lembrar que já estava fazendo força há mais de cinco horas mas não me impediram de continuar correndo.

Esse ano quase não caminhei nos trechos planos - o cansaço parecia menor que no ano passado. O ritmo havia sido mais lento devido às más condições do percurso, mas sentia-me mais forte e mais treinado.

Enfim, a passarela final, em madeira, lembrança de bons momentos de visitas anteriores à esta terra abençoada. Quase chegando ao pórtico final, amigos me dando força e um último sprint, pra sair bem na foto.



Cheguei tão inteiro como se tivesse participado de uma simples 10K. Esse mundo das provas longas é realmente fascinante e se vai do céu ao inferno e se volta ao céu em instantes.

E ainda rolou um tempo para curtir, junto ao mar, aproveitando a disposição que sobrava.


A lamentar apenas uma coisa: essa prova só é realizada uma vez por ano...

Beijos e abraços!

*Fotos: Raquel Hoefel e Yara Achôa

Comentários

  1. Grande Prova... Grande Onda... Grande Dia... Grande George!
    Abraços
    AP

    ResponderExcluir
  2. Essa está na lista.
    Parabens pelo relato e pela prova.

    ResponderExcluir
  3. Belo relato George!!

    Abraços!
    Rodrigo Stulzer
    transpirando.com

    ResponderExcluir
  4. O quê? George Volpão correndo descalço? Kkkk. O "Born to Run" está mudando mesmo sua vida! Bem vindo ao time!

    ResponderExcluir
  5. parabéns pela prova! e sua narração, cheia de vida por conta dos detalhes preciosos, é inspiradora! ainda bem que essa prova só acontece uma vez por ano, ou eu já teria corrido pra me inscrever, motivada pela sua narrativa! rsrsrs

    ResponderExcluir
  6. Opa!

    Legal George. Excelente relato!

    Também estive em Bombinhas. Fiz o revezamento (primeiro trecho) como "presente" de aniversário, exatamente no dia 22.

    A prova é cascuda mesmo, mas o visual é magnifico e ao final a sensação de dever cumprido é impagável.

    Fiquei levemente decepcionado com a organização. Esperava mais de um evento que se diz internacional. E não falo de "mimos" não. Falo de coisas básicas como sinalização, hidratação e a cerimônia de premiação. Tem muita coisa pra melhorar.

    Parabéns pela prova e pelo conteúdo do blog. Vou acessar com frequência.

    Nos vemos por aí.

    Boas corridas.

    Abraço.

    Julio

    ResponderExcluir
  7. Como esperado: Excelente Relato!!
    Abraços
    Marcos

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.