Pular para o conteúdo principal

A sensação de ser um ex-corredor é a melhor de todas

Este texto aqui é um apanhado do que publiquei hoje em meu Facebook, dialogando e conversando com bons amigos. Adaptei as falas para que eu me tornasse um pouco mais explícito, numa linguagem ideal para um blog e não para o Boteco Facebook.

A leveza de uma pessoa sem cobranças é sensação das melhores. Essas merdas de rótulos "sou corredor", sou maratonista", "sou ciclista", "sou triatleta", "sou montanhista" só servem para quem precisa se adequar a um grupo, gueto, estilo ou algo assim. Faça o que tu queres pois é tudo da lei e viva a sociedade alternativa. O mundo é muito maior do que fazer corridinhas, marcar tempo, publicar fotos de medalhas, mostrar que esteve na torre eiffel. Mais que adeus às corridas como tenho visto sendo expostas nos dias de hoje, digo adeus aos pulhas, hipócritas e bananas.

E vou além: a sensação assim tão libertadora é aquela de ter cumprido meus objetivos, de ter corrido, literalmente, atrás daquilo que eu queria. Agora é hora de partir pra outra. Tirar a cabeça do buraco =)

Antes que se tirem conclusões precipitadas, informo que quando digo "ex-corredor", quero dizer que se trata do fato do meu estado do espírito não ser mais este. Nós, seres humanos, nascemos para atividade física. Correr é algo natural, nascemos para correr, literalmente, como diz aquele livro. Então para quê os rótulos, para que se dizer corredor? Sou corredor porra nenhuma, sou um ser humano normal, comum. Um exemplar da espécie humana deve nada, remar, pedalar, escalar, correr, andar, trilhar... Ah, e fazer sexo, tomar cerveja, rir muito, ler bons livros e ver futebol na teve de vez em quando, entre muitas outras coisas.

Sou um cara que também corre, só quando quer, porque acha que apenas correr atrás de tempos e quilômetros andava impedindo de fazer outras coisas que gosto muito...

Aí é que tá. A idéia é aproveitar TUDO que o mundo oferece, e não apenas as corridas nas trilhas que eu gosto (também).

Agora é hora de cair na estrada e voltar na semana seguinte com boas imagens e compartilhando boas experiências que somente um espírito livre pode tirar proveito, sem medinho de fazer um rafting porque posso me machucar e me atrapalhar a tal “corrida”...

Bom carnaval a todos!

Comentários

  1. buenas volpao,de todas as vezes que nos encontramos te achei um cara sensato e que busca na simplicidade o seu ponto de equilibrio.Ninguem nasceu para ser preso,ser obrigado a ser aquilo ou aquele outro,se voce esta se sentido bem e feliz,cara segue enfrente,acho que para nós amadores buscamos apenas quebrar nossos proprios record,nada alem disso. Se esta parando é pq tens bons motivos,cara te desejo muita felicidade.abraçços

    ResponderExcluir
  2. Ser honesto, infelizmente, esta fora de moda. Parabéns pela honestidade : consigo e com os outros.
    Fico vendo uma galera correndo atrás de problemas e esquecendo de observar a paisagem ...
    Por falar em cerveja ... estou na República Dominicana (trabalhando) e a cerveja daqui é ótima !!!
    Ainda bem que não tenho nutricionista, kkk

    nos vemos na chegada !!!

    ResponderExcluir
  3. To contigo. Rotulos? Pra que?
    Corro por mim e pela minha saude fisica e mental.
    Assim como faco outras coisas por ai.
    Abx.

    ResponderExcluir
  4. Quando a corrida deixa de ser um prazer e passa a ser obrigação de baixar tempo, de ter que explicar a todos porque não está treinando, e quase pedindo consentimento para os outros para viver sua própria vida e fazer a coisas, inclusive seu trabalho, que muitas vezes torna os treinos impossíveis de serem feitos em determinados períodos... aí realmente é que vejo ser difícil voltar ao grupos de corrida. Hoje corro quando posso, quando dá. Gostaria de correr mais, mas neste momento não dá. Acabei de finalizar a meia de Paris. O tempo foi uma droga, mas, quem se importa? Quem quiser ver vai lá no meu blog http://meiadeparis2011.blogspot.com 
    abraços Volpão, et bon courrage.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Só o CUme Interessa - Piada Escrota

Bah, nem é piada. Acho que isso se chama cacofonia, que é quando alguma coisa dita de um jeito dá a entender que é outra coisa. Entendeu? Ah, eu também não, hehe. Enfim, não é o que importa. To escrevendo essa parada, porque li um post no blog que os colegas Bonga e Tonto montaram para divulgar sua expedição no Ama Dablam, uma das mais belas e cobiçadas montanhas do Himalaia. Este cume não é dos mais elevados nem dos mais tecnicamente exigente. Mas o Ama Dablam é lindo! Quem não gostaria de pisar em um cume assim? Lindo, majestoso, imenso... Confira abaixo: Pois é... com seus quase sete mil metros trata-se de uma cobiçada montanha, objeto de desejo de muitos. Porém, o que rola desde princípio dos anos noventa são os turistas de montanha. Nada contra eles, pelo contrário. Servem para impulsionar uma atividade ecologicamente correta, movimentar economia, transferir renda e trazer qualidade de vida para quem pratica e/ou depende dela. Porém, tudo em exagero tem um porém - to meio engraç

Guia de Trilhas - Morro do Anhangava (parte I)

INTRODUÇÃO Saudações. É com prazer que publico aqui um mini-guia para corrida de montanha no morro do Anhangava, originalmente publicado no antigo site  TrailRunning BRASIL . MORRO DO ANHANGAVA Localização O Morro do Anhangava e seus 1.420 metros de altitude, está localizado nas proximidades da localidade de Borda do Campo, distrito do município de Quatro Barras, região metropolitana de Curitiba, a aproximadamente 35 quilômetros da capital paranaense. O local é considerado um campo-escola de montanhismo, pois conta com trilhas para caminhada e corrida, bem como vias de escalada em rocha de todas as dificuldades. Chegando lá de carro: Deixe Curitiba pela BR-116 sentido São Paulo, seguindo até o trevo de Quatro Barras, cuja sede municipal pode ser visualizada à direita. Saindo desta rodovia, você chega ao centro da cidade. Siga as placas que indicam Borda do Campo e Morro do Anhangava à direita, onde você acaba tomando a PR 506. Em poucos quilômetros, pl