Pular para o conteúdo principal

A sensação de ser um ex-corredor é a melhor de todas

Este texto aqui é um apanhado do que publiquei hoje em meu Facebook, dialogando e conversando com bons amigos. Adaptei as falas para que eu me tornasse um pouco mais explícito, numa linguagem ideal para um blog e não para o Boteco Facebook.

A leveza de uma pessoa sem cobranças é sensação das melhores. Essas merdas de rótulos "sou corredor", sou maratonista", "sou ciclista", "sou triatleta", "sou montanhista" só servem para quem precisa se adequar a um grupo, gueto, estilo ou algo assim. Faça o que tu queres pois é tudo da lei e viva a sociedade alternativa. O mundo é muito maior do que fazer corridinhas, marcar tempo, publicar fotos de medalhas, mostrar que esteve na torre eiffel. Mais que adeus às corridas como tenho visto sendo expostas nos dias de hoje, digo adeus aos pulhas, hipócritas e bananas.

E vou além: a sensação assim tão libertadora é aquela de ter cumprido meus objetivos, de ter corrido, literalmente, atrás daquilo que eu queria. Agora é hora de partir pra outra. Tirar a cabeça do buraco =)

Antes que se tirem conclusões precipitadas, informo que quando digo "ex-corredor", quero dizer que se trata do fato do meu estado do espírito não ser mais este. Nós, seres humanos, nascemos para atividade física. Correr é algo natural, nascemos para correr, literalmente, como diz aquele livro. Então para quê os rótulos, para que se dizer corredor? Sou corredor porra nenhuma, sou um ser humano normal, comum. Um exemplar da espécie humana deve nada, remar, pedalar, escalar, correr, andar, trilhar... Ah, e fazer sexo, tomar cerveja, rir muito, ler bons livros e ver futebol na teve de vez em quando, entre muitas outras coisas.

Sou um cara que também corre, só quando quer, porque acha que apenas correr atrás de tempos e quilômetros andava impedindo de fazer outras coisas que gosto muito...

Aí é que tá. A idéia é aproveitar TUDO que o mundo oferece, e não apenas as corridas nas trilhas que eu gosto (também).

Agora é hora de cair na estrada e voltar na semana seguinte com boas imagens e compartilhando boas experiências que somente um espírito livre pode tirar proveito, sem medinho de fazer um rafting porque posso me machucar e me atrapalhar a tal “corrida”...

Bom carnaval a todos!

Comentários

  1. buenas volpao,de todas as vezes que nos encontramos te achei um cara sensato e que busca na simplicidade o seu ponto de equilibrio.Ninguem nasceu para ser preso,ser obrigado a ser aquilo ou aquele outro,se voce esta se sentido bem e feliz,cara segue enfrente,acho que para nós amadores buscamos apenas quebrar nossos proprios record,nada alem disso. Se esta parando é pq tens bons motivos,cara te desejo muita felicidade.abraçços

    ResponderExcluir
  2. Ser honesto, infelizmente, esta fora de moda. Parabéns pela honestidade : consigo e com os outros.
    Fico vendo uma galera correndo atrás de problemas e esquecendo de observar a paisagem ...
    Por falar em cerveja ... estou na República Dominicana (trabalhando) e a cerveja daqui é ótima !!!
    Ainda bem que não tenho nutricionista, kkk

    nos vemos na chegada !!!

    ResponderExcluir
  3. To contigo. Rotulos? Pra que?
    Corro por mim e pela minha saude fisica e mental.
    Assim como faco outras coisas por ai.
    Abx.

    ResponderExcluir
  4. Quando a corrida deixa de ser um prazer e passa a ser obrigação de baixar tempo, de ter que explicar a todos porque não está treinando, e quase pedindo consentimento para os outros para viver sua própria vida e fazer a coisas, inclusive seu trabalho, que muitas vezes torna os treinos impossíveis de serem feitos em determinados períodos... aí realmente é que vejo ser difícil voltar ao grupos de corrida. Hoje corro quando posso, quando dá. Gostaria de correr mais, mas neste momento não dá. Acabei de finalizar a meia de Paris. O tempo foi uma droga, mas, quem se importa? Quem quiser ver vai lá no meu blog http://meiadeparis2011.blogspot.com 
    abraços Volpão, et bon courrage.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.