Pular para o conteúdo principal

Circuito Paranaense de Corridas em Montanha 1ª Etapa 2011 (Rodada Dupla)

Eita final de semana dos bons!

No sábado, dia 26 de março, corri a 3ª Etapa do Circuito Amigos da Natureza, que foi realizada em Quatro Barras, pertinho de casa. prova com inscrição de preço acessível, apenas 30 reais. Menos de 200 atletas partyicipando, talvez porque no dia seguinte haveria a Corrida do Carteiro, que tem tradição em boa organização e premiação. Corri pra me divertir, afinal tinha analisado o mapa com o percurso da prova e me animado a correr nas estradinhas de chão que constavam do dito mapa.

Não me arrependi, apesar de ter feito um tempo fraco para os meus padrões: 53’02”. Não havia muita subida, estava quente pero no mucho e o que valeu mesmo foi correr uma prova simples, sem frescura e sem oba-oba das Track&Field e Adidas que proliferam por aqui. Paisagem das mais bonitas, com a Serra do Mar sempre aparecendo ao fundo. No fim das contas: divertido. Ainda rolou um terceiro lugar na categoria 30-34 anos. Claro que a gente gosta dessas coisas, mas o nível dos atletas era mesmo fraquíssimo. Não importa, foi divertido.

Chegada da corrida em Quatro Barras.

Já no domingo, 27 de março, o bicho pegou. 1ª Etapa do Circuito Paranaense de Corridas em Montanha, na cidade de Colombo, região metropolitana de Curitiba. Fácil acesso, bastou pegar um bus bem cedinho e descer quase em frente à largada-chegada, no Bosque da Uva, sede do município.

Olha o dedinho estragando a foto do resto da galera =)


Largada prevista para as nove da manha, tinha bastante gente, comparado com estas provas que eu fazia em 2007 e 2008. No total, 84 atletas completaram a prova, onde fiquei em 28° geral, 24° masculino e 5° entre os 10 que largaram na minha categoria. Nada além do esperado.

Circuito duro, muito enlameado, com duas subidas fortes, uma na lama e outra em estrada muito íngreme e rochosa, aquela que dá acesso ao Morro da Cruz, com seus quase 1200 metros de altitude. As descidas, consequentemente, muito duras também. O sol pegou forte e não teve refresco.

Cabelos ao vento!



No fundo do pelote...500 metros após a largada.



No topo do Morro da Cruz.




Saca só a menina de olho no meu background. Foto artística =)


Fechei com pouco mais de 1h18’ os 12 Km, muitos deles caminhando morro acima, se segurando no mato e enfiando a cara na lama.

Ta aí algo que gosto muito: correr na natureza, com lama, com sol, com chuva, o que for. Torço muito para o crescimento do esporte e que os organizadores não aliviem nas dificuldades apenas para ganhar “clientes”. Isso é algo que o Kléber da Naventura jamais fez, sempre nos brindando com verdadeiras provas de corrida em montanha, onde vale o “quanto pio, mió”.


Quem se habilita a lavar o calçado?






Confesso que estava meio de saco cheio só de correr, correr e correr. No próximo fds pretendo subir montanha com minha mochila pesadona...acampar, comer e tomar um vinho. Mas, com minha participação nesta prova, rolou uma motivação a mais pra encarar umas pirambeiras correndo novamente, buscando se divertir sempre, pois esta é a minha maior motivação. E como me diverti nesta prova...

Beijos e abraços.

Comentários

  1. oi, george!!!

    parabéns!
    diversão em dose dupla!
    pódio é tão legal!
    quando dá pódio, não quero nem saber se tinha só eu - agarro meu troféu e ninguém toma rssssssss

    no sábado, participei aqui no interior de são paulo da 1ª etapa da copa paulista de corrida de montanha... e me apaixonei!!!!
    perdidamente apaixonada!
    foi minha primeira corrida em trilha, e nunca me diverti tanto correndo!
    difícil vai ser voltar a achar graça das corridas em asfalto rssss

    seu tênis ficou uma beleza: barro puro kkkkkkkk esse vai dar trabalho pra lavar rsssss

    bjs

    ResponderExcluir
  2. Olaaaaa....
    foi barra pesada mesmo.....
    me disseram que seria pedreira...
    antes tivesse sido...rsrsrs
    Mas foi muito bom...amoooooo

    ResponderExcluir
  3. E aí, Leão da Montanha!
    Passando por aqui para te mandar um abraço.
    Bem legal seu tênis, nota dez!
    Tô segurando um pouco com as pirambeiras, pois sempre rola um efeito colateral no meu corpinho de BALEIAS.
    Abração!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.