Pular para o conteúdo principal

10 Informações Interessantes para Pedalar até São Luiz do Purunã

Salve!

Segue abaixo algumas informações que podem ajudar caso alguém queira se bandear pros lados de São Luiz do Purunã pedalando, relato que rolou no post anterior.

1-) Cuidado com a saída de Curitiba. Na maior parte dos casos ela é feita pela BR-277 sentido interior, iniciando pelo Parque Barigui. A região apresenta um grande fluxo de carros e muitas saídas e entradas da rodovia. Estes são os trechos críticos, onde se deve ter muita atenção com os motoristas que passam zunindo a poucos metros do ciclista. Sim, existe acostamento, mas mesmo assim vale ficar bem no cantinho... Não tenho informações sobre relatos de assaltos na região. Com alforges a coisa complica um pouco mais para o pretenso ladrão, já que a bike estará consideravelmente mais pesada e desequilibrada. No entanto, vale ficar sempre ligado e evitar pedalar sozinho, principalmente as moças.

2-) Não ande lado a lado com outro ciclista. Um dos maiores prazeres de sair por aí de bike é conversar, trocar idéias. Mas nas rodovias muito movimentadas isto é um perigo. O acostamento, em geral é estreito, o deslocamento de ar proveniente da passagem de carretas pode lhe derrubar caso esteja distraído e fica mais difícil desviar de algum obstáculo que porventura apareça. Deixe a prosa para quando o pedal chegar na estrada de terra.

3-) Comer é na Jusita. Marque consigo este lugar. Polenta com queijo e linguiça por apenas 12 reais. Prato na medida para não empanturrar e para te dar uma energia extra antes de subir a Serra de São Luiz. Grande variedade de produtos coloniais, vinhos, doces, geléias... uma tentação! Veja isto:



4-) A Subida da Serra de São Luiz. O desnível não é assim tão grande. Uns 300 metros no máximo. A subida é constante e ten uns 5 km. Em boa parte dela há acostamento e apenas nos trechos mais íngremes que surge a terceira faixa, onde competimos pelo espaço com as carretas mais lentas. Fique no cantinho, relaxe e aprecie o fumaceiro dos escapamentos. Dura pouco.

5-) No vilarejo de São Luiz do Purunã tem um mercadinho na rua principal que dá conta do recado para emergências gastronômicas.  Bom apetite.

6-) Pedalar nas estradas de terra da região é uma beleza. Independente de onde você vá por lá, qualquer que seja seu destino nos Campos Gerais, a tônica é: paisagens belíssimas, estradas de terra com muito sobe e desce, sol forte (em dias claros, óbvio) e muita diversão.

7-) Pernoitamos no Rancho Ventania. Entre em contato via e-mail com o Ralf e visite seu site. Conversamos com ele e tivemos um convidativo gramado para armar a barraca, com direito a chuveiro quente, banheiro e outras mordomias para quem é acostumado a acampar nas montanhas, cagar no mato e se limpar com lenços umedecidos. Pela noite, o Rancho serve uma pizza de lamber os beiços. Vale muito a pena. Coisa fina!

8-) Use equipamentos de qualidade. Use alforges de qualidade. Meu Deuter Rack Pack é insuperável! Vale cada real, pois você sente-se seguro e confiante no equipamento. Material leve, durável, prático, funcional e bonito. Você compra e gasta sua grana apenas uma vez. Com a barraca, também estou plenamente satisfeito. A Azteq Minipack é a barraca do cicloturista. Levíssima - 1.750 gramas - e abriga duas pessoas sem neuras.

9-) Mantenha sua bike sempre bem revisada. Eu e a Ana Barbara pagamos o preço da imprudência. Nossas bikes já estavam precisando de uma revisão e apresentaram pequenos problemas no câmbio dianteiro. Coisa simples de resolver, mas que poderia ter sido evitado se mantivéssemos a bike sempre tinindo.

10-) Google, google e google. Pesquise, pesquise muito. Você vai achar de tudo na net. Lugares para visitar, comer, acampar, dormir, pedalar, aprender, enfim. Absorva o maior número possível de informações, o que traz muito mais segurança em sua investida na região.

Grande abraço!




Comentários

  1. dicas preciosas, George!
    essa do Google, então, é tudo! porque às vezes a gente fica se amarrando (eu rss) dizendo "ah, mas eu não sei pra onde ir", "se é seguro", "onde acampar".... dá pra fazer o roteiro com a maior tranquilidade, só pesquisando:)

    e pra quem mora por aí, caramba! cê deu tudo mastigadinho!
    assim tá bom:)

    beijão!

    ResponderExcluir
  2. Valeu Elis! A idéia é bem essa: gerar conteúdo que possa inspirar =)

    Beijão!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Só o CUme Interessa - Piada Escrota

Bah, nem é piada. Acho que isso se chama cacofonia, que é quando alguma coisa dita de um jeito dá a entender que é outra coisa. Entendeu? Ah, eu também não, hehe. Enfim, não é o que importa. To escrevendo essa parada, porque li um post no blog que os colegas Bonga e Tonto montaram para divulgar sua expedição no Ama Dablam, uma das mais belas e cobiçadas montanhas do Himalaia. Este cume não é dos mais elevados nem dos mais tecnicamente exigente. Mas o Ama Dablam é lindo! Quem não gostaria de pisar em um cume assim? Lindo, majestoso, imenso... Confira abaixo: Pois é... com seus quase sete mil metros trata-se de uma cobiçada montanha, objeto de desejo de muitos. Porém, o que rola desde princípio dos anos noventa são os turistas de montanha. Nada contra eles, pelo contrário. Servem para impulsionar uma atividade ecologicamente correta, movimentar economia, transferir renda e trazer qualidade de vida para quem pratica e/ou depende dela. Porém, tudo em exagero tem um porém - to meio engraç

Guia de Trilhas - Morro do Anhangava (parte I)

INTRODUÇÃO Saudações. É com prazer que publico aqui um mini-guia para corrida de montanha no morro do Anhangava, originalmente publicado no antigo site  TrailRunning BRASIL . MORRO DO ANHANGAVA Localização O Morro do Anhangava e seus 1.420 metros de altitude, está localizado nas proximidades da localidade de Borda do Campo, distrito do município de Quatro Barras, região metropolitana de Curitiba, a aproximadamente 35 quilômetros da capital paranaense. O local é considerado um campo-escola de montanhismo, pois conta com trilhas para caminhada e corrida, bem como vias de escalada em rocha de todas as dificuldades. Chegando lá de carro: Deixe Curitiba pela BR-116 sentido São Paulo, seguindo até o trevo de Quatro Barras, cuja sede municipal pode ser visualizada à direita. Saindo desta rodovia, você chega ao centro da cidade. Siga as placas que indicam Borda do Campo e Morro do Anhangava à direita, onde você acaba tomando a PR 506. Em poucos quilômetros, pl