Pular para o conteúdo principal

Cálculo Renal, A Novela Continua

Hola!

Em 2009 eu sofri com cálculos renais no rim direito. Fiz uma ureterolitotripsia, procedimento cirúrgico onde enfiam uma micro-câmera, uma micro-britadeira e um micro-basket no seu pinto - via uretra, claro - para retirar a porra da pedra. Tudo sob efeito de anestesia, obviamente.

Em 2010 surgiram mais pedras, desta vez no rim esquerdo. Fiz um tratamento diferente, chamado LECO (Litotripsia Extra-Corpórea), que consiste em um bombardeamento com raios-x - não é laser. Fragmentou e acho que sumiu.

No ano seguinte voltei a sofrer com cólicas absurdas, a ponto de ir parar por duas vezes na emergência hospitalar e ter as crises amenizadas somente com alguma morfina. Realizei exames de ultrassom e raio-x e estava lá a pedra, escondidinha no meu rim.

Como parou de incomodar, não segui nenhum tratamento. E neste domingo, parece que tudo acabou, tomara.

No sábado, expeli em um primeiro momento três pedrinhas, em torno de 2mm cada uma. Mais tarde saiu outra. No domingo pela manhã, a saideira, todas com o mesmo tamanho, aproximadamente.

No início da noite de domingo, um "asteroide" atravessou o pinto e meu organismo o expeliu, após dores lancinantes durante todas as mijadas do dia.

A cena foi realmente grotesca, com a tal pedra enroscada na saída da uretra e eu tentando de todas as formas fazer com que a belezura finalmente fosse expulsa. Estava me borrando de medo de ter que partir ao hospital levar uma espetada no playground para que a rocha fosse retirada mediante anestesia. Sabe-se lá como, consegui extrair o caroço.

Para se ter ideia, quando fiz a cirurgia de retirada em 2009 o cálculo tinha 8mm de comprimento. Este, que saiu sozinho, é consideravelmente maior, tem no mínimo 1 cm.

Confira a foto abaixo, que se utiliza de uma moeda e uma régua para se ter noção do tamanho.

Que venha a semana, de preferência sem outras "duras" surpresas...

Abraços.

Comentários

  1. Ai, cara! Doeu só de ler... Que monte de pedra é esse?
    Enquanto eu lia seu relato encolhia as pernas e fazia aquela cara de "Puta que o pariu!!"
    Não há como saber a origem dessa formação de pedras pelo seu organismo?
    Espero que você resolva o problema.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Adoro essas pedras. Quando lembro delas durante os treinos e provas longas, observo que qualquer dor é incomparável àquela que sentimos nas cólicas renais. E aí só seguir adiante.

    Bem, estudos dizem que alguma spessoas tem pré-dispsição, é o meu caso, visto que já tive cálculos extraídos em 2009.

    Proteína animal e sal demais. Eis a fórmula. E agora, desde segunda-feira, mais um vegano no mundo, visto que não consigo equilibrar o consumo da proteína animal, acabo exagerando. Oito ou oitenta.

    VAleu meu nobre!

    ResponderExcluir
  3. Que isso Volpão! Vende a sua mina para a Vale! Deve dar um bom dinheiro..abcs e melhoras!

    ResponderExcluir
  4. Hehehehe. To pensando em vernder mesmo o corpinho para a ciência... Abração e valeu!

    ResponderExcluir
  5. Irmão, já ouviu falar de chá de quebra pedra? Acho interessante vc se informar a respeito e beber esse chá com alguma frequência. Quanto ao vegetarianismo, parabéns, sabendo "usar", sua qualidade de vida vai melhorar. Abraços, Jorge Bragança.

    ResponderExcluir
  6. Olá Jorge Bragança.

    Obrigado pela visita e pela recomendação. Tomei algumas vezes, em crises anteriores. Mas acho que oq ajudou muito foi a limonada diária. A composição do limão promove alterações químicas que permite a fragmentação das pedrinhas, segundo li... Agora é água, muita água =)

    Abraços!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Só o CUme Interessa - Piada Escrota

Bah, nem é piada. Acho que isso se chama cacofonia, que é quando alguma coisa dita de um jeito dá a entender que é outra coisa. Entendeu? Ah, eu também não, hehe. Enfim, não é o que importa. To escrevendo essa parada, porque li um post no blog que os colegas Bonga e Tonto montaram para divulgar sua expedição no Ama Dablam, uma das mais belas e cobiçadas montanhas do Himalaia. Este cume não é dos mais elevados nem dos mais tecnicamente exigente. Mas o Ama Dablam é lindo! Quem não gostaria de pisar em um cume assim? Lindo, majestoso, imenso... Confira abaixo: Pois é... com seus quase sete mil metros trata-se de uma cobiçada montanha, objeto de desejo de muitos. Porém, o que rola desde princípio dos anos noventa são os turistas de montanha. Nada contra eles, pelo contrário. Servem para impulsionar uma atividade ecologicamente correta, movimentar economia, transferir renda e trazer qualidade de vida para quem pratica e/ou depende dela. Porém, tudo em exagero tem um porém - to meio engraç

Guia de Trilhas - Morro do Anhangava (parte I)

INTRODUÇÃO Saudações. É com prazer que publico aqui um mini-guia para corrida de montanha no morro do Anhangava, originalmente publicado no antigo site  TrailRunning BRASIL . MORRO DO ANHANGAVA Localização O Morro do Anhangava e seus 1.420 metros de altitude, está localizado nas proximidades da localidade de Borda do Campo, distrito do município de Quatro Barras, região metropolitana de Curitiba, a aproximadamente 35 quilômetros da capital paranaense. O local é considerado um campo-escola de montanhismo, pois conta com trilhas para caminhada e corrida, bem como vias de escalada em rocha de todas as dificuldades. Chegando lá de carro: Deixe Curitiba pela BR-116 sentido São Paulo, seguindo até o trevo de Quatro Barras, cuja sede municipal pode ser visualizada à direita. Saindo desta rodovia, você chega ao centro da cidade. Siga as placas que indicam Borda do Campo e Morro do Anhangava à direita, onde você acaba tomando a PR 506. Em poucos quilômetros, pl