Pular para o conteúdo principal

Férias muito loucas - K42 Bombinhas Adventure Marathon - relato

E então é isso: primeira e única maratona do ano, a K42 Bombinhas. Com ela, fecho 11 maratonas na minha curta vida de corredor, sendo que me diverti muito nesta, como sempre.

O dia prometia permanecer encoberto, como foi a tônica nos dias anteriores. Desta vez, como estava de férias, cheguei na quarta-feira anterior à prova. Nada mal, deu para descansar bem, considerando que havia pedalado desde Curitiba até Bombinhas em cinco dias, com uma prova de corrida de montanha no meio =D

Largamos às oito da manhã. A Ana Barbara estava inscrita no K12 Trail Run e largou junto. Eu parti para os 42 com objetivo íntimo pretensioso demais. Baixar meu tempo do ano anterior, que era de 5h07min. Sabia que estava sendo abusado, pois treinei menos da metade do volume do que no ano anterior. Mas... nada havia a perder. Se quebrasse, tudo bem.

Tudo correu de acordo até o km 25. Passei na metade da prova com 2h24min, ou seja bem abaixo do ano anterior, que foi 2h36min. Acabou sendo um pouco forte, deveria ser uns 2h30. Mas eu tava me sentindo super bem. Daí em diante a coisa começou a cair, na inversa proporção da beleza da prova. Acho o segundo trecho mais bonito, com trilhas mais cênicas e subidas duras. Abstraí com relação ao fator tempo de conclusão. Tava mesmo era curtindo. Encontrar a Ana Barbara na Praia de Quatro Ilhas deu um up no ânimo e no tesão de correr essa prova. Algumas pequenas alterações no trajeto deixaram a prova ainda mais gostosa. O tempo permaneceu cinzento e evitou que o sol castigasse os menos preparados.


Cruzei a chegada com 5h22min neste ano, meu segundo melhor tempo. Com um pequeno acréscimo de trechos técnicos, achei o resultado realmente surpreendente,a final não treinei quase nada de corrida nos meses anteriores e ainda tinha metido 300 km de pedal com 15 quilos de bagagem na semana anterior.


Enfim, certamente, foi minha melhor K42, aquela em que corri mais leve, sem pressão e sem fissura. Fui de bike, me diverti um monte, tive companhia de bons amigos como o Daniel Meyer, lá residente e do Tarciso que veio de BH com a família e curtiu demais a prova.

Aliás, encontrar os amigos espalhados pelo país é uma das maiores alegrias em provas como essas. Gente como a Elis, o Bonatto, a Daiane, o Pinguim, além dos já citados, bem como muitos outros que me faltam à memória.

Obrigado à todos, principalmente à organização da prova que, mais uma vez, proporcionou um evento sensacional, sem igual em nosso país!

Essa parada teve o apoio de Orientista Sports, Deuter e Lorpen.





Grande abraço!

Comentários

  1. ---------\\\\|/---------
    --------(@@)-------
    --ooO--(_)--Ooo--
    Muito bom o desafio meu amigo Pepe, foi difícil mas valeu a pena né...Parabéns!!!

    Bons treinos,

    Jorge Cerqueira
    www.jmaratona.com

    ResponderExcluir
  2. George,
    Quantas emoções!
    Foi muito bom correr com você e com a Elis nos primeiros quilômetros da prova.
    Depois nos encontramos várias vezes no percurso. Com as suas dicas essa prova ficou mais fácil. Obrigado!
    Um abraço!
    Gilmar
    www.fotocorridagilmar.blogspost.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq