Pular para o conteúdo principal

Perdidos Trail Run 2012 - Como Foi


Foi do cacete!

Certamente a melhor prova de corrida de montanha da região sul e a mais dura de todas nesta distância mais curta. Os 24 Km noturnos de Extrema são duros, mas estes 13 quilômetros percorridos nas montanhas paranaenses são realmente os mais casca-grossa que já encarei em provas.

O bacana é que tem de tudo, é um percurso completo: Estradas de terra, grande desnível altimétrico - mais de 800 metros positivos, trilhas técnicas, cruzo de rios, lama, pedras soltas, campos de altitude, enfim, prato completo para uma verdadeira corrida de montanha.

Para esta prova, realizada dia 12 de agosto, fui no dia anterior de bike, com a Ana Barbara. Encaramos 75 km de asfalto desde nossa casa até a Fazenda Morro dos Perdidos, local onde foi realizada a largada/chegada. Ali acampamos, na margem do Rio Itararé, com tranquilidade para encarar as trilhas no dia seguinte.

Amanheceu fazendo bastante frio, termômetro apontando sete graus. No entanto, bastou o sol dar as caras e uma temperatura perfeita se apresentou, culminando com sol forte durante todo o dia. Isso proporcionou belíssimas paisagens, como se pode ver nas fotos publicadas na página oficial da organização no facebook.

Corri com gosto, bem leve e solto, testando um novo produto a ser avaliado dentro de algumas semanas e cujo resultado será apresentado na Revista Sport Life. Após a pancadaria da subida, primeiramente por estrada de terra e em seguida em trilhas super técnicas, nos vimos no cume do Morro dos Perdidos. Com seus quase 1.500 metros de altitude, nos brinda com trilhas excelentes para correr. Descemos pelo outro lado, nos enfiamos em um vale com mata nebular e contornamos a montanha pela face oeste, por uma trilha deliciosa de correr, até sermos largados novamente na estrada de terra que nos levaria finalmente à chegada. Esta se deu, em meu caso, após pouco mais de 1h50min.

A organização foi perfeita, provando que não é necessário cobrar uma fortuna para fazer um evento bem feito e responsável. Que não precisa de camiseta e medalha de primeira categoria. Nós, corredores de montanha, gostamos mesmo é de estar nelas. Competir em alguns eventos é apenas uma boa desculpa para encontrar amigos e nos divertir fazendo o que mais gostamos. Uma prova organizada por corredores de montanha para corredores de montanha. Não é lugar para maricones! O lema da galera é que quanto pior, melhor.

Para quem se animar, em novembro a organização da prova promete mais doses fortes de montanha, com muito desnível e muita técnica para mais 13 quilômetros na serra do mar paranaense. Resultados aqui.

Beijos e abraços.










Comentários

  1. êta, que deu vontade!!!

    Parabéns pelo super desafio, George! Bom ver organizadores de prova cobrando pouco pra nos dar esse prazer tremendo de curtir essas aventuras!

    as fotos dão ideia do perrengue bom que foi esse desafio!

    ResponderExcluir
  2. Belo relato!!!
    Bem como disse: de corredoes de montanha para corredores de montanha!
    Esse é o lema!!!

    Grande abraço da Equipe TRC Brasil

    ResponderExcluir
  3. Visual maravilhoso! Parabéns pelo desafio.

    Fabi =)

    ResponderExcluir
  4. Sou também adepto de gastar pouco e me divertir muito!!!!!
    Provinha de soltar o cu da bunda, simbora pro Araçatuba :D.

    Mildão 69 foi pra acabá, hauahuauhauhauh

    ResponderExcluir
  5. Sensacional !!!
    Depois conta qual foi a do teste!!

    ResponderExcluir
  6. Hehe, Parabéns grande George Krupicka Volpão! :-)

    ResponderExcluir
  7. Seu Maricone! Hahaha... Cara escrevi meu relato sobre a Perdidos Trail somente hoje! Que vergonha!rsrsr... E somente após ter escrito o meu é que fui ler o teu. Impressionante como falamos coisas muito parecidas! Sintonia fina!
    Valeu George. Nos vemos nas montanhas.

    ResponderExcluir
  8. Valeu moçada! Quem não correu, deve experimentar a do Araçatuba. Vamos lá, cabrones, obrigado pelos comments! Abraços.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.