Pular para o conteúdo principal

Travessias

A palavra travessia é bem interessante. Atravessar. Cruzar. Transpor. Muitos são os significados, principalmente no âmbito pessoal de cada um de nós. Na natação, chamamos travessia aquela modalidade onde longas distâncias são cruzadas em mares, rios, lagos e afins. Na montanha dizemos de um trekking ou escalada que se inicia em um ponto e finaliza em outro, geralmente com duração maior que um dia.

Falando de montanha, já que na natação sou tão hábil quanto uma água-viva levada pela correnteza, tive a oportunidade de concluir algumas bem interessantes. Aqui no Paraná, tem a Tucum-Itapiroca, que começa na Fazenda da Bolinha, galga os cumes do Camapuan, Tucum, Cerro Verde e Itapiroca, finalizando na Fazenda Pico Paraná. Travessia belíssima e relativamente acessível. Por aqui existem outras mais. Já realizei em outros paragens belas travessias como a Marins-Itaguaré, Serra Fina, Serra do Caparaó e Tabuleiro-Lapinha, esta no ano anterior.

Em 2013, com meu abandono das competições de trail running e meu relativo afastamento desta cena, tenho duas travessias que quero muito conhecer. 

Monte Crista-Araçatuba é uma delas. Uma das mais belas pelo que dizem e uma das mais longas, com algo em torno de sessenta e tantos quilômetros e mais de 4.000 metros de desnível positivo acumulado percorridos entre as alturas de Santa Catarina e Paraná. Deve sair ainda antes do inverno.

A outra é a Trans-Mantiqueira, com cento e poucos quilômetros, tratada por alguns como uma das mais longas e duras. Igualmente com belísimos visuais. Na verdade, trata-se da união de três travessias já bem conhecidas dos montanhistas tupiniquins: Marins-Itaguaré, Serra Fina e Serra Negra. Unindo-se essas três, temos uma versão da Transmantiqueira (existem outras, a comentar em momento oportuno). Falarei mais das duas ao longo deste ano.

E já pensando nisso, amanhã é dia de me lançar num dos trechos da Travessia Monte Crista-Araçatuba. Eu e a Ana Barbara iniciaremos a caminhada aos pés do Araçatuba e tocaremos até onde as forças permitirem, reconhecendo terreno e acampando onde der, após umas boas horas de pernada e belos visuais daqueles campos.

Volto na segunda feira com as impressões. Abaixo, imagem de duas das montanhas que pretendemos passar: Moreia e Baleia, visto dos cafundós do Araçatuba.

Bom final de semana a todos!



Comentários

  1. eu tenho vontade de fazer uma travessia assim!
    preciso dar um jeito de realizar esse sonho!

    eu nunca acampei, George!
    quero viver essa experiência um dia!
    e eu passo aqui, e leio sobre você a Ana acampando, e fico com uma vontade!

    quando eu realizar esse sonho, pode ter certeza de que vai ser soprada pelo exemplo de vocês!
    assim como foi com as corridas em trilha!

    vida longa ao casal!
    longa, divertida, e plena!

    beijão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Brigadão Elis!

      Vai ter uma 42K beeeem nesse lugar, em julho. Que tal vir e acampar com a gente na base do morro? Aí é só acordar, comer algo e alinhar na largada!

      Beijooo

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Só o CUme Interessa - Piada Escrota

Bah, nem é piada. Acho que isso se chama cacofonia, que é quando alguma coisa dita de um jeito dá a entender que é outra coisa. Entendeu? Ah, eu também não, hehe. Enfim, não é o que importa. To escrevendo essa parada, porque li um post no blog que os colegas Bonga e Tonto montaram para divulgar sua expedição no Ama Dablam, uma das mais belas e cobiçadas montanhas do Himalaia. Este cume não é dos mais elevados nem dos mais tecnicamente exigente. Mas o Ama Dablam é lindo! Quem não gostaria de pisar em um cume assim? Lindo, majestoso, imenso... Confira abaixo: Pois é... com seus quase sete mil metros trata-se de uma cobiçada montanha, objeto de desejo de muitos. Porém, o que rola desde princípio dos anos noventa são os turistas de montanha. Nada contra eles, pelo contrário. Servem para impulsionar uma atividade ecologicamente correta, movimentar economia, transferir renda e trazer qualidade de vida para quem pratica e/ou depende dela. Porém, tudo em exagero tem um porém - to meio engraç

Guia de Trilhas - Morro do Anhangava (parte I)

INTRODUÇÃO Saudações. É com prazer que publico aqui um mini-guia para corrida de montanha no morro do Anhangava, originalmente publicado no antigo site  TrailRunning BRASIL . MORRO DO ANHANGAVA Localização O Morro do Anhangava e seus 1.420 metros de altitude, está localizado nas proximidades da localidade de Borda do Campo, distrito do município de Quatro Barras, região metropolitana de Curitiba, a aproximadamente 35 quilômetros da capital paranaense. O local é considerado um campo-escola de montanhismo, pois conta com trilhas para caminhada e corrida, bem como vias de escalada em rocha de todas as dificuldades. Chegando lá de carro: Deixe Curitiba pela BR-116 sentido São Paulo, seguindo até o trevo de Quatro Barras, cuja sede municipal pode ser visualizada à direita. Saindo desta rodovia, você chega ao centro da cidade. Siga as placas que indicam Borda do Campo e Morro do Anhangava à direita, onde você acaba tomando a PR 506. Em poucos quilômetros, pl