Pular para o conteúdo principal

Travessias

A palavra travessia é bem interessante. Atravessar. Cruzar. Transpor. Muitos são os significados, principalmente no âmbito pessoal de cada um de nós. Na natação, chamamos travessia aquela modalidade onde longas distâncias são cruzadas em mares, rios, lagos e afins. Na montanha dizemos de um trekking ou escalada que se inicia em um ponto e finaliza em outro, geralmente com duração maior que um dia.

Falando de montanha, já que na natação sou tão hábil quanto uma água-viva levada pela correnteza, tive a oportunidade de concluir algumas bem interessantes. Aqui no Paraná, tem a Tucum-Itapiroca, que começa na Fazenda da Bolinha, galga os cumes do Camapuan, Tucum, Cerro Verde e Itapiroca, finalizando na Fazenda Pico Paraná. Travessia belíssima e relativamente acessível. Por aqui existem outras mais. Já realizei em outros paragens belas travessias como a Marins-Itaguaré, Serra Fina, Serra do Caparaó e Tabuleiro-Lapinha, esta no ano anterior.

Em 2013, com meu abandono das competições de trail running e meu relativo afastamento desta cena, tenho duas travessias que quero muito conhecer. 

Monte Crista-Araçatuba é uma delas. Uma das mais belas pelo que dizem e uma das mais longas, com algo em torno de sessenta e tantos quilômetros e mais de 4.000 metros de desnível positivo acumulado percorridos entre as alturas de Santa Catarina e Paraná. Deve sair ainda antes do inverno.

A outra é a Trans-Mantiqueira, com cento e poucos quilômetros, tratada por alguns como uma das mais longas e duras. Igualmente com belísimos visuais. Na verdade, trata-se da união de três travessias já bem conhecidas dos montanhistas tupiniquins: Marins-Itaguaré, Serra Fina e Serra Negra. Unindo-se essas três, temos uma versão da Transmantiqueira (existem outras, a comentar em momento oportuno). Falarei mais das duas ao longo deste ano.

E já pensando nisso, amanhã é dia de me lançar num dos trechos da Travessia Monte Crista-Araçatuba. Eu e a Ana Barbara iniciaremos a caminhada aos pés do Araçatuba e tocaremos até onde as forças permitirem, reconhecendo terreno e acampando onde der, após umas boas horas de pernada e belos visuais daqueles campos.

Volto na segunda feira com as impressões. Abaixo, imagem de duas das montanhas que pretendemos passar: Moreia e Baleia, visto dos cafundós do Araçatuba.

Bom final de semana a todos!



Comentários

  1. eu tenho vontade de fazer uma travessia assim!
    preciso dar um jeito de realizar esse sonho!

    eu nunca acampei, George!
    quero viver essa experiência um dia!
    e eu passo aqui, e leio sobre você a Ana acampando, e fico com uma vontade!

    quando eu realizar esse sonho, pode ter certeza de que vai ser soprada pelo exemplo de vocês!
    assim como foi com as corridas em trilha!

    vida longa ao casal!
    longa, divertida, e plena!

    beijão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Brigadão Elis!

      Vai ter uma 42K beeeem nesse lugar, em julho. Que tal vir e acampar com a gente na base do morro? Aí é só acordar, comer algo e alinhar na largada!

      Beijooo

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.