Pular para o conteúdo principal

Verão nos Campos Gerais

O verão para nós curitibanos é algo muito precioso. É preciso aproveitar. Nos arredores da capital paranaense não dispomos de muitas opções para um refresco. Ok, o litoral está a duas horas de viagem, mas eu não acho isso muito perto não. Existem também algumas cachoeiras meia boca a aproximadamente uma hora e meia daqui.

Então, decidi encarar com a Ana Barbara uma visita aos Campos Gerais do Paraná, aproveitando uma excursão organizada por alguns colegas de um grupo de caminhadas do Facebook. Feliz demais em não ter mais que estar comprometido com performance questionáveis em competições e poder aproveitar um programa realmente divertido, barato e profundamente marcante na memória e na alma como este. Se fosse alguns meses atrás eu não poderia "perder" um longão de sábado ou, no mínimo, me sentiria muito culpado por eventual "furo".

O roteiro constava de Buraco do Padre, Cachoeira da Mariquinha e Salto São Jorge, atrações essas nas imediações da cidade de Ponta Grossa.

Partimos bem cedo em duas curitibanas vans rumo ao segundo planalto paranaense, deixando o cinza e o friozinho fora de época do verão pinheiral rumo ao ensolarado Campos Gerais. Ainda bem cedo havia nuvens, mas a primeira atração já nos brindava com sol tímido, o Buraco do Padre. Formação até comum na região estes buracos - furnas -  são causados pelo desabamento do solo provocado pela erosão do arenito, rocha predominante na região. No caso específico do Buraco do Padre, a natureza encarregou-se de preparar uma bela obra prima, conforme podemos ver nas fotos abaixo.

Eis algumas imagens.






Alguns minutos por lá, seguimos para a Cachoeira da Mariquinha, o que significam mais uns 20 quilômetros chacoalhando no veículo. Só depois viemos saber da possibilidade de ir do Buraco do Padre à Cachoeira da Mariquinha por uma trilha cruzando campos e plantações em apenas 5 km de caminhada. Fica para uma próxima!

Lá chegando, paga-se a entrada (trata-se de uma propriedade particular, cinco reais na época) e segue-se até próximo às margens do Rio Quebra-Perna. Ali tomamos uma agradabilíssima e sombreada trilha até a base da Cachoeira da Mariquinha, já com sol alto e água bem gelada. Rolou até uma sessão de fotos para futuras matérias do TrailRunnning BRASIL. Lugar fantástico, e até certo ponto tranquilo. Havia apenas mais dois grupos por lá. É permitido acampar na propriedade, mas não junto à cachoeira, o que mantém um pouco do sossego do local. Disparado, a melhor cachoeira da região, dentre as que conheço. Quer saber como chegar lá? Doutor Google informa com facilidade. 

Imagens do local e da bagunça que fizemos.








Tudo que é bom não dura tanto assim e seguimos para o Salto São Jorge. Era hora da boia e neste outro local havia estrutura para quem quisesse almoçar. Não era nosso caso, já que levamos conosco o farnel necessário. Seguimos o fluxo turístico, percebendo que havia mesmo muita gente se dirigindo para o afamado Salto São Jorge.

Neste local, achei um pouco chocante a farofada geral que rolava. Muitos motoqueiros extremamente mal educados e imprudentes, acelerando suas máquinas a poucos centímetros dos passantes. Muitos e muitos farofas bagunceiros e surdos, acredito, dado o volume dos equipamentos de som de milhares de reais instalados em carros caindo aos pedaços. Pelo menos essa zona toda estava restrita à região do estacionamento e do boteco local.

Nada disso influiu em nosso humor e partimos para as bandas do salto propriamente dito, onde era o ruído das águas que predominava. Interessante notar que havia pouco lixo espalhado, configurando a questão da poluição como apenas sonora.

Cenicamente a região é muito bonita e merece uma visita em algum dia menos movimento, como dias de semana ou fora de temporada. No local, assim como no Buraco do Padre, existem opções de vias de escalada. Não é minha praia mas certamente se tratam de ótimas opções para quem curte. Para quem, como eu, se liga nas corridas em trilha, todos os locais são ótimas opções e pretendemos retornar em breve para fazer a trilha que liga o Buraco do Padre e a Cachoeira da Mariquinha.

Abaixo algumas imagens do Salto São Jorge.

Abraços e até a próxima!




Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi! Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco. Engraçado isso né? Focar no foco.  Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo. No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia. Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àq

Nova Bike Kode Straat - Uma boa opção para montar uma Gravel Bike

Senhoras e senhores, tudo bem com vocês? Poxa, que bike da hora! Recebemos aqui na Jamur Bikes e já fiquei de olho grande. E adianto, já garanti a minha! Sim, a Kode Riff 70 vai retornar à proposta para a qual foi concebida (MTB 27.5 polegadas) no futuro (poca plata por ora) e vou apenas colocar o guidão drop e trocadores STI na nova Kode Straat. Vejam a imagem abaixo, retirada do site do fabricante, bem como sua geometria: Não parece ser muito apropriada para montar uma Gravel que é quase Gravel? Um top tube mais parecido com as speeds do que com as MTBs, um clearance menor na passagem das rodas, passagem dos cabos interna e outras características me levam a crer que esta bike pode andar muito confortavelmente entre estradões de cascalho (gravel roads) e asfalto, ou mesmo trilhas leves. Bora fazer essa alteração. Abaixo um vídeo mostrando a bike como ela vem de fábrica, original. E aqui a ficha técnica: - Quadro em alumínio 6061. - Garfo: Alumínio.