Pular para o conteúdo principal

George Volpson - EP

Oi!

Só não começo o texto com palavrão porque a sensação de liberdade é maior e mais importante que palavras pesadas!

Não cabe em mim a felicidade de realizar este sonho.

Quando comecei com os primeiros acordes em um Baixo Tonante (quem é músico sabe o que isso significa) quando eu tinha 11 anos de idade, lá nos anos 90, sempre sonhei com este dia.

Claro que o mundo mudou muito. O CD estava chegando ao Brasil, a palavra homestudio sequer existia e muito menos a internet como ela é hoje. Isso foi em 1988, quando aprendi a tocar minha primeira canção, Ainda É Cedo, da Legião Urbana.

Comecei a fazer um som com alguns amigos, mas sabia que meu talento precisava ser bem aprimorado com muito estudo e dedicação. Isso me faltou e muito. E abandonei tudo.

Em 2015, após todos estes anos apenas tocando violão em casa e para uns poucos amigos, resolvi pesquisar e descobri que "tava todo mundo" gravando disco em casa. Facilidades da vida moderna.

Comecei do zero na questão da produção musical, gravação e mixagem. Consegui investir o mínimo necessário para perseguir este sonho e realizá-lo hoje, 1 de julho de 2016.

Assim, está disponível para todo o planeta, aquilo que preparei com dedicação e carinho por meses.

George Volpson, um EP com quatro canções que retratam musicalmente aquilo que sou. Minhas sonoridades favoritas, minhas alterações de estado de espírito, meu coração inquieto.

 O EP já pode ser ouvido no Youtube, Soundcloud e Bandcamp, que são as principais plataformas gratuitas de áudio. Em breve estará disponível no Spotify, Deezer, Rdio e outros serviços de streaming, para você ouvir em seu smartphone.

Se você é mais das antigas como eu, pode baixar tudo aqui, para ouvir no PC, Pendrive, etc.

Falarei de cada uma das quatro canções em posts separados e em vídeos no meu canal do YouTube, inscreva-se lá!

Como não gosto de textos longos, vou parando por aqui.

Mas antes, gostaria de fazer um agradecimento especial a cada um que tornou esse sonho possível e que, de um jeito ou de outro, contribuiu, seja como for. Mas certamente faltaria espaço. Prometo, pessoal ou virtualmente agradecer cada um dos abaixo citados, em ordem alfabética. Ainda acho que esqueci alguém... irei corrigindo :)

Ana Barbara Vicentin, Aline Gonçalves, Alynne Almeida, Beto Guedes, Boni Costa, Chantal Zaine, Cleyton Vandré, Eduardo Kusdra, Gabi Vasconcelos, Gisela Santana, Juca Nascimento, Julyanne Salas, Kamyla Portes, Leonardo Freitas, Lucas Kania, Lucas Volpão, Michelle Medeiros, Nahayana Alessi, Natacha Navarro, Nathalie Sterblitch, Patrícia Fontana, Paulo Anhaia, Paulo Jamur, Rubia Bittencourt, Si Anunciação, Sil Picchur, Silvia Sprenger, Thaís Correa, Thamires Matos e Wallace Carvalho.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Só o CUme Interessa - Piada Escrota

Bah, nem é piada. Acho que isso se chama cacofonia, que é quando alguma coisa dita de um jeito dá a entender que é outra coisa. Entendeu? Ah, eu também não, hehe. Enfim, não é o que importa. To escrevendo essa parada, porque li um post no blog que os colegas Bonga e Tonto montaram para divulgar sua expedição no Ama Dablam, uma das mais belas e cobiçadas montanhas do Himalaia. Este cume não é dos mais elevados nem dos mais tecnicamente exigente. Mas o Ama Dablam é lindo! Quem não gostaria de pisar em um cume assim? Lindo, majestoso, imenso... Confira abaixo: Pois é... com seus quase sete mil metros trata-se de uma cobiçada montanha, objeto de desejo de muitos. Porém, o que rola desde princípio dos anos noventa são os turistas de montanha. Nada contra eles, pelo contrário. Servem para impulsionar uma atividade ecologicamente correta, movimentar economia, transferir renda e trazer qualidade de vida para quem pratica e/ou depende dela. Porém, tudo em exagero tem um porém - to meio engraç

Guia de Trilhas - Morro do Anhangava (parte I)

INTRODUÇÃO Saudações. É com prazer que publico aqui um mini-guia para corrida de montanha no morro do Anhangava, originalmente publicado no antigo site  TrailRunning BRASIL . MORRO DO ANHANGAVA Localização O Morro do Anhangava e seus 1.420 metros de altitude, está localizado nas proximidades da localidade de Borda do Campo, distrito do município de Quatro Barras, região metropolitana de Curitiba, a aproximadamente 35 quilômetros da capital paranaense. O local é considerado um campo-escola de montanhismo, pois conta com trilhas para caminhada e corrida, bem como vias de escalada em rocha de todas as dificuldades. Chegando lá de carro: Deixe Curitiba pela BR-116 sentido São Paulo, seguindo até o trevo de Quatro Barras, cuja sede municipal pode ser visualizada à direita. Saindo desta rodovia, você chega ao centro da cidade. Siga as placas que indicam Borda do Campo e Morro do Anhangava à direita, onde você acaba tomando a PR 506. Em poucos quilômetros, pl