Pular para o conteúdo principal

Uma das mudanças em curso para 2020

Oi!

Acho que um dos maiores aprendizados e uma das maiores decisões para 2020 foi focar no foco.


Engraçado isso né? Focar no foco. 


Preciso de foco. Com foco e direcionamento eu consigo ser mais consistente nos propósitos, ao mesmo tempo consigo extrair maior diversão dessa grande aventura que é viver e também sentir-me vivo e produtivo.

No esporte, como você deve estar percebendo, o foco está nas corridas em montanha para 2020. E como sempre vai ser mais sobre montanhas que sobre corridas, não se trata de competir em provas de corrida em montanha (apesar de já estar inscrito em uma e ter ideias de correr mais duas outras apenas). É mais sobre estar nas montanhas, correndo. Sozinho, com amigos, não importa. Estar nas montanhas é a ideia.

Assim sendo, decidi desfazer-me da minha bike esportiva, aquela que me acompanhou por praticamente dois anos de muito prazer nos pedais e na sua customização. Hora dos caminhos se separarem e direcionar minha veia esportiva àquilo que literalmente me tira o fôlego. correr em montanhas.


Contribuí como pude e da minha forma um pouquinho que seja para mostrar aos brasileiros uma diferente forma de pedalar. Que era mais sobre experiências do que sobre equipamentos. As Gravel Bikes hoje são realidade em nosso país, o cenário está em franco crescimento e fico contente de ter sido um dos que plantaram as primeiras sementes. Foram quase três anos dedicados ao tema com toda a paixão e ímpeto que me movem.


Hora de voltar às montanhas e direcionar essa mesma energia  a compartilhar um pouco do que aprendi com vocês nos 15 anos que corro em trilhas (com algumas pausas nesse meio aí). E sendo assim, pedalar como forma de treinamento será cada vez mais raro. Já providenciei outra bicicleta para utilizar nos deslocamentos diários e eventuais treinos regenerativos.

2020 tem muito a oferecer. É um ano onde completo 20 anos de montanhismo e 10 anos da minha primeira ultramaratona em trilha. Vamos celebrar!

Deixo abaixo as especificações da bike à venda. Valor de R$ 1.980, 00, parcelo em 12X sem juros no Mercado Livre. A vista, de forma presencial em Curitiba consigo melhorar isso, é só me chamar aqui na Jamur Bikes. A bike sairá revisada, em perfeitas condições, tem menos de 2.000 km rodados.

Vamos pra cima, bons treinos!

- Quadro e garfo: Marca Format 5222 em aço cromoly, pintura epoxi, para uso com freios a disco ou v-brake;
- Rodas: Shimano R500 24 e 28 raios para uso com freios v-brake ou caliper. Não aceita disco;
- Pneus: 700X35 Kenda Happy Medium dobráveis;
- Fita antifuro: sim;
- Pedivela: Shimano Claris 50X34 Octalink;
- Movimento Central: Shimano Octalink;
- Pedais : não acompanha;
- Trocadores: Shimano Claris R2000 (passagem interna dos cabos);
- Câmbio traseiro: Shimano Claris R2000;
- Câmbio dianteiro: Shimano Claris R2000;
- Freios: V-Brake Shimano R353 específicos para uso com STI;
- Corrente Shimano HG40;
- Guidão: Alumínio Zoom 440mm;
- Suporte de Guidão: Alumínio Zoom;
- Canote de selim: Absolute Alumínio;
- Selim: Fizik Tundra.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Só o CUme Interessa - Piada Escrota

Bah, nem é piada. Acho que isso se chama cacofonia, que é quando alguma coisa dita de um jeito dá a entender que é outra coisa. Entendeu? Ah, eu também não, hehe. Enfim, não é o que importa. To escrevendo essa parada, porque li um post no blog que os colegas Bonga e Tonto montaram para divulgar sua expedição no Ama Dablam, uma das mais belas e cobiçadas montanhas do Himalaia. Este cume não é dos mais elevados nem dos mais tecnicamente exigente. Mas o Ama Dablam é lindo! Quem não gostaria de pisar em um cume assim? Lindo, majestoso, imenso... Confira abaixo: Pois é... com seus quase sete mil metros trata-se de uma cobiçada montanha, objeto de desejo de muitos. Porém, o que rola desde princípio dos anos noventa são os turistas de montanha. Nada contra eles, pelo contrário. Servem para impulsionar uma atividade ecologicamente correta, movimentar economia, transferir renda e trazer qualidade de vida para quem pratica e/ou depende dela. Porém, tudo em exagero tem um porém - to meio engraç

Guia de Trilhas - Morro do Anhangava (parte I)

INTRODUÇÃO Saudações. É com prazer que publico aqui um mini-guia para corrida de montanha no morro do Anhangava, originalmente publicado no antigo site  TrailRunning BRASIL . MORRO DO ANHANGAVA Localização O Morro do Anhangava e seus 1.420 metros de altitude, está localizado nas proximidades da localidade de Borda do Campo, distrito do município de Quatro Barras, região metropolitana de Curitiba, a aproximadamente 35 quilômetros da capital paranaense. O local é considerado um campo-escola de montanhismo, pois conta com trilhas para caminhada e corrida, bem como vias de escalada em rocha de todas as dificuldades. Chegando lá de carro: Deixe Curitiba pela BR-116 sentido São Paulo, seguindo até o trevo de Quatro Barras, cuja sede municipal pode ser visualizada à direita. Saindo desta rodovia, você chega ao centro da cidade. Siga as placas que indicam Borda do Campo e Morro do Anhangava à direita, onde você acaba tomando a PR 506. Em poucos quilômetros, pl