Pular para o conteúdo principal

Montanhismo Leve e Rápido - Pico Ciririca Express!

Hola, hola, que tal?

Eu e minha super amiga Patrícia Moresco nos jogamos rumo Pico Ciririca, conhecido exageradamente aqui na região como o "K2 paranaense" no Boxing Day, 26 de dezembro de 2021. 

Eu já havia estado lá anteriormente por dez vezes, sendo duas delas fazendo aquilo que chamam por aqui de Montanhismo de Ataque (acho um nome muito pesado, ataque me lembra violência) ou Bate-e-Volta. Prefiro o conceito cunhado décadas atrás no exterior: Light & Fast, em tradução literal, Leve & Rápido.

Não é de hoje que eu me identifico bastante com esta forma de abordar uma atividade a pé em montanhas. Não me sinto mais tão atraído em carregar mochilas pesadas, cheias de equipamentos e suprimentos para muitos dias ou muitas horas. Prefiro me deslocar rapidamente, curtindo da mesma forma cada instante na montanha e me desafiando a encarar novos objetivos esportivos.

É uma maneira diferenciada de praticar atividade em montanha que se posiciona entre o trail running e o trekking tradicional em montanha. Como geralmente as trilhas são muito travadas, técnicas e íngremes para corridas contínuas e a velocidade de deslocamento é superior àquela comum aos praticantes de trekking, podemos colocar o Light & Fast nesse meio do caminho.

O montanhismo leve e rápido vai muito além de apenas ter um bom preparo físico e conhecimento de montanhas. É preciso pensar nas estratégias alimentares, de hidratação, pontos de fuga, estudo apurado da geografia da região e muitas outras variáveis para que a atividade seja segura e prazerosa. 

Nesta atividade, perfizemos aproximadamente 14 quilômetros (segundo meu Polar Git X, no Garmin da Patrícia bateu 16 km, diferença considerável), com 1.920 metros de desnível positivo e 7h34 minutos de atividade no tempo bruto (ficamos no cume por 20 minutos). Foi minha décima primeira vez neste cume, sendo a primeira delas em setembro de 2002. A última havia sido em agosto de 2015, quando fiz em pouco mais de 9 horas e meia este mesmo trajeto.

Estava um dia maravilhoso, temperatura bem amena no início da jornada, 14 graus, e que se deu pouco antes das sete da manhã. A ideia era realmente fazer rápido para retornarmos antes das costumeiras pancadas de chuva de meio de tarde. E aí temos mais uma boa razão para abraçar a ideia do light & fast: quando vamos rápido, temos menos tempo de exposição aos elementos.

Quando a chuva e os fortes ventos vieram nós já estávamos de volta à base, a Fazenda Chácara Bolinha, início desta e de outras trilhas na região da Serra do Ibitiraquire. E ainda recepcionados pela minha esposa Patrícia Fontana, que surpresa agradabilíssima!

Imagens contam melhor um pouco dessa história e deixo abaixo um pouco delas.






Essa foto é especial. Registro da Patricia Fontana ao ver nosso retorno do rolê.

Um grande abraço a todos e um excelente 2022.


Por George Volpão - Todos os Direitos Reservados


Siga-me nos canais:


Blog: www.georgevolpao.com.br


Strava: http://www.strava.com/athletes/georgevolpao

Spotify: https://open.spotify.com/artist/1cFDekjlePO6CMsrYEZY71


========================= // =======================

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Só o CUme Interessa - Piada Escrota

Bah, nem é piada. Acho que isso se chama cacofonia, que é quando alguma coisa dita de um jeito dá a entender que é outra coisa. Entendeu? Ah, eu também não, hehe. Enfim, não é o que importa. To escrevendo essa parada, porque li um post no blog que os colegas Bonga e Tonto montaram para divulgar sua expedição no Ama Dablam, uma das mais belas e cobiçadas montanhas do Himalaia. Este cume não é dos mais elevados nem dos mais tecnicamente exigente. Mas o Ama Dablam é lindo! Quem não gostaria de pisar em um cume assim? Lindo, majestoso, imenso... Confira abaixo: Pois é... com seus quase sete mil metros trata-se de uma cobiçada montanha, objeto de desejo de muitos. Porém, o que rola desde princípio dos anos noventa são os turistas de montanha. Nada contra eles, pelo contrário. Servem para impulsionar uma atividade ecologicamente correta, movimentar economia, transferir renda e trazer qualidade de vida para quem pratica e/ou depende dela. Porém, tudo em exagero tem um porém - to meio engraç

Guia de Trilhas - Morro do Anhangava (parte I)

INTRODUÇÃO Saudações. É com prazer que publico aqui um mini-guia para corrida de montanha no morro do Anhangava, originalmente publicado no antigo site  TrailRunning BRASIL . MORRO DO ANHANGAVA Localização O Morro do Anhangava e seus 1.420 metros de altitude, está localizado nas proximidades da localidade de Borda do Campo, distrito do município de Quatro Barras, região metropolitana de Curitiba, a aproximadamente 35 quilômetros da capital paranaense. O local é considerado um campo-escola de montanhismo, pois conta com trilhas para caminhada e corrida, bem como vias de escalada em rocha de todas as dificuldades. Chegando lá de carro: Deixe Curitiba pela BR-116 sentido São Paulo, seguindo até o trevo de Quatro Barras, cuja sede municipal pode ser visualizada à direita. Saindo desta rodovia, você chega ao centro da cidade. Siga as placas que indicam Borda do Campo e Morro do Anhangava à direita, onde você acaba tomando a PR 506. Em poucos quilômetros, pl