Caminho do Itupava - Novembro 2011

novembro 20, 2011

Ah preguiça...

Não ando assim tão animado a compartilhar glórias pessoais. Cada vez mais me interesso em guardar meus momentos aqui dentro apenas. Sei que tudo são fases e ser um velho maldito por vezes faz parte da minha personalidade. Em tempos de informações instantâneas via facebook e twitter do tipo "just checked in casa do caraio" ou aplicativos para coxinhas do tipo "corri 10 Km em 17 minutos", escrever somente hoje o que fiz ontem não parece muito "in".

Desci de ônibus até o centro da cidade de Morretes, litoral paranaense para uma subida acelerada do Caminho do Itupava. 6 km por estrada de asfalto, um retão bem gostoso de correr mesmo com mochila pesando uns 5 quilos (2 litros de água de coco no reservatório). O calor já estava pegando, mas logo entrei na Estrada das Prainhas com subida agradável por mais 5 km até o Centro de Visitantes do Caminho do Itupava. Lá fiz o registro obrigatório de minha passagem, sob olhares enviesados de alguns trilheiros que deviam estranhar tal atividade de corrida morro acima.

Corrida é modo de dizer e quem conhece o Caminho do Itupava sabe que é impossível correr em boa parte de seus 14 km de trilha. Este trecho de trilha me custou 3h02min, algo que em geral é feito pelos trekkers no sentido contrário (descendo) em 6 ou 7 horas. Em 2008 eu havia descido este trecho de trilha em 2h45. É nítida a evolução e o gosto de quero mais ficou.

Números finais: Do centro de Morretes até o Trailer do IAP na Borda do Campo deu 4h45min com 1.590 metros de desnível positivo acumulado e 680 de desnível negativo. Quilômetragem? Entre 26 e 29, acho, pouco importa.

Neste espaço eu compartilho sentimentos e não minhas pseudo-"glórias". A satisfação das atividades estão nestas propriamente ditas. Tornar isso público é apenas uma medíocre intenção de inspirar a vida simples e o desapego em pessoas de bom coração.

Para elas deixo algumas poucas imagens que coletei em minha câmera mas que estão profundamente marcadas em meu coração por toda a eternidade.









Vale uma leitura!

3 comentários

  1. A satisfação das atividades estão nestas propriamente ditas. Tornar isso público é apenas uma medíocre intenção de inspirar a vida simples e o desapego em pessoas de bom coração.

    Perfeito !!!!!
    Perfeito !!!!!
    Perfeito !!!!

    Preciso escrever isso no meu blog. Se vc me permetir, é claro.

    ResponderExcluir
  2. Esse é o mais puro sentimento de liberdade, determinar um desafio ,descobrir os limites e supera-los, gostei bastante. abraço

    ResponderExcluir
  3. lindo o lugar que você percorreu!
    eu vejo as suas fotos e fico me lembrando de quando sou eu mesma a tirar fotos, deslumbrada com a beleza de alguns lugares que visito durante minhas corridas.... e nesses momentos me pego pensando: ah, se as pessoas pudessem sentir isso que eu senti aqui!

    eu já senti isso... essa comunhão com o espaço à minha volta, e comigo mesma! ser e sentir-se plenamente!

    um desejo de aventura, de ver e ser mais, do que simplesmente ter e saber... alguns lugares nos permitem esse milagre, ainda que por algumas horas apenas...

    parabéns pela viagem, e por partilhar!
    certamente, me sinto inspirada por relatos assim!

    "happiness, only real when shared"
    (into the wild)

    ResponderExcluir