Pular para o conteúdo principal

Caminho do Itupava - Novembro 2011

Ah preguiça...

Não ando assim tão animado a compartilhar glórias pessoais. Cada vez mais me interesso em guardar meus momentos aqui dentro apenas. Sei que tudo são fases e ser um velho maldito por vezes faz parte da minha personalidade. Em tempos de informações instantâneas via facebook e twitter do tipo "just checked in casa do caraio" ou aplicativos para coxinhas do tipo "corri 10 Km em 17 minutos", escrever somente hoje o que fiz ontem não parece muito "in".

Desci de ônibus até o centro da cidade de Morretes, litoral paranaense para uma subida acelerada do Caminho do Itupava. 6 km por estrada de asfalto, um retão bem gostoso de correr mesmo com mochila pesando uns 5 quilos (2 litros de água de coco no reservatório). O calor já estava pegando, mas logo entrei na Estrada das Prainhas com subida agradável por mais 5 km até o Centro de Visitantes do Caminho do Itupava. Lá fiz o registro obrigatório de minha passagem, sob olhares enviesados de alguns trilheiros que deviam estranhar tal atividade de corrida morro acima.

Corrida é modo de dizer e quem conhece o Caminho do Itupava sabe que é impossível correr em boa parte de seus 14 km de trilha. Este trecho de trilha me custou 3h02min, algo que em geral é feito pelos trekkers no sentido contrário (descendo) em 6 ou 7 horas. Em 2008 eu havia descido este trecho de trilha em 2h45. É nítida a evolução e o gosto de quero mais ficou.

Números finais: Do centro de Morretes até o Trailer do IAP na Borda do Campo deu 4h45min com 1.590 metros de desnível positivo acumulado e 680 de desnível negativo. Quilômetragem? Entre 26 e 29, acho, pouco importa.

Neste espaço eu compartilho sentimentos e não minhas pseudo-"glórias". A satisfação das atividades estão nestas propriamente ditas. Tornar isso público é apenas uma medíocre intenção de inspirar a vida simples e o desapego em pessoas de bom coração.

Para elas deixo algumas poucas imagens que coletei em minha câmera mas que estão profundamente marcadas em meu coração por toda a eternidade.









Comentários

  1. A satisfação das atividades estão nestas propriamente ditas. Tornar isso público é apenas uma medíocre intenção de inspirar a vida simples e o desapego em pessoas de bom coração.

    Perfeito !!!!!
    Perfeito !!!!!
    Perfeito !!!!

    Preciso escrever isso no meu blog. Se vc me permetir, é claro.

    ResponderExcluir
  2. Esse é o mais puro sentimento de liberdade, determinar um desafio ,descobrir os limites e supera-los, gostei bastante. abraço

    ResponderExcluir
  3. lindo o lugar que você percorreu!
    eu vejo as suas fotos e fico me lembrando de quando sou eu mesma a tirar fotos, deslumbrada com a beleza de alguns lugares que visito durante minhas corridas.... e nesses momentos me pego pensando: ah, se as pessoas pudessem sentir isso que eu senti aqui!

    eu já senti isso... essa comunhão com o espaço à minha volta, e comigo mesma! ser e sentir-se plenamente!

    um desejo de aventura, de ver e ser mais, do que simplesmente ter e saber... alguns lugares nos permitem esse milagre, ainda que por algumas horas apenas...

    parabéns pela viagem, e por partilhar!
    certamente, me sinto inspirada por relatos assim!

    "happiness, only real when shared"
    (into the wild)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Specialized Hardrock Sport Anos 90

Oi! Com esta bike consegui, de certa forma, realizar um sonho de adolescência: pedalar uma mountain bike com quadro de cromo-molibdênio e geometria clássica dos anos 90. A bem da verdade, lá por 1996 eu pedalei por alguns meses com uma Scott Yecora e mais recentemente, em 2014 uma Trek Antelope 800. Mas ambas tinham apenas os três tubos principais em cromoly. Esta Specialized Hardrock Sport eu consegui na Jamur Bikes, sendo trazida recentemente dos Estados Unidos pelo próprio Paulo Jamur (proprietário da loja e meu boss), que se encantou pela bike e seu estado de conservação. Quando ele colocou a bike à venda na loja, não me fiz de rogado. Era a chance de ter uma bike em cromoly e praticamente original dos anos 90. Na verdade comprei esta bike como alternativa para transporte urbano, uma vez que a Format 5222 (da qual pretendo fazer uma apresentação em post futuro) que "gravelizei" eu pretendia deixar somente para atividades esportivas. Mas gostei

Só o CUme Interessa - Piada Escrota

Bah, nem é piada. Acho que isso se chama cacofonia, que é quando alguma coisa dita de um jeito dá a entender que é outra coisa. Entendeu? Ah, eu também não, hehe. Enfim, não é o que importa. To escrevendo essa parada, porque li um post no blog que os colegas Bonga e Tonto montaram para divulgar sua expedição no Ama Dablam, uma das mais belas e cobiçadas montanhas do Himalaia. Este cume não é dos mais elevados nem dos mais tecnicamente exigente. Mas o Ama Dablam é lindo! Quem não gostaria de pisar em um cume assim? Lindo, majestoso, imenso... Confira abaixo: Pois é... com seus quase sete mil metros trata-se de uma cobiçada montanha, objeto de desejo de muitos. Porém, o que rola desde princípio dos anos noventa são os turistas de montanha. Nada contra eles, pelo contrário. Servem para impulsionar uma atividade ecologicamente correta, movimentar economia, transferir renda e trazer qualidade de vida para quem pratica e/ou depende dela. Porém, tudo em exagero tem um porém - to meio engraç

Guia de Trilhas - Morro do Anhangava (parte I)

INTRODUÇÃO Saudações. É com prazer que publico aqui um mini-guia para corrida de montanha no morro do Anhangava, originalmente publicado no antigo site  TrailRunning BRASIL . MORRO DO ANHANGAVA Localização O Morro do Anhangava e seus 1.420 metros de altitude, está localizado nas proximidades da localidade de Borda do Campo, distrito do município de Quatro Barras, região metropolitana de Curitiba, a aproximadamente 35 quilômetros da capital paranaense. O local é considerado um campo-escola de montanhismo, pois conta com trilhas para caminhada e corrida, bem como vias de escalada em rocha de todas as dificuldades. Chegando lá de carro: Deixe Curitiba pela BR-116 sentido São Paulo, seguindo até o trevo de Quatro Barras, cuja sede municipal pode ser visualizada à direita. Saindo desta rodovia, você chega ao centro da cidade. Siga as placas que indicam Borda do Campo e Morro do Anhangava à direita, onde você acaba tomando a PR 506. Em poucos quilômetros, pl